Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Feira Quinhentista de Sintra 2019

1.jpg

 

 

Largo D. Fernando II, S. Pedro de Sintra

Em 1502, estando D. Manuel nos seus Paços de Sintra, recebe a notícia de que a armada de Vasco da Gama estaria a chegar a Lisboa, o Rei decide subir à Capela de Nossa Senhora da Pena, no cimo da Serra de Sintra, para daí avistar a referida armada a entrar no Tejo.

A presença de D. Manuel I nos Paços de Sintra, local escolhido pelo monarca para seu desenfado pelos seus bons ares e abundância de caça é o mote para a Feira Quinhentista de Sintra 2019.

À Feira acorrem embaixadores, pintores, poetas, músicos, escritores, capitães de armada e marinheiros, que se juntam aos vendedores, taberneiros e artífices, dando à vila o movimento próprio de uma cidade.

Atraída pelos pregões dos vendedores, a nobreza vem à feira divertindo-se a mostrar como se dança no paço d’el Rei. Vem também o Bobo e Mestre Gil Vicente, figura de destaque nesta corte que não falta a uma boa feira, procurando inspiração para a criação dos seus autos e, quem sabe se não consegue no meio de tanta gente, descobrir novos talentos da arte de representar.

Nestas ocasiões, o povo aproveita para se divertir com os malabaristas ou com os gaiteiros que ali aparecem criando situações de uma certa euforia popular.

Na Feira encontra-se também Duarte D’Armas, encarregado de realizar o desenho de todas as fortalezas e castelos do Reino, fará “visitas guiadas” a Sintra a partir dos seus “3 debuxos das vistas de Cintra”. E não será o único a contar os seus feitos ao público, “Martim Afonso, marinheiro da carreira das Índias” fará o relato da sua viagem a bordo de uma nau da carreira das Índias.

O visitante desta feira poderá ainda conhecer melhor a Arte da Falcoaria, que estará representada com exposição de aves e demonstrações de voo, bem como alguns ofícios tradicionais como a cestaria, a azulejaria, a cerâmica e olaria e a carpintaria.

No sábado às 16h será apresentada uma palestra pelo Dr. Sérgio Luís de Carvalho: O quarto cavaleiro do Apocalipse: A Peste Negra em Sintra (do séc. XIV ao séc. XVI).

18 e 19 de julho - 17h00 às 24h00
20 de julho – 13h00 às 24h00
21 de julho – 13h00 às 23h00

Organização: Câmara Municipal de Sintra
Produção: Câmara dos Ofícios
Apoio: União de Freguesias de Sintra
Parceiro: Refood

Entrada  livre
Informações: camara.oficios@mail.telepac.pt

Feira Quinhentista regressa a Sintra

De 18 a 21 de julho, a Praça D. Fernando II, em São Pedro de Sintra, recebe mais uma edição da Feira Quinhentista, recriando um mercado de época, com entrada livre.

Serão quatro dias de feira, onde poderá conhecer alguns dos ofícios da época de D. Manuel I, como a tinturaria, a tecelagem e a moagem.

Esta recriação histórica contará com animação permanente num ambiente de festa com personagens do povo e da nobreza recriando várias situações do quotidiano em interação com o público, assim como quiosques destinados à venda de diversos produtos.

Em 1502 estando D. Manuel I nos Paços de Sintra, recebeu a notícia de que a armada de Vasco da Gama estaria a chegar a Lisboa, o Rei decidiu subir à Capela de Nossa Senhora da Pena, no cimo da Serra de Sintra, para daí avistar a referida armada a entrar no Tejo.

A presença de D. Manuel I nos Paços de Sintra, local escolhido pelo monarca para seu descanso pelos bons ares e abundância de caça é o mote para a realização da Feira Quinhentista de Sintra 2019.

À Feira acorrem embaixadores, pintores, poetas, músicos, escritores, capitães de armada e marinheiros, que se juntam aos vendedores, taberneiros e artífices, dando à vila o movimento próprio de uma cidade.

Atraída pelos pregões dos vendedores, a nobreza vem à feira divertir-se e mostrar como se dança no paço d´el Rei. Vem também o Bobo e Mestre Gil Vicente, figura de destaque nesta corte que não falta a uma boa feira, procurando inspiração para a criação dos seus autos e, quem sabe se não consegue no meio de tanta gente, descobrir novos talentos da arte de representar.

Nestas ocasiões, o povo aproveita para se divertir com os malabaristas ou com os gaiteiros que ali aparecem criando situações de uma certa euforia popular.

Na feira encontra-se também Duarte D´Armas, encarregado de fazer o desenho de todas as fortalezas e castelos do Reino, que fará “visitas guiadas” a Sintra a partir dos seus “3 debuxos das vistas de Cintra”. E não será o único a contar os seus feitos ao público, “Martim Afonso, marinheiro da carreira das Índias” fará o relato da sua viagem a bordo de uma nau da carreira das Índias.

O visitante desta feira poderá ainda conhecer melhor a arte da falcoaria, que estará representada com uma exposição de aves e demonstração de voo, bem como alguns ofícios tradicionais como a cestaria, a azulejaria, a cerâmica e olaria e a carpintaria.

No sábado às 16h00 será apresentada uma palestra pelo prof. Sérgio Luís de Carvalho: O quarto cavaleiro do Apocalipse: A Peste Negra em Sintra (do séc. XIV ao séc. XVI).

A Feira Quinhentista é organizada pela Câmara Municipal de Sintra, produzida pela Câmara dos Ofícios, e com apoio da União de Freguesias de Sintra.

 

Horário:

18 e 19 de julho – 17h00 às 24h00

20 de julho – 13h00 às 24h00

21 de julho – 13h00 às 23h00

Picnic Galante - 22 junho - Jardim do Cerco Mafra

PicNicMafra2019.jpg

 

A Câmara dos Ofícios e o Palácio Nacional de Mafra vão realizar no próximo dia 22 de junho, no Jardim do Cerco em Mafra, a partir das 15H00 e até às 19H00, a recriação de um Picnic Galante do Séc. XVIII.

O evento conta com um programa variado desde a azáfama dos criados da corte que chegam com arcas, pratas, candelabros, almofadas e tudo o que é necessário ao acontecimento, à chegada dos Nobres que vêm merendar. Para além da recriação de uma merenda do séc. XVIII, haverá momentos de dança, poesia e jogos do séc. XVIII.

O convite é feito à população em geral. Quem pretender participar deverá trazer a sua merenda e de preferência vir trajado a rigor, de modo a passar uma tarde de lazer com a Corte do Séc. XVIII.

Inserido no projeto europeu das Residências Reais “A place at the Royal Table/Um lugar à Mesa do Rei”, realiza-se este ano a 2ª edição.

O evento conta com o apoio da Câmara Municipal de Mafra.

 

ENTRADA LIVRE

Vinho Verde promove um "regresso à Casa do Conde" com Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco e António Silva Monteiro

Jantares temáticos abordam escritores portugueses e recriações de época

CASA DO VINHO VERDE PROPÕE UM “REGRESSO À CASA DO CONDE”

COM JOEL CLETO E ORADORES CONVIDADOS

Jantares_Casa do VV.jpg

 

A partir de 13 de Abril, a Casa do Vinho Verde abre portas a um ciclo de jantares temáticos que, mensalmente, propõe um “Regresso à Casa do Conde”. Um programa que convida a recuar até à segunda metade do século XIX e a frequentar o Palacete Silva Monteiro – que actualmente dá lugar à Casa do Vinho Verde - permite conversar com Gonçalves Guimarães para descobrir Eça de Queiroz, conhecer Camilo Castelo Branco através de Isabel Pires de Lima e desvendar o universo do Conde Silva Monteiro com Joel Cleto.

 

Para além dos oradores convidados, três Chefs de referência confecionam menus inspirados em nomes maiores da literatura portuguesa e da sociedade portuense: a 13 de Abril, uma noite “à mesa com Eça de Queiroz” conta com o Chef António Pinto - da Casa de Tormes – para recriar o menu queirosiano de “A cidade e as serras” harmonizado com o “fresco, esperto, seivoso” Vinho Verde.

 

A 25 de Maio, o Chef Renato Cunha revisita “A brasileira de Prazins” e apresenta produtos tradicionais da região minhota num menu Camiliano para estar “à mesa com Camilo Castelo Branco” e, a 29 de Junho, o Chef Hélio Loureiro prepara um jantar de inspiração oitocentista no Palacete da Rua da Restauração onde, à época, os salões se enchiam de arte e de cultura para receber a sociedade portuense.

 

O “Regresso á Casa do Conde” é uma iniciativa cultural integrada nas comemorações dos 110 anos da Região Demarcada dos Vinhos Verdes e tem como objectivo celebrar o Vinho Verde na literatura portuguesa, para além de promover a Obra do Conde Silva Monteiro, importante figura da cidade do Porto a nível cultural, económico, social e filantrópico.

 

“Regresso à Casa do Conde” | Ciclo de Jantares temáticos na Casa do Vinho Verde

13 de Abril – “À mesa com Eça de Queiroz” | Horário: 20 horas

Orador convidado: Gonçalves Guimarães | Chef António Pinto | Preço por pessoa: 50,00 euros

25 de Maio – “À mesa com Camilo Castelo Branco” | Horário: 20 horas

Orador convidado: Isabel Pires de Lima | Chef Renato Cinha | Preço por pessoa: 50,00 euros

29 de Junho | “Regresso à Casa do Conde” | Horário: 20 horas

Orador: Joel Cleto | Chef Hélio Loureiro | Preço por pessoa: 50,00 euros

 

Rua da Restauração, nº 318, 4050 – 501 Porto

Reservas: marketing@vinhoverde.pt

Feira Quinhentista de Sintra - 12 a 15 julho

I.jpg

 

Feira Quinhentista de Sintra 2018
Praça D. Fernando II, S. Pedro de Penaferrim
12 e 13 de julho - 17h00 às 24h00
14 de julho – 13h00 às 24h00
15 de julho – 13h00 às 23h00

Serão 4 dias de feira, onde se poderá conhecer alguns dos mesteres da época de D. Manuel I, como a tinturaria, a tecelagem e a moagem. Haverá também demonstração de armas da época para além da habitual animação com diversos personagens das obras de Mestre Gil Vicente, que também irá à Feira. Malabarismo, música e dança completam o ambiente de festa, próprio para degustar os produtos tradicionais da gastronomia portuguesa e galega, bem como muitas especialidades de doçaria conventual e tradicional.
Artífices, artesãos, produtores e mercadores estarão presentes com os seus melhores produtos e artigos.
As crianças poderão experimentar a oficina de padeiro, ou um passeio de burro.


Para mais informações: camara.oficios@mail.telepac.pt ou 219164550


Organização: Câmara Municipal de Sintra


Produção: Câmara dos Ofícios


Apoio: União de Freguesias de Sintra

 

FEIRA DE MAIO DE REGRESSO COM UMA RECRIAÇÃO HISTÓRICA

 

II.jpg

 

 

De 18 a 20 de Maio, no coração da Freguesia - Largo da República, será possível viajar até ao século XVIII na Feira de Maio. Com entrada livre, tem como principal objetivo a recriação histórica de um mercado e das vivências de uma quinta de recreio na primeira metade do século XVIII.

A criação da Feira de Agualva, uma das mais antigas da região saloia entre as feiras tradicionais, resultou de uma petição feita a D. João V pela Irmandade de Nossa Senhora da Consolação de Agualva. O rei acolheu favoravelmente este pedido e autorizou a realização da feira através de alvará régio datado de 22 de Setembro de 1712.

A animação será diversificada e constante durante o período da feira destacando-se a recriação de um ambiente de fidalguia com a presença da família de Matias Aires a quem pertencia o Palácio da Quinta N. Sr.ª do Monte do Carmo (Quinta da Fidalga).

No recinto da feira personagens característicos da época tais como: alcoviteiras, regateiras, aguadeiros, colarejas etc. recriam um ambiente de mercado com os seus pregões e algazarras e momentos de bailaricos ao som de gaitas de foles, recriarão várias situações características dos mercados setecentistas.

No sábado e domingo os Valdevinos Teatro de Marionetas, irá apresentar as tradicionais histórias do Teatro de D. Roberto, Nos mesmos dias às 15h00, decorrerão os “Passeios com história “, uma breve visita pela história de Agualva em especial pela Quinta da Fidalga e Feira de Maio dinamizada pelo Dr. Rui Oliveira.

Destaque ainda para um serão musical a realizar no dia 19 sábado, pelas 21:30h na capela da Quinta da Fidalga com um reportório composto por lundus e modinhas brasileiras do séc. XVIII

Ainda com o intuito de promover o convívio familiar e dar a conhecer às gerações mais novas as diversões de outrora, serão dinamizados por alguns personagens jogos do séc. XVIII tais como o jogo do pélélé, da cidade de Roma, tração à corda, chinquilho, peão entre outros.

O espaço será organizado de modo a proporcionar ao visitante uma ambiência de Feira do Séc. XVIII, com a presença de tasquinhas de comes e bebes, pão com chouriço, doçaria, hortícolas e frutas, artesanato e ofícios tradicionais.

A organização do evento está a cargo da Junta de Freguesia de Agualva e Mira Sintra, em parceria com a Câmara Municipal de Sintra, com produção e animação da Câmara dos Ofícios.

O horário será o seguinte:

Sexta (18 de maio) – das 18h00 às 24h00

Sábado (19 de maio) – das 12h00 às 24h00

Domingo (20 de maio) – das 12h00 às 22h00

 

 Informações: camara.oficios@mail.telepac.pt

Feira Medieval de Palmela | 22 a 24 setembro - Programa

Entre 22 e 24 de setembro

IV Feira Medieval recria as Conquistas de Palmela

 

 

image003.jpg

 

A Feira Medieval de Palmela, uma das maiores do país, está de volta, entre os dias 22 e 24 de setembro e, desta vez, convida a uma viagem até ao período da formação da nacionalidade e às várias (re)conquistas de Palmela e do seu Castelo, com a evocação de quatro datas, durante o século XII, o período de formação da urbe cristã e a preparação da conquista de Alcácer do Sal, em 1217. Desfiles diurnos e noturnos, torneios, música, gastronomia, danças, jograis, artes de rua, falcoaria, acampamentos temáticos, artesanato e mercado medieval são alguns dos principais atrativos desta grande festa no Centro Histórico de Palmela.

Esta iniciativa, que já conquistou a comunidade e diversas estruturas locais, que participam voluntariamente no evento, para acolher as/os visitantes, proporciona, também, programas especiais, nomeadamente, para o público infantil e famílias  - O Anfiteatro Bosque, no Parque Venâncio Ribeiro da Costa.

As entradas têm o valor de 2,50 euros para um dia e de 5 euros para os três dias. A entrada é gratuita para visitantes com idade igual ou inferior a 12 anos.

Mais informações em www.cm-palmela.pt.

 

 

«Em pleno século XII, Palmela – a Balmala muçulmana - é disputada entre cristãos e muçulmanos. Palmela é quatro vezes conquistada pelos cristãos, a primeira das quais em 1147, por D. Afonso Henriques, logo após a conquista de Lisboa. Dez muçulmanos fogem de Lisboa, numa canoa, transportando mensagens de pedido de auxílio dirigidas ao emir de Évora, que tentam fazer chegar a Palmela; a canoa é perseguida pelos cristãos e, os muçulmanos apavorados, abandonam-na, deixando nela as mensagens. A guarnição muçulmana do castelo de Palmela, reconhecendo a vitória portuguesa em Lisboa, foge, tal como as gentes que habitavam a medina. Por algum tempo (indefinido), o castelo passa para as mãos dos portugueses liderados por Afonso Henriques. Pouco depois, é reconquistada pelos muçulmanos.

Em 1165, os portugueses conquistam de novo Palmela, e outros castelos da região. Entre essa conquista e 1191, forma-se e cresce o povoado cristão de Palmela; fixam-se também judeus e, no arrabalde, concentram-se mouros forros, protegidos pelo rei através da concessão de foral, em 1170. No castelo está instalado o Alcaide, existe a igreja de Santa Maria. Criado o concelho por Foral de 1185, o castelo é doado aos freires da Ordem de Santiago em 1186.

1191 é data de conquista do castelo pelos almóadas, muçulmanos provenientes do Norte de África, liderados pelo califa Abu Yacuf Al-Mansur: o castelo é atacado, devastado e incendiado. Aqui se instalam, durante 3 a 4 anos, um comando almóada e a sua guarnição.

As hostes régias e as da Ordem de Santiago recuperam Palmela aos almóadas, entre 1194-95. O castelo recebe o seu convento e quartel-general dos Espatários e estão vão fazendo guerra de desgaste aos almóadas que dominam Alcácer.

Em 1217, o comendador-mor da Ordem de Santiago em Portugal, e comendador de Palmela, era Martim Barregão. Este líder comanda as hostes da Ordem de Santiago na batalha de Alcácer do Sal, entre cristãos e muçulmanos, cabendo a vitória aos portugueses».

 

 

Bilheteira

Entrada para 1 dia: 2,50 euros
Entrada para 3 dias: 5,00 euros
Visitantes com idade igual ou inferior a 12 anos: entrada gratuita

 

Locais de venda

Casa Mãe da Rota dos Vinhos – 2.ª feira a sábado das 10h00 às 19h00 e domingo das 13h00 às 19h00

Posto de Turismo de Palmela – 2.ª feira a domingo das 09h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h30

Biblioteca de Pinhal Novo – 3.ª, 5.ª e 6.ª feira das 10h30 às 12h30 e das 14h00 às 19h00 e 4.ª feira e sábado das 14h00 às 19h00.

 

Horário da bilheteira durante a feira

Sexta-feira - 16h00 às 23h00
Sábado e domingo - 13h00 às 23h00

 

Roupeiro Medieval

O Roupeiro Medieval funciona nos dias e horário da Feira Medieval.

Pavilhão Alius Vetus (junto à entrada 2 | Igreja de S. Pedro)

Traje para 1 dia: 6,00 euros

Traje para 2 dias: 7,00 euros
Traje para 3 dias: 8,00 euros

Caução: 12,00 euros (devolvida na entrega do traje)

O aluguer de trajes permitirá a entrada gratuita na Feira Medieval.

 

 

Ceia Medieval na Taverna

Dia 23 de setembro

Hora: 20h00

Local: Adega Casa de Atalaia (Rua Heliodoro Salgado, n.º 36 - Palmela)

 

Cousas de Comer e de Beber:

Chouriças ao lume, gorduras frigidas de porco, queijo seco e azeitonas, pão e broa de milho.

Sopa com legumes da horta e feijão seco.

Perna de porco à Medieval com arroz de forno e salada.

Laranjas, laranjas e mais laranjas: umas com mel e frutos secos, outras com groselha e outras, ainda, ardidas em bebida alcoólica.

Vinhos, sumos de laranja e de limão e água .

Café? Só daqui a muitos anos. Quanto muito, água suja.

 

 

Preço com entrada para a Feira Medieval : 20,00 euros por adulto; 12,00 euros por criança (dos 6 aos 12 anos).

Lotação limitada.

Informações e reservas:

E- mail: info@casadeatalaia.com

Telefone: 965 500 722 ou 212 332 227

Programa:

 

Animação permanente

Sexta 19: 00 às 00:00

Sábado e Domingo 14:00 às 00:00

 

Revelim Norte

Acampamento de profissões – Arqueiros d’el Rei , Minearte

Fazenda dos Animais - Leonor e os Gansos

Acampamento de Falcoaria – Artfalco

 

Praça de Armas

Jogos infantis – Década de Sonhos

 

Arrabalde -

Guarda Moura - Os Berberes

Exposição Árabe – Abdel Saara

 

Revelim Entrada - Terreiro da Moirama

Camelos – Alcaide

 

Igreja de Santa Maria

Tenda de Chá – Addel Saara

 

Liça

Acampamento de Armas – Espada Lusitana

Acampamento Cavalaria – Cavaleiros de Ribadouro

 

 

22 SETEMBRO (sexta-feira)

17h00

Abertura da Feira nas tendas dos mercadores e acampamentos

 

19h00

Momento de boas-vindas

Porta falsa

 

  1. Afonso Henriques, após a segunda conquista de Palmela às tropas muçulmanas, em 1165, e da atribuição de foral aos Mouros - o que lhes permite habitar serenamente no Arrabalde -, atribui hoje, com seu filho Sancho, carta de Foral a Palmela: é criado o concelho!

Estamos em 1185 e há feira e bailios para festejar, em Paz!

 

 

19h00 às 00h00

Música e Bailias do Arrabalde ao Castelo

Strella do Dia

Grupo de Percussão e Gaitas - Sociedade Filarmónica Palmelense «Loureiros»

Les Musiciens du Royaume – Sociedade Filarmónica «Humanitária»

Gaiteiros da Bardoada

Jograis d’el Rei

Alvorada

 

Ralé na rua de Nenhures

Ten_Tart

 

19h30

Igreja de Santiago

Música da Época – Eduardo Ramos

 

20h00

Largo Dom Afonso Henriques

Danças orientais - Companhia Al-Nawar

 

Praça de Armas

Recanto

 

 

20h30

Terraço Sul

Grupo de Danças Sociedade Filarmónica Palmelense «Loureiros»

 

Terreiro da Moirama – revelim entrada

Dança Oriental - ATA - Dança Flor Lotus

 

21h00

Liça

Falcoaria - Demonstração de voo livre - Artfalco

 

 

21h30

Liça para Igreja de Santa Maria

 

Desfile Noturno - Espada Lusitana, Cavaleiros Ribadouro, AGAPE, Orquestra Bardoada, Ten_Tart

 

Ano do Senhor de 1194. Cortejo de saudação ao Comendador-Mor da Ordem de Santiago, D. Soeiro Rodrigues, por este ter vencido os almóadas e recuperado o castelo em 1191: sede da Ordem espatária está instalada no castelo.

É feita a investidura de mais um freire-cavaleiro santiaguista  – Rodrigo Goterre – para engrossar as hostes da Ordem Militar.

 

22h00

Igreja de Santiago

Música da Época – Eduardo Ramos

 

Praça de Armas

Grupo de Danças Antigas – Alius Vetus

 

22h30

Igreja de Santa Maria

Dança no Ar -  Dançarte

 

Igreja de Santiago

Grupo Coral Sociedade Filarmónica Palmelense os Loureiros

 

Largo Dom Afonso Henriques

Danças orientais - Companhia Al-Nawar

 

23h00

Anfiteatro Bosque

A Centelha

 Uma viagem da mais ínfima centelha de um corpo em brasa, ao fogo - Coprodução AnYmamundy | Malatitsch | Strella del dia

 

Liça

Apresentação de Armas - Espada Lusitana

 

Terraço Sul

Danças Medievais Leónia Oliveira com Recanto

 

00h00

Encerramento

 

 

23 SETEMBRO (Sábado)

14h00

 

Abertura da Feira nas tendas dos mercadores e acampamentos

Programação Infantil

Praça de Armas

14h30 | 17h30

 «Trovas e Cantigas» - Teatro em Caixa 

16h00 |18h30

«A Idade das Trovas»- Teatro em Caixa 

 

Anfiteatro do Bosque

16h30

Falcoaria com estórias – Artfalco

 

Revelin Norte

Oficinas - Arqueiros d’el Rei

15h00 |17h00 |19h00

 

Cota de Malha

A armadura de malha consiste num conjunto de anéis de ferro interligados, formando uma veste de malha que fornecia aos exércitos uma proteção eficaz contra golpes de armas cortantes. Este ofício demonstra o processo de fabrico da cota de malha nas diferentes peças de vestuário.

Oficina com uma Lotação de 4 pessoas

Público-alvo: adultos e crianças a partir dos 12 anos acompanhadas por um adulto

Duração: 30 a 60 minutos

 

Lucette (forquilha de cordão)

A ter lugar no ofício dos têxteis.

Nesta oficina o participante terá a oportunidade de fabricar cordão a partir de fio de lã ou algodão utilizando como ferramenta a forquilha de cordão (lucette).

Oficina com uma Lotação de 12 pessoas

Público-alvo: adultos e crianças a partir dos 7 anos acompanhadas por um adulto

Duração: 45 minutos

 

Velas

Nesta oficina o artesão irá falar da História da iluminação na época medieval, e demonstrar uma das técnicas medievais de fabrico de velas com cera de abelha. O participante será convidado a experimentar a técnica da emersão do pavio.

Oficina com uma Lotação de 4 pessoas

Público-alvo: adultos e crianças a partir dos 12 anos acompanhadas por um adulto

Duração:  30  minutos

 

 

15h00 às 00h00

 

Música e Bailias do Arrabalde ao Castelo

Strella do Dia

Grupo de Percussão e Gaitas - Sociedade Filarmónica Palmelense «Loureiros»

Les Musiciens du Royaume – Sociedade Filarmónica «Humanitária»

Gaiteiros da Bardoada

Jograis d’el Rei

Alvorada

Gambuzinos

Terras de Atomun (Exposição cães)

Grupo de Danças Antigas  Alius Vetus

AnYmamundy

Malatitsch

 

 

Ralé na rua de Nenhures

Ten_Tart

 

16h00

Igreja Santiago

Grupo Coral Grupo Coral Montijo

 

17h00

Do Mercado Municipal (Centro Histórico) ao Castelo

Desfile

Ida de todos os fidalgos, homens-bons e do povo dos três credos – cristão, muçulmano e judaico - até ao Castelo para saudar El Rei D. Afonso Henriques, agradecendo a criação do concelho pela carta de Foral de 1185.

Igreja Santiago

Música de época – Eduardo Ramos

 

19h00

Largo Dom Afonso Henriques

Danças orientais - Companhia Al-Nawar

 

Igreja de Santiago

Grupo Coral Grupo Coral Montijo

 

20h30

Terreiro da Moirama

Dança Oriental - ATA - Dança Flor Lotus

 

Igreja Santiago

Música de época – Eduardo Ramos

 

Liça

Falcoaria - Demonstração de voo livre - Artfalco

 

 

21h00

 Liça

Torneio – Cavaleiros de Ribadouro, Espada Lusitana, AGAPE

O torneio celebra a coragem, a astúcia e a honra d’ el Rei de Portugal, D. Afonso Henriques

 

21h30

Igreja de Santiago

Grupo de Danças Antigas – Alius Vetus

 

22h00

Igreja Santa de Maria

Dança no Ar -  Dançarte

Igreja Santiago

Música de época – Eduardo Ramos

 

 

23h00

Anfiteatro Bosque

A Centelha

 Uma viagem da mais ínfima centelha de um corpo em brasa, ao fogo - Coprodução AnYmamundy | Malatitsch | Strella del dia

Terraço Sul

Danças Medievais Leónia Oliveira com Recanto

 

00h00

Encerramento

 

 

24 SETEMBRO (domingo)

14h00

 

Abertura da Feira nas tendas dos mercadores e acampamentos

 

Programação Infantil

Praça de Armas

14h30 | 17h30

 «Trovas e Cantigas» - Teatro em Caixa 

16h00 |18h30

«A Idade das Trovas»- Teatro em Caixa 

 

Anfiteatro do Bosque

16h30

Falcoaria com estórias – Artfalco

 

Revelin Norte

Oficinas - Arqueiros d’el Rei

15h00 |17h00 |19h00

 

Cota de Malha

A armadura de malha consiste num conjunto de anéis de ferro interligados, formando uma veste de malha que fornecia aos exércitos uma proteção eficaz contra golpes de armas cortantes. Este ofício demonstra o processo de fabrico da cota de malha nas diferentes peças de vestuário.

Oficina com uma Lotação de 4 pessoas

Público-alvo: adultos e crianças a partir dos 12 anos acompanhadas por um adulto

Duração: 30 a 60 minutos

 

Lucette (forquilha de cordão)

A ter lugar no ofício dos têxteis.

Nesta oficina o participante terá a oportunidade de fabricar cordão a partir de fio de lã ou algodão utilizando como ferramenta a forquilha de cordão (lucette).

Oficina com uma Lotação de 12 pessoas

Público-alvo: adultos e crianças a partir dos 7 anos acompanhadas por um adulto

Duração: 45 minutos

 

Velas

Nesta oficina o artesão irá falar da História da iluminação na época medieval, e demonstrar uma das técnicas medievais de fabrico de velas com cera de abelha. O participante será convidado a experimentar a técnica da emersão do pavio.

Oficina com uma Lotação de 4 pessoas

Público-alvo: adultos e crianças a partir dos 12 anos acompanhadas por um adulto

Duração:  30  minutos

 

15h00 às 00h00

Música e Bailias do Arrabalde ao Castelo

Strella do Dia

Grupo de Percussão e Gaitas - Sociedade Filarmónica Palmelense «Loureiros»

Les Musiciens du Royaume – Sociedade Filarmónica «Humanitária»

Gaiteiros da Bardoada

Jograis d’el Rei

Alvorada

Gambuzinos

Dragonologia - Projeto EZ

Terras de Atomun (Exposição cães)

AGAPE

Grupo de Danças Antigas  Alius Vetus

AnYmamundy

Malatitsch

 

 

Ralé na rua de Nenhures

Ten_Tart

 

15h30

Igreja Santiago

Danças Medievais – Agrupamento Escolas Palmela, Escola EB1 António Matos Fortuna

 

16h00

Igreja Santiago

Grupo Coral Ateneu Artístico Vilafranquence

 

17h00

Do Mercado Municipal (Centro Histórico) à Liça

Desfile

Ida de todos os fidalgos, homens-bons e do povo até à Liça para honrar a presença d’ el Rei de Portugal, D. Afonso Henriques.

 

18h30

Igreja de Santiago

Música da Época – Eduardo Ramos

 

19h00

Liça

Torneio – Cavaleiros de Ribadouro, Espada Lusitana, AGAPE

O torneio celebra a coragem, a astúcia e a honra d’ el Rei de Portugal, D. Afonso Henriques.

Igreja Santiago

Grupo Coral Ateneu Artístico Vilafranquence

 

Largo Dom Afonso Henriques

Danças orientais – Companhia Al-Nawar

 

20h00

Liça

Falcoaria - Demonstração de voo livre - Artfalco

 

Igreja de Santiago

Música da Época – Eduardo Ramos

 

20h30

Terreiro da Moirama

Dança Oriental - ATA - Dança Flor Lotus

 

21h30

Largo Dom Afonso Henriques

Danças orientais – Companhia Al-Nawar

 

Igreja de Santiago

Música da Época – Eduardo Ramos

 

22h00

Anfiteatro Bosque

A Centelha

 Uma viagem da mais ínfima centelha de um corpo em brasa, ao fogo - Coprodução AnYmamundy | Malatitsch | Strella del dia

 

22h30

Terraço Sul

Danças Medievais Leónia Oliveira com Recanto

 

00h00

Encerramento

 

 

 

Este fim-de-semana: Feira Medieval da Alameda, Lisboa | A conquista de Lisboa aos mouros por D. Afonso Henriques

A partir de amanhã e até domingo

A conquista de Lisboa por D. Afonso Henriques em 1147

 

image002.jpg

 

*Acampamento histórico, torneio a cavalo, falcoaria, música, espaço infantil, gastronomia e artesanato levam ao Jardim da Alameda um ambiente de bravura

 

A segunda edição da Feira Medieval da Alameda, em Lisboa, tem este ano um tema singular: o cerco de Lisboa e a conquista aos mouros, por D. Afonso Henriques em 1147. O jardim da Alameda transforma-se  por estes dias num acampamento militar, onde decorrem exposições comentadas, treinos de cavaleiros e demonstrações de armas de cerco, entre as quais a catapulta. A iniciativa apresenta um atrativo programa de animação, tendo como personalidade central D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal, que dá nome ao local onde decorre o evento. Para além das arruadas musicais e da degustação de iguarias nas tabernas, o programa oferece demonstrações de falcoaria, torneios a cavalo, recriações históricas, entre as quais o cortejo da chegada de Afonso Henriques e os confrontos entre mouros e cristãos, espetáculos de malabares do fogo e danças medievais, entre tantas outras iniciativas de animação e entretenimento.

Um excelente opção para usufruir do espaço público na cidade de Lisboa, num evento com entrada livre. 

O evento é promovido pelas Juntas de Freguesia de Areeiro, Arroios e Penha de França e conta com a organização da VQL.

A produção está a cargo da Associação Velha Lamparina  e da Associação "Armas da História", com o apoio da Associação cultural ANAPAR.

 

Horários

Sexta, dia 15, das 18h00 às 24h00

Sábado, dia 16,  das 11h00 à 24h00

Domingo, dia 17,  das 11h00 às 22h00

 

Feira Quinhentista de Coina dias 21, 22 e 23 de julho | Barreiro

Feira Quinhentista Coina 2017.jpg

 

 

No Concelho do Barreiro; 2ª edição do evento

 

 

A 2ª Feira Quinhentista, em Coina, no Concelho do Barreiro, realiza-se nos dias 21, 22 e 23 de julho, das 14h00 às 24h00. Com entrada livre, este evento, que, no ano passado, recebeu milhares de visitantes, terá lugar no espaço do mercado mensal de Coina.

 

Trata-se de uma iniciativa com animação garantida, comida e bebida nas tasquinhas, venda de artesanato temático e disponibilização de vestuário de época para poder participar trajado a rigor.

 

A animação estará a cargo de 80 artistas e animadores:

Música – Colibri e Gaiteiros Dumtrago

Música coral – Animae vox

Animação de rua – Animaregnum, Vox de ville e Gilteatro

Exposição de armamento e demonstração de combates – Espada Lusitana

Acampamentos temáticos – Minerarte e Arefina

Animais da quinta e falcoaria – Fazenda dos animais e Quinta pedagógica

Aves do Novo Mundo – Animal Experience

Dança oriental – Companhia Al-Nawar

Dança medieval – Grupo de Danças Antigas Corvos do Conde

Dança Renascentista – Grupo de Danças Antigas de Alhos Vedros

 

Alguns Destaques:

Dia 21 – 21h00, no Palco da Feira, Abertura Oficial seguida de Dança oriental e danças da Renascença

Dia 22 – 22h00, Cortejo noturno dos Cavaleiros, Meirinho, nobres, donzelas e homens bons pela vila de Coina; 23h00, animação de fogo e queimada galega

Dia 23 – 16h00, concerto pelo grupo Animae Vox, na Igreja de Coina; 22h00, encerramento com animação de fogo

 

Esta é uma iniciativa da Câmara Municipal do Barreiro (CMB) e da União das Freguesias de Palhais e Coina, com o apoio à organização da Alius Vetus – Associação Cultural História e Património.

 

Inscrições abertas para venda de artesanato, e comes e bebes.

+INFO através do endereço eletrónico feira.quinhentista.coina@gmail.com ou pelos telefones 962 483 731 (Alius Vetus) ou 212 068 232 (Divisão de Promoção Cultural da CMB).

Feira Quinhentista de Coina | 21, 22 e 23JUL | No Concelho do Barreiro; 2ª edição

 

Feira Quinhentista Coina 2017.jpg

 

No Concelho do Barreiro; 2ª edição do evento

 

Feira Quinhentista de Coina dias 21, 22 e 23 de julho

 

A Feira Quinhentista de Coina, no Concelho do Barreiro, volta a realizar-se este ano. A 2ª edição deste evento, com entrada livre, que, no ano passado, recebeu milhares de visitantes, terá lugar no espaço do mercado mensal de Coina, nos dias 21, 22 e 23 de julho, das 14h00 às 24h00.

 

Esta é uma iniciativa da Câmara Municipal do Barreiro (CMB) e da União das Freguesias de Palhais e Coina, com o apoio da Alius Vetus – Associação Cultural História e Património.

 

+INFO através do endereço eletrónico feira.quinhentista.coina@gmail.com, ou pelos telefones 962 483 731 (Alius Vetus), ou 212 068 232 (Divisão de Promoção Cultural da CMB).