Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Imagens emblemáticas recordam 25 de Abril em exposição no IPS

Imagens emblemáticas recordam 25 de Abril em exposição no IPS

“Os Rapazes dos Tanques”, de Alfredo Cunha, patente no átrio da ESE/IPS até 4 de maio

 

Mundos_Tanques.jpg

 

Algumas das imagens mais emblemáticas sobre o dia que terminou com 48 anos de ditadura em Portugal estão por estes dias patentes no átrio da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (ESE/IPS), através da exposição “Os Rapazes dos Tanques”, do fotógrafo Alfredo Cunha, integrada no ciclo “Os Mundos em que Vivemos”. 

O conjunto de fotografias, parte de um livro homónimo (Porto Editora, 2017) em coautoria com o jornalista Adelino Gomes, surge como uma homenagem aos homens da Cavalaria que protagonizaram essa quinta-feira inicial, dia 25 de abril de 1974, em especial o capitão Salgueiro Maia, que encabeçou os acontecimentos no Terreiro do Paço e Largo do Carmo, gerindo essas horas decisivas, de dúvidas, receios, ansiedade, tensão, e também de esperança e alegria, partilhadas com os civis que iam chegando.

A mostra, patente até ao próximo dia 4 de maio, contará com uma visita guiada no 26 de abril, entre as 13h30 e as 14h30, a cargo da docente Ana Pessoa, do Conselho Pedagógico da ESE/IPS.

O autor, Alfredo Cunha, com vários livros de fotografia já publicados, trabalha atualmente como freelancer, desenvolvendo vários projetos editoriais. Foi editor de fotografia dos jornais “Público”, “Comércio do Porto” e “Jornal de Notícias” e da revista “Focus”, além de diretor de fotografia da agência Global Imagens. Foi igualmente fotógrafo dos presidentes da República António Ramalho Eanes e Mário Soares.  

 

Passatempo "VOZ DOS PÁSSAROS" - Fórum Luísa Todi

O Blog Cultura de Borla em parceria com o  TEATRO ESTÚDIO FONTE NOVA tem bilhetes duplos para o espectáculo "VOZ DOS PÁSSAROS" no FÓRUM MUNICIPAL LUÍSA TODI para os dia 20, 21 e 22 de Abril às 21h30 aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

- enviem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver  "VOZ DOS PÁSSAROS"       com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e sessão que pretendem

 

 

 

 

VOZ DOS PÁSSAROS

A partir de Farid Ud-Din Attar

Dias 20, 21 de Abril às 21h30 e 22 às 17h

 Fórum Municipal Luísa Todi – Setúbal  

image001.jpg

 

“Voz dos Pássaros” foi concebido a partir do texto “Conferência dos Pássaros”, do poeta Farid Ud-Din Attar, um persa dos séculos XII e XIII.

Uma viagem poética e de descoberta, de inspiração sufi, que metaforicamente, através dos pássaros, representa as falhas e as realizações humanas.

Espectáculo poético e com uma beleza estética onde a performance dos atores, numa simbiose entre a plástica corporal, a luz, o ambiente sonoro, a palavra e a cenografia, nos transporta com simplicidade para uma viagem pelos “vales” dos sentimentos e das emoções, na incessante procura do nosso Simorgh.

Ficha Artística e Técnica

Encenação: José Maria Dias | Interpretação: Eduardo Dias, Rafaela Bidarra e Rui Rosado (Músico) | Texto: A partir de Farid Ud-Din Attar | Tradução: Eduardo Dias e Patrícia Paixão | Apoio Dramatúrgico: Luísa Monteiro | Apoio à Criação em Residência Artística: Umcoletivo| Cenografia: Ricardo Guerreiro Campos | Figurinos: Zé Nova | Execução de figurinos: Gertrudes Félix e Zé Nova | Desenho de Imagem: Ricardo Guerreiro Campos | Design Gráfico de Imagem: João P. Nunes | Sonoplastia: Emídio Buchinho | Produção executiva: Graziela Dias e Patrícia Paixão | Vídeo: Ivâ Crispim | Fotografia: Ivâ Crispim e Leonardo Silva | Uma co-produção Festival Internacional de Teatro de Setúbal – XIX Festa do Teatro.

Classificação Etária: M/ 12

 

Duração: 60 minutos – sem intervalo

 

Vídeo promo

https://youtu.be/YW1aicqniHc

 

VOZ DOS PÁSSAROS | Fórum Municipal Luísa Todi

VOZ DOS PÁSSAROS

A partir de Farid Ud-Din Attar

 

Dias 20, 21 de Abril às 21h30 e 22 às 17h

 Fórum Municipal Luísa Todi – Setúbal  

image002.jpg

 

“Voz dos Pássaros” foi concebido a partir do texto “Conferência dos Pássaros”, do poeta Farid Ud-Din Attar, um persa dos séculos XII e XIII.

Uma viagem poética e de descoberta, de inspiração sufi, que metaforicamente, através dos pássaros, representa as falhas e as realizações humanas.

Espectáculo poético e com uma beleza estética onde a performance dos atores, numa simbiose entre a plástica corporal, a luz, o ambiente sonoro, a palavra e a cenografia, nos transporta com simplicidade para uma viagem pelos “vales” dos sentimentos e das emoções, na incessante procura do nosso Simorgh.

Ficha Artística e Técnica

Encenação: José Maria Dias | Interpretação: Eduardo Dias, Rafaela Bidarra e Rui Rosado (Músico) | Texto: A partir de Farid Ud-Din Attar | Tradução: Eduardo Dias e Patrícia Paixão | Apoio Dramatúrgico: Luísa Monteiro | Apoio à Criação em Residência Artística: Umcoletivo| Cenografia: Ricardo Guerreiro Campos | Figurinos: Zé Nova | Execução de figurinos: Gertrudes Félix e Zé Nova | Desenho de Imagem: Ricardo Guerreiro Campos | Design Gráfico de Imagem: João P. Nunes | Sonoplastia: Emídio Buchinho | Produção executiva: Graziela Dias e Patrícia Paixão | Vídeo: Ivâ Crispim | Fotografia: Ivâ Crispim e Leonardo Silva | Uma co-produção Festival Internacional de Teatro de Setúbal – XIX Festa do Teatro.

 

Classificação Etária: M/ 12

 

Duração: 60 minutos – sem intervalo

 

 

Pintura de Ana Paxeco para ver no Politécnico de Setúbal

Pintura de Ana Paxeco para ver no Politécnico de Setúbal

Exposição “Pura Rocha” é inaugurada a 9 de abril

 

Imagem_pura_rocha_portal ESTS.jpg.png

 

Ana Paxeco, artista plástica a residir atualmente no Barreiro, vai estar na Mediateca da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal do Instituto Politécnico de Setúbal (ESTS/IPS) com a exposição “Pura Rocha”, a inaugurar já na próxima segunda-feira, dia 9 de abril.

 

A mostra, patente até 4 de maio, reúne um conjunto de pinturas em acrílico sobre papel, criadas especialmente para o Festival da Montanha 2016, realizado na Ilha do Pico, Açores, e fortemente inspiradas nas fauna e flora autóctones do arquipélago. A natureza é aqui representada sobre fundos manchados de cor e “expressão urbana”, misturando os mundos da artista e da paisagem paradisíaca destas ilhas. 

 

Artista residente da Associação para o Desenvolvimento das Artes e Ofícios (ADAO), no Barreiro, Ana Paxeco é licenciada pela Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha, cidade onde viveu seis anos e de onde retirou uma “experiência fantástica de experimentalismo artístico”. Passou depois algum tempo em Inglaterra e Itália, onde lecionou, na Academia "Fidia", da Universidade de Artes e Restauro de Vibo Valentia (Calabria), as disciplinas de Pintura e Oficinas Gráficas.

 

Formadora em diversos projetos educativos e também produtora de eventos, a autora da exposição “Pura Rocha”, que agora pode ser apreciada na Mediateca da ESTS/IPS, demonstra especial interesse no trabalho interdisciplinar da instalação artística, onde se cruzam pintura, desenho, performance e escultura, e na exploração da temática da relação do ser com o mundo pós-moderno. 

 

 

 

--

Sobre o Instituto Politécnico de Setúbal:

O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) é uma instituição pública de ensino superior com mais de 30 anos de experiência na formação de profissionais de qualidade reconhecida no mercado de trabalho. Atualmente integra cinco Escolas Superiores – Escola Superior de Tecnologia de Setúbal, Escola Superior de Educação, Escola Superior de Ciências Empresariais, Escola Superior de Saúde (campus de Setúbal) e Escola Superior de Tecnologia do Barreiro (campus do Barreiro). A instituição procura, desde sempre, ser inovadora, adaptando-se constantemente às exigências do mercado de trabalho e em permanente contato com os diversos setores de atividade. Atualmente dispõe de uma vasta oferta formativa que inclui licenciaturas, mestrados, pós-graduações e cursos de especialização nas áreas das engenharias, tecnologias, educação, desporto, comunicação, animação, gestão, ciências empresariais e saúde. Paralelamente à formação o IPS procura, de forma permanente e em articulação com os parceiros sociais, contribuir para a valorização e desenvolvimento da sociedade em geral e da região de Setúbal, em particular, através de atividades de formação terciária, de investigação e de prestação de serviços, que concorram para a criação, desenvolvimento, difusão e transferência de conhecimento e para a promoção da ciência e da cultura. (www.ips.pt)

 

--

Comissão Diocesana de Arte Sacra inaugura exposição de fotografia “Rezar A Cidade”

image001.png

 

 

 

A exposição “Rezar A cidade”, organizada pela Comissão Diocesana de Arte Sacra de Setúbal, com a colaboração da Câmara Municipal de Setúbal, integra-se na 4.ª Jornada Diocesana de Arte Sacra, e será inaugurada no primeiro domingo da quaresma, dia 18 de fevereiro, na Galeria Municipal de Setúbal.

 

A exposição, projetada pela Comissão Diocesana de Arte Sacra, partiu de um convite, desta Comissão, a 15 fotógrafos amadores e profissionais, com o objetivo de inaugurar uma exposição de fotografia que “interpele cada um dos visitantes e que os convide a rezar com a cidade, na cidade.” Cada fotógrafo teve como mote inspirador um dos 15 Passos da Via Sacra de Jesus Cristo e os vestígios urbanos da religiosidade da cidade: “Setúbal, por exemplo, guarda na sua malha urbana, a memória desta história. Ainda se podem observar algumas capelas dos antigos passos, ou o calvário do Bonfim, as capelas das confrarias e oratórios junto às antigas portas das muralhas da urbe.”

 

Antes da inauguração da exposição, e juntamente com a Paróquia de Santa Maria da Graça e São Julião, é aberto ao público o seu Tesouro. De acordo com o Presidente da Comissão Diocesana de Arte Sacra de Setúbal, “este é o corolário de um trabalho digno de registo, pois nesta mostra dão-se a conhecer peças de relevo artístico, além de se colocar em evidência a preocupação pela salvaguarda do património sacro”.

 

Programa:

 

15h00 – Abertura da 4ª Jornada Diocesana de Arte Sacra de Setúbal, Igreja São Julião: P. Casimiro Henriques;

15h15 – Inauguração do TESOURO DA PARÓQUIA DE SANTA MARIA DA GRAÇA E SÃO JULIÃO: P. Rui Rosmaninho / Dr. André Afonso;

16h15 – “Rezar Setúbal”, conferência com percurso pedestre entre a Igreja São Julião e Galeria Municipal, conduzida pelo Dr. José Luís Catalão;

17h15 – Apresentação da Exposição de Fotografia “Rezar a Cidade”; P. Casimiro Henriques;

17h30 – Encerramento da 4ª Jornada Diocesana de Arte Sacra de Setúbal, pela Presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Dr.ª Maria das Dores Meira e pelo Bispo de Setúbal, D. José Ornelas;

18h00 – Moscatel de Honra.

 

Leia todas as informações em: http://diocese-setubal.pt/2018/02/09/arte-sacra-inaugura-exposicao-rezar-a-cidade-a-18-de-fevereiro/.

A Noite Antes da Floresta | Dia Mundial do Teatro

 “A Noite Antes da Floresta”

de Bernard-Marie Koltés

Dia Mundial do Teatro

Dia 27 de Março às 21h30 | Fórum Municipal Luísa Todi – Setúbal  

 

image002.jpg

 

A peça de Bernard-Marie Koltés, apresenta o encontro de dois seres que vagueiam na noite, estrangeiros e marginalizados. Numa esquina de uma cidade qualquer, um homem que, sem ter para onde ir e completamente ensopado pela chuva, tenta comunicar com outro homem na rua, estabelecer um contacto humano em condições desumanas de sobrevivência. Quem será esse interlocutor? Pode ser o próprio espectador ou ainda um duplo do personagem, um espectro?

 

“A Noite Antes da Floresta” espectáculo concebido em 2008 que depois de uma reposição em 2013, voltou à cena em 2017 em Faro e Albufeira e tendo já agendado para 2018 Setúbal, Lisboa e Cacém.

Este espectáculo teve uma enorme aceitação do público e da crítica.

Acreditamos, mais que nunca, que é um texto de uma enorme actualidade, como tal, propusemo-nos assim revisitá-lo.

 

A Noite Antes da Floresta é uma descida aos infernos, é a voz de um emigrante de um marginal de um excluído.

Não sabemos o seu nome, nem quem é, somente que está sozinho e que fala, fala sem parar. Um vigoroso grito de amor que se perde numa noite fria e chuvosa.

Um monólogo que tenha a capacidade empática com o público, abanando-o na sua consciência de humanos e de intervenientes nesta sociedade humana, muitas vezes desumanizada, indiferente e pouco solidária onde a xenofobia e a exclusão são a sua expressão mais visível, é o desafio estético e interpretativo que nos propomos vencer, trocando os nossos sapatos de primeiro mundo por chinelos de dedo, na luta íntima por uma nova humanidade.

Balanço | Inauguração exposição de José Manuel Castanheira

Desenhar nuvens exposição de José Manuel Castanheira

De 1 a 31 de Março de 2018 – Casa da Avenida | Avenida Luísa Todi, 286 Setubal

image015.jpg

 

No dia 3 de Março, sábado, inaugurou-se a exposição “Desenhar Nuvens” do cenógrafo José Manuel Castanheira na Casa da Avenida em Setúbal com a presença da Sra. Vereadora Eugénia Filomena e Silva da Câmara Municipal de Setúbal e Débora Santos da Comissão Concelhia de Setúbal do PCP em representação em representação do Grupo Parlamentar do partido.

 

Decorreu, num final de tarde cinzento e chuvoso, no belíssimo espaço da Casa da Avenida que se encheu de muito calor humano para assistir a este evento.

 

De salientar a presença do cenógrafo José Manuel Castanheira que num ambiente descontraído e de partilha entre leituras de textos, surpreendentes do cenógrafo, por Graziela Dias, Eduardo Dias, Maria Emilia Castanheira e ainda apontamentos musicais de Pedro Castanheira, agradeceu o convite para a sua exposição e complementou, ainda, a sua alocução com um vídeo de sua autoria e realização de Pedro Castanheira.

 

Percorremos, desta forma, uma pequena parte de uma grande exposição de 44 anos de trabalho e mostra “laboratório” deste grandioso cenógrafo português, de enorme projecção internacional, reconhecido com numerosas distinções. Deixou-nos, assim, nesta pequena mostra um gosto e um repto, lançado por José Maria Dias director do TEF, a Setúbal para, numa próxima oportunidade, poder vir a ter a sua grande exposição na íntegra. Assim esperamos e vamos trabalhar para que tal aconteça.

 

Resta-nos informar que, a exposição, vai estar patente ao público até dia 31 de Março, todos os dias, das 10h às 20h na Casa da Avenida e onde pode, também, adquirir alguns dos seus fabulosos livros, com especial atenção para “Desenhar Nuvens” e “Tempo das Cerejas”, com belíssimas ilustrações e acompanhadas de textos que nos contam um percurso de vida do cenógrafo.

 

Deixem-se levar por este esculpir de imagens cenográficas e palavras de J. M. Castanheira que tantas e tantas vezes nos esculpiu os nossos sentidos com as suas cenografias de tocar as nuvens e nos deliciarmos em calda de cerejas.

 

Organização: Casa da Avenida, Município de Setúbal e Teatro Estúdio Fontenova

CUPIDO DISTRIBUI AMOR E PAIXÃO NO ALEGRO COM EXPERIÊNCIAS DE CINEMA VIP

Dias dos Namorados_Alegro.jpg

 

O Alegro aconselhou-se com o deus do amor e sugere surpreender a cara-metade com a oferta de uma experiência de cinema VIP neste Dia dos Namorados.

 

Chegámos a fevereiro, mês em que os apaixonados procuram as melhores formas para demonstrar o seu amor pela pessoa amada. Para quem está na corrida ao presente perfeito, de 10 a 14 de fevereiro, 60€ em compras no Alegro Alfragide e Alegro Setúbal estão a valer a oferta de um bilhete de cinema VIP duplo*.

 

Assistir a um filme com este bilhete VIP eleva a ida ao cinema para outro nível. A vista é privilegiada, pois fica assegurado o acesso a poltronas reclináveis em pele, que permitem encontrar a posição ideal. Os casais podem ainda usufruir do VIP Lounge, 20 minutos antes do filme, para relaxar ou aproveitar para tomar um cocktail.

 

São muitos os filmes em cartaz nas salas Cinema City do Alegro, mas há um que os casais vão querer ver em primeira fila e de preferência com uma experiência VIP para apimentar o clima de romance!

 

Está de volta a história do casal mais sexy e apaixonado do grande ecrã dos últimos tempos. Falamos da continuação da história de amor de Anastasia Steele e Christian Grey, agora em 50 Sombras Livres, com estreia marcada para dia 8 de fevereiro, que ficará em exibição ao longo do mês.

 

Mas há muito mais filmes para escolher nas salas Cinema City do Alegro. Faça as compras, escolha o filme e celebre o amor com uma experiência original!

 

 

*Bilhetes válidos por 3 meses a contar da data de emissão. Obrigatória a consulta do regulamento do centro selecionado, Alegro Alfragide ou Alegro Setúbal.

Docente José Gil apresenta novo livro de poesia | Solange das Cerejas

Docente José Gil apresenta novo livro de poesia

“Solange das Cerejas” é lançado dia 26, na Casa da Cultura de Setúbal

 

banner 5 (002).jpg

 

Encenador, performer, poeta e professor da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (ESE/IPS), José Gil apresenta mais uma obra de poesia já no próximo dia 26 de janeiro, sexta-feira, na Casa da Cultura de Setúbal. Solange das Cerejas – 53 Poemas de Amor, editado pela Sítio do Livro com o apoio do IPS, é lançado numa sessão com início pelas 18h00, que contará com as contribuições das docentes da ESE/IPS Cristina Gomes da Silva e Ana Pessoa e do poeta Jorge Vicente, autor do prefácio.

 

Solange das Cerejas é uma seleção de poemas de amor, retirada, como descreve o autor, “de um baú digital de centenas de poemas escritos numa paixão e namoro transatlântico de 10 anos, com algumas viagens em Portugal, no Brasil e no Chile. Como escreveu António Ramos Rosa [sem conhecer Solange] ‘é por ti que escrevo que não és musa nem deusa/mas a mulher do meu horizonte’”.

 

A sessão contará igualmente com um momento de leitura e interpretação de alguns destes poemas, para o qual foram convidados os atores e atrizes de vários projetos teatrais da cidade de Setúbal, bem como o elenco do Teatro Politécnico do IPS.   

 

Autor de vários livros de poesia, com diversos poetas portugueses e brasileiros, José Gil é um dos professores de expressão dramática em Portugal que mais contribuíram para o movimento associativo que haveria de conduzir à criação no Porto, em 1992, da IDEA – International Drama/Theatre and  Education Association.

 

 

 

Conversas de Ponta - Setúbal - 13 de Janeiro

 

Ciclo de Debates
 
Título – Reconhecimento e Justiça Ambiental

Conferencista – Carla Gomes 

Moderação – João Paulo Maia
 
Casa da Cultura de Setúbal
Rua Detrás da Guarda (junto à Praça do Bocage)
13 de Janeiro (sábado), 15h00

Resumo: 
A minha liberdade deve acabar onde começa a do outro. É um princípio que, à partida, parece simples. Mas que é posto à prova no momento em que diferentes outros, e as suas formas de estar no mundo, entram em conflito num mesmo território temporal e espacial. No fim de contas, a minha liberdade não existe num vácuo. Ela inscreve-se fisicamente na história, nas minhas interações sociais, numa paisagem. 
Não será por acaso que o conceito de reconhecimento – de outras identidades, valores e culturas - tem vindo a emergir no estudo da justiça ambiental. Diferentes conhecimentos ecológicos, formas de nos relacionarmos com o ambiente e de gerirmos os seus recursos, têm vindo a entrar em conflito no contexto dos ‘problemas ambientais globais’, da crise alimentar às alterações climáticas. 
Não foi preciso muito tempo para que os padrões de consumo dos chamados países ‘desenvolvidos’ desequilibrassem perigosamente o clima e os recursos disponíveis no planeta. Os mais vulneráveis à crise ambiental global são precisamente, por múltiplas razões, os países mais pobres do ‘Sul Global’. Mesmo a procura de soluções – como a produção de biocombustíveis – acaba por aumentar a pressão sobre uma terra cada vez mais escassa. Por todo o mundo, surgem movimentos em defesa da justiça alimentar e climática, pela proteção das terras indígenas e dos modos de vida das populações rurais.
Nesta conferência, partindo do meu recente trabalho de campo entre os agricultores de Moçambique, proponho-vos uma reflexão sobre o papel do reconhecimento em prol de uma melhor justiça social e ambiental.

Nota biográfica: Carla Gomes iniciou a carreira como jornalista, dedicando-se sobretudo à área do ambiente. Fez na Universidade de Aveiro o Mestrado em Gestão e Políticas Ambientais. Uma aventura que a levou até Cabo Verde e culminou na publicação do livro “Alterações Climáticas e Desenvolvimento Limpo”, premiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Quando deu por si era uma ‘cientista social ambiental’. Tem-se dedicado ao estudo das alterações climáticas, sustentabilidade e desenvolvimento, sobretudo em África. Acaba de concluir um doutoramento em Desenvolvimento Internacional, pelas Universidades de Lisboa e de East Anglia (Reino Unido), com uma tese sobre os camponeses do Norte de Moçambique.