Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Ciclo "Reencontros" regressa em julho ao Palácio de Sintra com o Mediterrâneo como epicentro

CICLO “REENCONTROS” REGRESSA EM JULHO

AO PALÁCIO DE SINTRA COM O MEDITERRÂNEO COMO EPICENTRO

image005.jpg

 

 

O Palácio Nacional de Sintra recebe, em julho, o ciclo “Reencontros – Memórias Musicais no Palácio de Sintra”, consagrado à Idade Média e ao Renascimento. Oito concertos, todas as sextas-feiras e sábados, que trazem a Portugal alguns dos maiores intérpretes do panorama mundial de música medievo quinhentista. Os programas desta edição de “Reencontros” prometem uma viagem à Europa e ao Mediterrâneo.

 

 

Reencontros”, ciclo de música dedicado à Idade Média e ao Renascimento, regressa ao Palácio Nacional de Sintra. Ao longo do mês de julho, oito espetáculos sugerem diversas propostas que vão desde o flamenco até ao repertório sagrado, passando pelas lendas germânicas e as histórias de outros povos. Esta edição recebe convidados de renome internacional que chegam de Espanha, Itália, França e Alemanha. Compañia Flamenca “Cadencia Andaluza”, L’Arpeggiata, Ala Aurea, Odhecaton e Accademia del Piacere são os agrupamentos que compõem o cartaz da quarta edição de “Reencontros”.

 

“Reencontros” tem direção artística do maestro Massimo Mazzeo, que avança que “o ciclo deste ano tem o Mediterrâneo como ponto de expansão, assim como tudo aquilo que o Mediterrâneo trouxe aos países que olham para esse berço da civilização”. No Pátio Central e na Sala dos Cisnes do mais antigo Paço real do país, todas as sextas e sábados de julho, revisitam-se sonoridades medievo quinhentistas ajustadas ao contexto histórico deste Palácio. Os repertórios de “Reencontros” refletem o gosto musical da Alta Idade Média até finais do século XVI.

 

Os concertos inaugurais do ciclo “Reencontros” estão a cargo da Compañia Flamenca “Cadencia Andaluza”, constituída por jovens artistas que dão vida a dois espetáculos vibrantes. Nos dias 6 e 7 de julho, celebra-se a genuína arte clássica do flamenco, percorrendo-o não só através da música, mas também da dança. "Senderos Flamencos”, na sexta-feira, e “Somos Magia”, no sábado, transformam o Pátio Central do Palácio de Sintra num tablao de flamenco, tradição antiga nascida a partir do cruzamento entre árabes, judeus andaluzes e ciganos.

 

No dia 13 de julho, o agrupamento L’Arpeggiata, sob direção musical de Christina Pluhar, apresenta um concerto que é a pedra angular de todo este ciclo e a partir do qual irradiam todos os outros. O repertório desta noite leva-nos numa viagem pela tradição musical popular da região mediterrânica, evidenciada pelo título do concerto: “Mediterraneo – Música de Espanha, Itália, Grécia, Turquia e Macedónia”.

 

Da Alemanha chega Ala Aurea que, no dia 14 de julho, improvisa sobre a mais universal das lendas europeias e que se está intrinsecamente ligada à cultura germânica: o Parsifal. O conceito criado por Maria Jonas para o espetáculo “‘Cundrîe la Surziere’ – Um trajeto medieval em busca de Chrétien de Troyes e Wolfram Von Eschenbach” consiste na recuperação dos mais antigos textos conhecidos sobre o tema e na improvisação, com base nas escassas melodias medievais sobreviventes até aos nossos dias.

 

Nos dias 20 e 21 de julho, o Palácio Nacional de Sintra recebe o ensemble vocal Odhecaton, que recupera repertório sagrado e profano do Renascimento. “‘Flos Florum’ – Simbologia do número e devoção Mariana na polifonia franco-flamenca”, no dia 20 de julho, é dedicado à devoção Mariana na cultura e na música polifónica francesa. No sábado, dia 21, o ensemble italiano regressa para o concerto “Os Humores de Orlando di Lasso” que invoca um dos mais representativos autores da polifonia do século XVI, Orlando di Lasso. Neste tributo ao compositor exploram-se as suas múltiplas facetas e a versatilidade com que, através da música, soube exprimir os mais variados humores da natureza humana, da melancolia à espiritualidade, passando pela expressão da crueza sanguínea da vida mundana.

 

Accademia del Piacere, agrupamento de renome internacional, encerra os “Reencontros” com dois programas que propõem duas imersões diferentes nas sonoridades hispânicas. No dia 27 de julho, Redescobrindo Espanha – “Fantasías, diferencias y glosas” na música espanhola dos séculos XVI e XVII” recupera a prática e a leitura musical dos instrumentistas dos séculos XVI e XVII seguindo os mais rigorosos critérios historicistas. No último dia deste ciclo, 28 de julho, Accademia del Piacere irá demonstrar a dualidade da expressão musical numa Sevilha tomada entre as luzes humanistas e a obscuridade da contrarreforma, oscilando entre a comédia e a sensualidade e o misticismo e a espiritualidade. O programa “‘Hispalis Splendens’ – Música de Sevilha do século de ouro” encerra, assim, a quarta edição dos “Reencontros”.

 

O ciclo “Reencontros – Memórias Musicais no Palácio de Sintra” é uma iniciativa conjunta da Parques de Sintra e do Divino Sospiro - Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal (CEMSP), tendo por diretor artístico o maestro Massimo Mazzeo. “Reencontros – Memórias Musicais no Palácio de Sintra” dá continuidade à 4.ª Temporada de Música Erudita da Parques de Sintra, que iniciou em março com os “Serões Musicais no Palácio da Pena”, e termina, em outubro e novembro, com o ciclo “Noites de Queluz – Tempestade e Galanterie”.

 

 

Informações úteis:

Preço de bilhete por concerto: 10€

Capacidade da Sala dos Cisnes: 160 lugares

 

Locais de venda: Bilheteiras da Parques de Sintra, www.parquesdesintra.pt, www.blueticket.pt, FNAC, Worten, El Corte Inglés, Altice Arena, Media Markt, lojas ACP, rede PAGAQUI e Turismo de Lisboa.

M/6

teatromosca > audiowalk na Resiquímica

 

 

9ba7c153-2b15-491c-a0d9-9c7850982d16.jpg

 

10 junho
MODOS DE VER: Resiquímica
audiowalk criado pelo teatromosca para esta fábrica de Mem Martins
às 16h, 17.30h, 19h e 21h
ENTRADA LIVRE

O projeto MODOS DE VER: _ _ _ consiste de visitas realizadas em grupo a alguns dos mais emblemáticos lugares (e não-lugares) de qualquer cidade/espaço, guiadas por uma banda sonora original concebida pela equipa do teatromosca. A primeira versão deste projeto decorreu durante os meses de julho e agosto de 2016 em Sintra, no âmbito da evocação dos 20 anos da elevação de Sintra a Património Mundial. Entretanto, depois de outras re-criações deste projeto em Sintra e em França, a companhia concebeu um novo audiowalk para o espaço fabril da Resiquímica, em Mem Martins, estreado no dia 29 de março. Dada a elevada procura, o teatromosca e a Resiquímica decidiram voltar a abrir as portas desta empresa para receber todos aqueles que queiram explorar os seus corredores secretos, conhecer um pouco da sua história, numa altura em que se celebram os 60 anos de um dos mais antigos projetos empresariais do concelho de Sintra. A entrada é livre, mediante reserva...

This is a project of audiowalks conceived for the secret paths of a city or any other space, that was first performed in Sintra during the months of July and August 2016. With an original soundtrack produced by the company, this innovative and unusual idea explores the secret paths of a city/space, in which each spectator assumes the role of a contemporary flâneur. It will now be performed in Resiquímica, a factory based in Sintra.

 

Espetáculo do Núcleo Inovartístico “ARTE VIVA” | Dia 16 de junho às 17h | Auditório Acácio Barreiros no Centro Cultural Olga Cadaval

CARTAZ ARTE VIVA (1).jpg

 

Espetáculo do Núcleo Inovartístico “ARTE VIVA” no Auditório Acácio Barreiros no Centro Cultural Olga Cadaval

Dia 16 junho às 17h00

 

Em estreia no Centro Cultural Olga Cadaval, o Núcleo Inovartístico, sediado na Abrunheira, Sintra, apresenta o espetáculo de final do ano letivo “Arte Viva”, no dia 16 de junho pelas 17 horas.

Os alunos a partir dos 2 anos, através das diversas técnicas, como: Ballet, Kizomba, Dança Espanhola, Contemporâneo, Kuduro, Hip Hop e Yoga, irão dar vida a algumas obras de Arte, através do movimento, do ritmo, das emoções…com a arte de dançar.

Com a Direção Artística de Ana Marques, “Arte Viva” é uma criação que pretende recriar a vida noturna num museu, onde à noite, as cores e as formas ganham vida e transformam-se noutra arte.

 

A  missão do projeto Núcleo Inovartístico é tornar os sintrenses ainda mais felizes através das artes!

Casa de Teatro de Sintra recebe obra de Beckett, encenada por Carlos Pimenta

Casa de Teatro de Sintra apresenta obra de Samuel Beckett

“Fim de Partida” (Endgame) com encenação de Carlos Pimenta e com Ivo Alexandre e Pedro Lacerda nos protagonistas

 

 

 

Entre 21 de junho e 8 de julho, a Companhia de Teatro de Sintra, pertencente à Associação Cultural Chão de Oliva apresenta “Fim da Partida” (Endgame) a tragicomédia escrita pelo Nobel da Literatura Samuel Beckett, que traz a palco o enigma da condição humana. A peça é encenada por Carlos Pimenta e pode ser vista de quinta a domingo na Casa de Teatro de Sintra.

“Fim de Partida” conta a história de Hamm e Clov, dois homens fechados num abrigo (bunker) à beira-mar. As duas personagens principais representam uma metáfora sobre as limitações da condição humana e agem e dialogam num jogo de repetições ao estilo da comédia burlesca: Hamm, paralisado e cego, e Clov, meio serviçal meio filho adoptivo, estabelecem entre si relações de poder manipulação, dependência e submissão, que têm em comum o seu cariz disfuncional.

Nesta peça, que conta também em palco com os pais de Hamm (Nell e Nagg) dentro de caixotes do lixo, só o jogo, a repetição e o diálogo permitem que se sobreviva. Vítimas de um apocalipse emocional, espiam o mundo ou o que restou dele, sem esperança, procurando adiar a morte. As quatro personagens estão em fim de partida, no limite das suas condições humanas.

Originalmente escrita em francês (Fin de Partie - 1957), a peça foi traduzida para inglês pelo próprio Beckett com o título Endgame. A tradução, que agora é levada a cena, é da autoria de Francisco Luís Parreira, e a encenação assinada por Carlos Pimenta, que, até agora, dirigiu mais de três dezenas de espetáculos, de teatro, ópera e bailado, nas principais salas do país. A sua última produção foi “Morte de um Caixeiro Viajante” de A. Miller, para a Companhia de Teatro de Almada (2018).  

Esta dupla já trabalhou em conjunto em “À Espera de Godot” apresentada em 2014 no Teatro Municipal de S. Luíz e no Teatro Nacional de S. João, numa co-produção destas instituições com o Ensemble.

O elenco conta, nos papéis principais, com Ivo Alexandre (como Hamm), ator que se divide entre teatro, cinema e televisão e integrou já séries como “Equador” ou “Conta-me Como Foi”, e Pedro Lacerda (na pele de Clov), ator de cinema e televisão, já entrou em filmes de João Botelho e conta com participações nas telenovelas “Jogo Duplo” e “Espelho d’Água”. Também em palco estarão Nuno Correia Pinto (como Nagg), ator, marionetista, encenador e diretor artístico do Chão de Oliva, e Anabela Faustino (a dar vida a Nell), atriz de teatro, cinema e televisão que, nos últimos anos, fez parte do elenco de “Anjo Meu” ou “Mulheres Assim”.

A peça vai estar em exibição de 23 de junho até 8 de julho. De quinta a sábado a sessão tem início às 21h45 e domingo começa às 16h. O bilhete tem um custo de 7,50€, existindo vários descontos disponíveis para grupos, jovens, entre outros. Há ainda bilhetes para o espetáculo com refeição incluída.

 

 

 

Sobre o Chão de Oliva

 

Fundado em 1987, o Chão de Oliva - Centro de Difusão Cultural (CO) é uma associação que tem o teatro como atividade-âncora, promovendo também todo o tipo de artes nas suas diversas expressões, através da criação de espetáculos, festivais e formação. Em 1990 fundou a

 

Companhia de Teatro de Sintra, a primeira companhia profissional do concelho e hoje a mais antiga, e em 2002, o Fio d’Azeite, um grupo profissional de marionetas. Na vertente da formação, criou a Mostra de Teatro das Escolas de Sintra, uma iniciativa pioneira e a mais antiga que se realiza em Portugal.

 

Ao longo dos anos foi responsável pela organização de alguns dos maiores eventos culturais no concelho de Sintra e é continuamente reconhecida pelo Ministério de Cultura desde 1994. Em 30 anos, o Chão de Oliva já promoveu 270 espetáculos / eventos e já passaram mais de 1.100 artistas / grupos pela associação.

 

https://www.chaodeoliva.com/

Recycling Party | 2 mil crianças celebram o Dia Mundial do Ambiente

DIA MUNDIAL DO AMBIENTE É COMEMORADO COM RECYCLING PARTY

Evento reúne 2 mil crianças dos concelhos de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra

image002.jpg

 

No dia 5 de junho é celebrado o Dia Mundial do Ambiente

 

Para assinalar a data, a European Recycling Platform (ERP) Portugal e Novo Verde, em parceria com ABAE (Associação Bandeira Azul da Europa) e a Sailors for the Sea, organizam a “Recycling Party”, no dia 5 de junho, uma iniciativa que reúne 2 mil crianças de quatro concelhos (Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra), e que terá lugar no Parque Municipal Marechal Carmona, em Cascais.

 

Ao longo de um dia, e com o apoio dos Municípios de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra, as crianças participarão numa série de iniciativas de sensibilização para a adoção de boas práticas ambientais. Pretende-se, desta forma, despertar a consciência dos mais jovens para a importância de comportamentos ambientalmente responsáveis, dando o exemplo para as gerações mais velhas.

 

FEIRA DE MAIO DE REGRESSO COM UMA RECRIAÇÃO HISTÓRICA

 

II.jpg

 

 

De 18 a 20 de Maio, no coração da Freguesia - Largo da República, será possível viajar até ao século XVIII na Feira de Maio. Com entrada livre, tem como principal objetivo a recriação histórica de um mercado e das vivências de uma quinta de recreio na primeira metade do século XVIII.

A criação da Feira de Agualva, uma das mais antigas da região saloia entre as feiras tradicionais, resultou de uma petição feita a D. João V pela Irmandade de Nossa Senhora da Consolação de Agualva. O rei acolheu favoravelmente este pedido e autorizou a realização da feira através de alvará régio datado de 22 de Setembro de 1712.

A animação será diversificada e constante durante o período da feira destacando-se a recriação de um ambiente de fidalguia com a presença da família de Matias Aires a quem pertencia o Palácio da Quinta N. Sr.ª do Monte do Carmo (Quinta da Fidalga).

No recinto da feira personagens característicos da época tais como: alcoviteiras, regateiras, aguadeiros, colarejas etc. recriam um ambiente de mercado com os seus pregões e algazarras e momentos de bailaricos ao som de gaitas de foles, recriarão várias situações características dos mercados setecentistas.

No sábado e domingo os Valdevinos Teatro de Marionetas, irá apresentar as tradicionais histórias do Teatro de D. Roberto, Nos mesmos dias às 15h00, decorrerão os “Passeios com história “, uma breve visita pela história de Agualva em especial pela Quinta da Fidalga e Feira de Maio dinamizada pelo Dr. Rui Oliveira.

Destaque ainda para um serão musical a realizar no dia 19 sábado, pelas 21:30h na capela da Quinta da Fidalga com um reportório composto por lundus e modinhas brasileiras do séc. XVIII

Ainda com o intuito de promover o convívio familiar e dar a conhecer às gerações mais novas as diversões de outrora, serão dinamizados por alguns personagens jogos do séc. XVIII tais como o jogo do pélélé, da cidade de Roma, tração à corda, chinquilho, peão entre outros.

O espaço será organizado de modo a proporcionar ao visitante uma ambiência de Feira do Séc. XVIII, com a presença de tasquinhas de comes e bebes, pão com chouriço, doçaria, hortícolas e frutas, artesanato e ofícios tradicionais.

A organização do evento está a cargo da Junta de Freguesia de Agualva e Mira Sintra, em parceria com a Câmara Municipal de Sintra, com produção e animação da Câmara dos Ofícios.

O horário será o seguinte:

Sexta (18 de maio) – das 18h00 às 24h00

Sábado (19 de maio) – das 12h00 às 24h00

Domingo (20 de maio) – das 12h00 às 22h00

 

 Informações: camara.oficios@mail.telepac.pt

First Breath After Coma em residência artística no AMAS + progrAMAS maio e junho

1ab185ac-dfc2-46ee-a837-742013118624.jpg

 

 

 

Os First Breath After Coma, banda de Leiria que, no ano passado, passou pelo MUSCARIUM#3, com um concerto memorável no MU.SA - Museu das Artes de Sintra, estarão agora em residência artística no AMAS - Auditório Municipal António Silva, em Agualva-Cacém, a preparar o sucessor de "Drifter", lançado em 2016 e nomeado pela Associação Europeia de Editoras Independentes para melhor disco europeu, numa lista de 25, ao lado de nomes como Agnes Obel, Radiohead ou Royal Blood. Os ensaios decorrerão entre 7 e 13 de maio na sala sintrense que tem vindo a ser programada pelo teatromosca desde o início do ano.

 

3b8431e8-e481-4123-a171-f6472488d06f.jpg

"NO FIM DA LINHA"

A Lagarto Amarelo
5 mai > 21h

Uma escritora sente-se bloqueada e não consegue escrever uma linha. O seu editor exige-lhe uma nova obra e ela sente-se incapaz de o fazer. Recebe uma visita de uma jornalista que a vem entrevistar mas nem tudo o que parece é. Uma comédia inteligente que vai surpreendendo o público à medida que se desenrola a relação entre estas duas mulheres num jogo de forças e manipulação da verdade.
teatro 

M/12

419fa16f-78fd-49f5-8933-669236700382.jpg

 

 

AMAS
auditório municipal antónio silva

teatromosca apresenta

"LITERATURINHA - ALICE NO JARDIM"

produção teatromosca
19 mai > 16h + 20 mai > 11h
Adaptada do celebérrimo romance Alice no País das Maravilhas, obra-prima do escritor, matemático e fotografo Lewis Carroll, a leitura proposta valoriza o conceito de jardim, aduzido como metáfora poética de «lugar da iaginação», o anfitrião é, como no romance, a personagem do coelho, «lebre» da protagonista. Os atores/leitores multiplicam-se por dois:dois Lewis Carroll, duas Alices, dois coelhos brancos, também há um rato timorato, uma lagarta fleumática e um apetecível bolo de chocolate.

Mais um fim-de-semana do projeto LITERATURINHA no AMAS - Auditório Municipal António Silva, para toda a família...

teatro para toda a família

 

 

359f680e-2a2c-4b3f-890d-83975cc0db1b.jpg

 

+ em MAIO
QUE FANTOCHADA DE REVISTA!
26 + 27 mai > 16h

produção Valdevinos - Teatro de Marionetas
teatro de marionetas


JUNHO
POWER: Novos Talentos

2 jun > 16h

organização jovens da cidade de Agualva-Cacém
apoio à produção teatromosca
música

ENTRADA LIVRE

AQUI É SEMPRE OUTRO LUGAR
9 jun > 21h

produção Terceira Pessoa
teatro


LITERATURINHA - ALICE DO OUTRO LADO DO ESPELHO

16 jun > 16h + 17 jun > 11h
produção teatromosca
teatro para toda a família

 

+ progrAMAS

 

2a9a6b37-30db-4d8b-aa77-c3838a8231cf.jpg

 

 

KIF-KIF
"Kif-Kif" é o espetáculo que abre o ciclo que o teatromosca dedicará ao questionamento dos conceitos de "juventude" e "maioridade". Com texto original de Jorge Palinhos e Leïla Anis, o projeto surge da ideia traçada pelos dois encenadores (Pedro Alves e Patrice Douchet) de construir um espetáculo a partir de um conjunto de histórias amplamente difundidas nas redes sociais na sequência da Final do Campeonato da Europa de Futebol de 2016, que opôs Portugal à seleção anfitriã. Esta coprodução da companhia sintrense com o Théâtre de la Tête Noire (Saran - França) e a Terceira Pessoa (Castelo Branco), estreará no dia 29 de junho em França e será, posteriormente, apresentada no AMAS no dia 4 de julho e no Cine-Teatro Avenida no dia 6 de julho.
 
Entretanto, no passado mês de abril, as equipas do espetáculo juntaram-se em França, lendo e discutindo os textos de Jorge Palinhos e Leïla Anis e apresentando o projeto ao público no Festival Text'Avril, no dia 19 de abril, no Théâtre de la Tête Noire, em Saran.

Théâtre de la Tête Noire - França
29 e 30 jun > 20.30h

AMAS - Auditório Municipal António Silva - Agualva-Cacém
4 jul > 21h

Cine-Teatro Avenida - Castelo Branco
6 jul > 21.30h

O RAPAZ DE BRONZE de Sofia de Mello Breyner Andresen I Casa Mantero

 

 

O Teatro TAPAFUROS estreia O RAPAZ DE BRONZE de Sofia de Mello Breyner Andresen.

 

12 de Maio a 3 de Junho de 2018

Sábados ás 16h30 e Domingos ás 11h

Jardins da Biblioteca Municipal de Sintra I CASA MANTERO

 

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Texto: "O Rapaz de Bronze" 

Autoria: Sophia de Mello Breyner Andresen
Encenação: Rui Mário 
Com: Clara Marchana, José Redondo, Susana João 

Musica original: Pedro Hilário 
Cenografia I Adereços: Júlio Almas 
Figurinos: TapaFuros 
Imagem: Júlio Almas
Direcção de Produção: Andreia Lopes
Produção: Teatro TapaFuros 

Apoio: C.M.S.
Local: Biblioteca Municipal de Sintra - CASA MANTERO
Classificação: M/6
Duração: 60 minutos
Acesso: € 5

Info I Reservas: producao@tapafuros.com I 916662816

Agradecimentos: Casa de Teatro de Sintra I Jornal de Sintra I CascaisNetRadio.com I Raúl Pinto I Luís Bellas I Rosário Pizarro I Éter - Procução Cultural  I Voz Online Rádio

Dinossauros Gigantes invadem Forum Sintra

 

De 24 de Março a 8 de Abril, exposição Dino’s Live convida os mais novos a recuar 230 milhões de anos com

espécies únicas de dinossauros, ovos gigantes, escavações e ateliês gratuitos

 

O Forum Sintra, gerido pela Multi Portugal, prepara-se para receber uma exposição vinda diretamente da pré-história! A Dino’s Live, a funcionar diariamente entre as 10h e as 22h, promete despertar a curiosidade dos mais novos com espécies inéditas de dinossauros, diferentes atividades de caça aos fósseis e ateliês gratuitos! Conhecer um ambiente incrível em que os animais parecem ganhar vida é a proposta do Forum Sintra para estas Férias da Páscoa!

 

Para além da exposição, todos vão poder saber mais sobre esta época da história. Que tal serem arqueólogos por um dia? É a proposta da Zona de EscavaçõesDino Excavator – onde os mais novos poderão procurar ossos de dinossauro escondidos, com a ajuda de escovas e pás. Mas porque há muito a saber sobre esta era longínqua, a exposição conta ainda com uma zona dedicada à paleontologia – Dino Paleontology – onde todos são desafiados a cavar fósseis em pequenos ovos de argila. Além disso, porque os bons momentos são para recordar, existirá ainda uma área dedicada a réplicas de Ovos de Dinossauros, onde todos poderão tirar fotografias com 2 ovos gigantes de T-REX. A exposição decorre de 2ª a domingo das 10h às 22h e os ateliês, todos os dias, das 14h às 20h.

 

Sabia que o maior dinossauro da história media 36.5 metros de comprimento? E que os dinossauros maiores viviam mais tempo que os dinossauros menores? Tudo porque os pequenos cresciam mais depressa e viviam num ritmo mais rápido. Aproveite a Páscoa, recue no tempo e venha saber tudo isto e muito mais no Forum Sintra. Venha…antes que eles desapareçam!

Serões Musicais na Pena desmentem que 'De Espanha, nem bom vento nem bom casamento' | 23 e 24 de março

SERÕES MUSICAIS NA PENA DESMENTEM QUE ‘DE ESPANHA, NEM BOM VENTO NEM BOM CASAMENTO’

 

image006.jpg

 

O quarto programa dos Serões Musicais no Palácio da Pena, a apresentar nos dias 23 e 24 de março, propõe a redescoberta do intenso intercâmbio musical entre Portugal e Espanha, durante o século XIX e início do seguinte. A ilustrá-lo, a soprano Sónia Alcobaça e o tenor Mário João Alves, acompanhados ao piano por João Paulo Santos.

O ditado popular português “De Espanha, nem bom vento, nem bom casamento” dá o mote para este fim de semana de Serões Musicais. Ora, o programa que será apresentado no Salão Nobre do Palácio, nos dias 23 e 24 de março, às 21 horas, contraria esse famoso dito e demonstra as profícuas relações culturais verificadas entre Portugal e Espanha, grosso modo entre 1850 e o primeiro terço do século XX.

 

O título completo do programa destas noites é “‘De Espanha, nem bom vento…’: o mundo musical ibérico entre o romantismo e a Belle Époque” e nele se evocam, quer os músicos espanhóis que se apresentavam em Portugal, quer os seus congéneres portugueses que atuavam um pouco por todo o território do país vizinho. Autores como Manuel García, Gioacchino Rossini, Francisco Barbieri, Alexandre Rey-Colaço ou João Arroyo figuram nesta ilustração do mundo musical ibérico dessa época. 

 

Este programa foi elaborado em conjunto por João Paulo Santos e pela musicóloga Luísa Cymbron, professora na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e investigadora especializada no repertório vocal oitocentista que circulou em Portugal. Intérpretes serão a soprano Sónia Alcobaça e o tenor Mário João Alves, dois cantores líricos com presença regular no palco do Teatro São Carlos.

 

O ciclo Serões Musicais no Palácio da Pena é uma iniciativa conjunta da Parques de Sintra e do Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal (CEMSP), tendo por diretor artístico o maestro Massimo Mazzeo. Os “Serões Musicais” iniciam a Temporada de Música Erudita da Parques de Sintra, a qual inclui ainda, em julho, os “Reencontros – Memórias musicais no Palácio de Sintra”, e, em outubro e novembro, o ciclo “Noites de Queluz – Tempestade e Galanterie”.

 

 

Informações úteis:

Preço de bilhete por concerto: 10€

Capacidade do Salão Nobre: 80 lugares

Locais de venda: Bilheteiras da Parques de Sintra, FNAC, Worten, El Corte Inglés, Altice Arena, Media Markt, lojas ACP, rede PAGAQUI e Postos de Turismo de Sintra e Cascais.

Online em www.parquesdesintra.pt e em www.blueticket.pt

M/6

 

Após o início do espetáculo, apenas no intervalo será permitida a entrada na sala. Poderá haver concertos sem intervalo.

Falta de comparência ou atraso não dão direito a reembolso do valor do bilhete.

 

O ciclo “Serões Musicais no Palácio da Pena” tem como parceiro o Prémio Jovens Músicos e conta com a Antena 2 como ‘media partner’.