Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Abril na Rua das Gaivotas 6 ╻╹

embedded-image-1555329878.png

PERFORMANCE
WATER CLOSET
UM PROJECTO DE HIGIENE PARA O FUTURO

Criação colectiva
18-20 abril | quinta-sábado | 21h30
5€ | 60min | M/18

Copia, transforma, combina. Este é o mote do projecto colectivo iniciado por Catarina Campos Costa, que o alavancou com um processo de investigação exaustivo sobre a noção de originalidade e autenticidade. Esta investigação partiu do estudo decretos de lei integrados no Código Civil, Código Penal e do Código de Direitos de Autor, de entrevistas, de justaposição e comparação de referências, citações e inspirações de artistas icónicos de áreas tão diversas como a música, o cinema e as artes plásticas e performativas.

Reflectindo sobre a apropriação, manipulação e transformação inerentes à produção artística contemporânea, Catarina Campos Costa, Francesco Napoli, André Loubet, Kevin Gleeson e André Pollux impõem este fenómeno como condição de criação.

embedded-image-1555329865.png

 

TEATRO
A GAIVOTA
Pedro Baptista

24-28 abril | quarta-domingo | 21h
7,50€ | 5€ [desconto] | 90min | M/12

 

TEATRO
A GAIVOTA
Pedro Baptista

24-28 abril | quarta-domingo | 21h
7,50€ | 5€ [desconto] | 90min | M/12

​​​​​​​


​​​​​Este espectáculo assume-se, desde logo, como uma reescrita da peça de Anton Tchékhov, “A Gaivota”.

Interessa fundamentalmente estabelecer um diálogo com os pensamentos, argumentos e acções daquelas figuras tchekhovianas – seres errantes, desassossegados, que buscam incessantemente um sentido qualquer, ora na arte, ora no amor, e sem saber às tantas o que é que separa o quê.
A proposta foi a de escrever a partir de algumas passagens concretas, adensando-as por outro caminho, como se se tratasse de esticar o cordão que Tchékhov primeiramente concebeu.

Passatempo - BALLYTURK - Artistas Unidos

O Blog Cultura de Borla em parceria com ARTISTAS UNIDOS tem bilhetes duplos para a peça BALLYTURK de Enda Walsh no TEATRO DA POLITÉCNICA para o dia 20 de Abril (16h00) aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

- enviem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver BALLYTURK com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone e sessão pretendida.

 

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

 

No Teatro da Politécnica de 27 Março a 4 Maio
3ª e 4ª às 19h00 | 5ª e 6ª às 21h00 | Sáb. às 16h00 e às 21h00

VOZ 1 Sempre senti que o meu corpo me seguia.

3 Quer dizer, como um estranho?

VOZ 1 Mais como um amigo de quem fora próximo, mas já não sou.

Ballyturk, Enda Walsh

838x375-ballyturk_0341.JPG

 

Dois homens num armazém. Mas onde? Quem são? Que quarto é este e o que poderá estar para além das paredes? Presos numa sala, passam o tempo imaginando que ainda estão numa aldeia irlandesa.

“Enda Walsh é único, só ele sabe aliar o grotesco mais sórdido ao sublime, a tragédia à paródia, só ele pode gostar dos Karamazov e dos Três Estarolas, aliar a cerveja operária ao sonho da vida, só ele sabe encarcerar as personagens nos seus sonhos de poder, pesadelos horrivelmente cómicos, é um extraordinário escritor. É tão bom viver ao mesmo tempo que este rapaz (nasceu em 1967, que raio!) - e ele mostra-me tão bem estes tempos escuros que nos foi dado viver.”

Jorge Silva Melo

 

BALLYTURK de Enda Walsh Tradução Nuno Ventura Barbosa Com Américo SilvaAntónio Simão e Pedro Carraca e as meninas Matilde Penedo, Melissa Matos e Beatriz Mendes Vozes de Jorge Silva MeloInês PereiraIsabel Muñoz CardosoPedro Baptista Cenografia Rita Lopes Alves e José Manuel Reis Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Som André Pires Efeitos Especiais Rui Alves Coreografia Gonçalo Egito Assistência Inês Pereira Produção João Meireles Encenação Jorge Silva Melo M14

 

ORIENTE-SE 2019 | Candidaturas abertas para grupos de teatro amador

TEATRO 

 

ORIENTE-SE – Festival de Teatro Amador

19 e 26 de Outubro e 9 e 16 de Novembro de 2019

Auditório Fernando Pessa - Lisboa

 

 

ORIENTE-SE – Festival de Teatro regressa em 2019

 

Candidaturas abertas

para grupos de teatro amador

 

A terceira edição de Oriente-se – Festival de Teatro Amador, que acontecerá em Lisboa, a 19 e 26 de Outubro e 9 e 16 de Novembro, receberá quatro grupos oriundos de várias zonas do País. As candidaturas para a participação nesta mostra de teatro amador estão abertas entre 6 e 30 de Abril. O anúncio com os nomes dos grupos seleccionados será realizado no dia 14 de Maio.

 

Os grupos de teatro candidatos devem consultar o Regulamento e as Condições de Admissão no site do Teatro Contra-Senso: www.contrasenso.com

Para informações adicionais, está disponível o endereço de e-mail geral@contrasenso.com

 

O ORIENTE-SE – Festival de Teatro Amador tem como objectivos promover e apoiar os grupos de teatro amador, fomentar o intercâmbio entre grupos, mostrar diferentes abordagens ao teatro, proporcionar à população momentos de lazer, cultura e entretenimento, divulgar novos talentos e incentivar as manifestações culturais no País.

 

O anfitrião deste Festival é o Teatro Contra-Senso, grupo de teatro amador, sediado em Marvila. ORIENTE-SE é o primeiro festival de teatro da zona oriental de Lisboa e é um evento cultural único nesta zona da cidade. A primeira edição teve lugar em 2017 e contou com o actor Pedro Górgia como Padrinho do evento. A segunda edição, em 2018, teve como Padrinho o actor Marcantonio del Carlo.

 

 

Grande Estreia "A Menina do Mar"- companhia de teatro ADN de Palco

54256648_2077249848976844_8788447181557202944_o.jp

 
Este projeto, surge como comemoração do centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen. A obra “A Menina do Mar” é o primeiro e mais conhecido conto da autora sendo uma das mais célebres obras da literatura infantil portuguesa e fazendo parte do Plano Nacional de Leitura portuguesa. Esta obra é extremamente relevante no mundo da literatura infantojuvenil, a narrativa é simples e a história surge como quem faz uma tentativa de conservar a beleza profunda das coisas. Em muitas das suas obras, Sophia convida os mais pequenos a alimentarem o sonho e o mundo do imaginário, recorrendo aos ingredientes típicos da sua obra poética: o mar, a terra e a relação do homem com a natureza. Esses foram, também, os ingredientes para a concretização deste espetáculo sendo este uma reposição do conto em forma teatral, com adaptação do texto original, realizado de forma a privilegiar a prosa da autora. A obra foi adaptada ao teatro musical numa versão didática e mágica dedicada à infância que nos leva até ao misterioso universo do Mar no imaginário de Sophia de Mello Breyner Andresen.  É um espetáculo que faz reflexões sobre temas importantes: a saudade, a amizade, o sonho, o medo, a alegria, o imaginário, a Terra, o Mar, as estações do ano, a poluição, a reciclagem, entre outros.  Uma história para crianças mas com uma mensagem para as pessoas mais crescidas capazes de entender que não devemos desistir dos nossos sonhos à primeira dificuldade.  É um espetáculo divertido, sensível, repleto de aventuras, divertidas personagens com figurinos coloridos e um duplo cenário mágico. Tudo isto converte o palco num mundo de fantasia, música, luz, cor, fumo e até bolhas de sabão!  Um espetáculo que ficará para sempre na memória de todos os espetadores! 
 

O SR. IBRAHIM e as flores do Corão | Recreios da Amadora

 

298d1bb1-9513-491a-bd41-577470e44cbb.jpg

 

 

O SR. IBRAHIM e as flores do Corão

         13 e 14 de abril nos Recreios da Amadora

(sábado às 21h30/ domingo às 16h00)

Em Paris, nos anos 60, Momo, um rapazinho judeu de onze anos, torna-se amigo do velho merceeiro árabe da rua Bleue. Mas as aparências iludem: o Senhor Ibrahim, o merceeiro, não é árabe, a rua Bleue não é azul e o rapazinho talvez não seja judeu.

Eric-Emmanuel Schmitt é um dos dramaturgos de língua francesa mais lidos e representados no Mundo. Os seus livros foram traduzidos para 43 línguas e as suas peças são representadas regularmente em mais de 50 países. Continua a escrever imparavelmente – muitas vezes ao ritmo de uma peça ou mais por ano. Em 2000 recebeu o Grande Prémio de Teatro da Academia Francesa, pelo conjunto da sua obra teatral, e em 2004 o Grande Prémio do Público, em Leipzig.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Texto Eric-Emmanuel Schmitt | Tradução Carlos Correia Monteiro de Oliveira | Versão Cénica e Encenação Miguel Seabra | Interpretação Miguel Seabra e Rui Rebelo | Espaço Cénico Marta Carreiras e Miguel Seabra | Figurinos Marta Carreiras | Música original e Sonoplastia Rui Rebelo | Desenho de Luz Miguel Seabra | Assistência de Encenação Marta Carreiras | Fotografia Nuno Figueira | Assistência de Cenografia e Construção de Adereços Marco Fonseca | Montagem Marco Fonseca, Paulo Gomes | Operação de Luz Paulo Gomes | Assistente de Produção Susana Monteiro | Produção Executiva Rita Conduto e Natália Alves (2012, 2013) | Produção Teatro Meridional | Direcção Artística do Teatro Meridional Miguel Seabra e Natália Luiza

 

INFORMAÇÕES E RESERVAS: 916 648 204 ou teatrodosaloes@sapo.pt

Passatempo É TUDO AO MOLHO E FÉ EM DEUS - Teatro Sá da Bandeira

O Blog Cultura de Borla tem bilhetes duplos para o espectáculo É TUDO AO MOLHO E FÉ EM DEUS no TEATRO SÁ DA BANDEIRA para o dia 5 de Abril (21h30) aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

- enviem um mail para culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver É TUDO AO MOLHO E FÉ EM DEUS com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

 

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

ÉTudoaoMolhoeFéemDeus_358x329.jpg

 

 

 

 

 

 

 

Peça de teatro “Rapidinhas” no Auditório Municipal de Reguengos de Monsaraz

 

Auditório Municipal (2).jpg

 

 

O Grupo Alterense de Cultura vai apresentar no dia 6 de abril, pelas 21h30, no Auditório Municipal de Reguengos de Monsaraz, a peça de teatro “Rapidinhas”. Este espetáculo tem entrada gratuita, integra a iniciativa “Em Palco – Ciclo de Teatro INATEL” da Fundação INATEL e tem o apoio do Município de Reguengos de Monsaraz.

 

“Rapidinhas” é um espetáculo formado por breves quadros de humor em que algumas situações absurdas e inexplicáveis do quotidiano passam ao espetador uma visão nonsense, muito presente em algumas novas séries televisivas. Em palco vão estar o encenador Sérgio Godinho, Vitor Amador, Rosa Correia, João Alves, Leonardo Monteiro, Helena Ribeiro, Ana Malenha, Helena Cardona, Afonso Jesus, Virgílio Vidinha e Andreia Rodrigues.

 

O encenador refere que “neste espetáculo pretendemos abordar uma outra linguagem humorística, bastante atual, para chegar a um novo público, cada vez mais afastado do teatro. No fundo, a linguagem humorística vai ao encontro de metodologias usadas pelos Monty Python ou, mais recentemente em Portugal, pelos Gato Fedorento. O exagero e a procura do nonsense está sempre a acontecer neste espetáculo que visa a boa disposição e o riso no espetador”.

CASAL DA TRETA | ENSAIO SOLIDÁRIO

Newsletter_Casal_Treta_Ensaio_Solidario.jpg

 


RECEITA REVERTE A FAVOR DA MANSARDA

O ensaio solidário de CASAL DA TRETA tem lugar no dia 23 de Abril, pelas 21h30 no Teatro Villaret. O bilhete tem o custo fixo e reduzido de 10€ (sem lugares marcados) e as receitas revertem, na sua totalidade, a favor da MANSARDA. A MANSARDA é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) – com carácter social, cultural e cívico, sem fins lucrativos que pretende ajudar os profissionais que estão ou estiveram, durante uma parte significativa da sua vida profissional, ligados de forma principal ao mundo da língua, da arte e da cultura portuguesas e especialmente às artes performativas. Idealizada como uma casa em que co-habitam gerações, em que se valoriza o conhecimento e experiência dos mais velhos numa constante interacção com os mais novos. Uma casa onde vivem Artistas que já não podem ou não têm condições – materiais, anímicas, de saúde – para viver nas suas residências particulares.


Um encontro entre dois gigantes do palco e da comédia em mais um aguardado regresso da Treta. Ana Bola junta-se a José Pedro Gomes e juntos levam Casal da Treta ao palco do Teatro Villaret em Abril. A igualdade de género é uma treta, mas isso vai mudar! Ou será que não? Se até agora isto era um “clube de cavalheiros” bem-falantes, CASAL DA TRETA marca a estreia de Détinha (Ana Bola), a mítica mulher de Zezé (José Pedro Gomes). Décadas de vida em comum recordadas na medida do possível: os estafermos dos filhos, o bairro onde sempre despejaram o lixo, o casamento que só quem foi lá é que o esqueceu. Do poliamor ao fitness, da "prótese" da próstata ao “forno” uterino, este casal não tem tabus. Mas Zezé e Détinha têm alguns segredos um do outro... Lamentavelmente (ou lamentavelmentemestes, diria Zezé), os portugueses vão ter de os saber. Que treta.


Texto Filipe Homem Fonseca, Mário Botequilha e Rui Cardoso Martins
Encenação Sónia Aragão Música original Bruno Vaconcelos e Nuno Rafael
Desenho de Luz Luís Duarte Produção Força de Produção

Com Ana Bola e José Pedro Gomes

TEATRO VILLARET
23 ABRIL ÀS 21H30
Preço: 10€

Teatro TapaFuros estreia HELENA, de Eurípides, dia 5, em Odrinhas

Cartaz Helena TapaFuros.jpg

A mais recente produção do Teatro TapaFuros, “Helena”, de Eurípides, estreia esta sexta, dia 5, pelas 21h30, e estará em cena até dia 27 de Abril, às sextas e sábados, na Basílica Romana do Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas. 
 
Escrita com base na premissa de que Helena, esposa de Menelau, nunca tenha ido para Tróia, esta peça narra o reencontro entre ambos no Egipto, onde vivia a mais bela do mundo, logo após o final da Guerra de Tróia. Nesse caso quem foi a mítica Helena de Tróia? Apenas um espectro da original?