Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Seiva Trupe

“URRO”

Júlio do Carmo Gomes, editor e escritor ‘emigrado’ para Berlim há uma dezena e meia de anos, escreveu um texto que é difícil dizer se é de raiva ou amargura, revolta ou desistência, compaixão ou luta… Com um só actor em cena (Castro Guedes, que por ele anuncia a sua despedida de palco como actor (em 995 possibilidades em 1000, segundo diz) numa encenação de Rui Spranger, em co-produção com a Apuro Teatro e a parceria do Café Lusitano, onde se estreia dia 23 de Outubro. Mas foi mundialmente estreado em Berlim, numa Leitura encenada, em 2015, numa das mais prestigiadas estruturas teatrais alemãs: a Volksbuhne.

 

Poderá adquirir os bilhetes para o espetáculo através de campanha de compra antecipada.

A campanha é válida para as sessões de dias 23, 27 e 30 de Outubro e estará disponível até dia 9 de Outubro ou até ao stock existente.

O valor de cada bilhete em compra antecipada são 10€ com oferta de um copo de vinho (M18). Envie e-mail para producao.seivatrupe@gmail.com para efectuar a sua compra.

Para outras informações também poderá ligar para: 913414050

transferir (3).jpg
No passado dia 11 de Setembro fez 48 anos que o Júlio Cardoso, o António Reis e a Estrela Novais tornaram em forma jurídica o que vinha germinando.
"Escreve-se SeivaTrupe, lê-se TeatroVivo".

transferir (4).jpgO Crime de Aldeia Velha de Bernardo Santareno.
OBRIGADO, MATOSINHOS!
OBRIGADO, PORTO!
TAXA DE OCUPAÇÃO 100%

 

 

ÉVORA TEATRO FEST

 

transferir.jpg

 

 

 

A 'a bruxa TEATRO' promove uma mostra de teatro no seu espaço, com uma programação focada na criação teatral contemporânea desenvolvida em território português. Através desta iniciativa e com companhias oriundas da Covilhã, Faro, Lisboa, Montemor-o-Novo, Setúbal e Sintra, pretende dar-se visibilidade a companhias nacionais de vários pontos do país e, ainda, apresentar ao público diferentes linguagens artísticas do teatro contemporâneo.

 

transferir (1).png

 

2 a 23 de Outubro no espaço da 'a bruxa TEATRO'
Espaço ex-Celeiros | Rua do Eborim, 16 Évora

 

BILHETES

Bilhetes: 6,00 € (3,00 € p/ jovens, estudantes e reformados)

Aconselhamos, para evitar filas, nos dias de espectáculo, a levantar previamente os bilhetes:
- de segunda a sexta, das 10h às 12.30h | das 14.30h às 17.30h
- em dias de espectáculo, a partir das 20.30h até às 21.15h

*não dispomos de serviço multibanco ou mbway, o pagamento deverá ser realizado presencialmente e em dinheiro no espaço da “a bruxa TEATRO” nos horários indicados

 

Passatempo RELAÇÃO ABUSIVA

O Blog Cultura de Borla tem bilhetes para a peça RELAÇÃO ABUSIVA, dias 17, 18 às 21h e 19 de Setembro às 16h no Auditório Carlos Paredes em Lisboa aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

 

image002 (3).png

 

 “Relação Abusiva”, peça da autoria da escritora e dramaturga brasileira Luciene Balbino está de volta aos palcos, nos próximos dias 17, 18 e 19 de setembro, no Auditório Carlos Parede, Junta de Freguesia de Benfica. Com a encenação de Christiane de Macedo e a interpretação de Daniela Marques, é um monólogo sobre a condição feminina, onde é feita uma análise crua sobre a realidade social da violência nos relacionamentos, entre múltiplas circunstâncias sociais, num misto de autobiografia e relato social que descreve na perfeição realidades muito presentes na sociedade atual.

 

“Relação Abusiva” é um monólogo que tem como fio condutor, a narrativa da história de Maria das Dores. Trata-se de uma mulher que sofreu desde a infância uma educação materna baseada na complacência e aceitação atávica do destino, para depois na escola ser vítima de abusos de colegas, e mais tarde, já adulta, ser de novo violentada em sucessivos relacionamentos.

 

No domingo, dia 19 de setembro, 50% do valor em bilheteira reverterá a favor da ONG Médicos do Mundo. Venha também apoiar esta causa!

 

Sobre a autora

 

Luciene Balbino não se limitou a ser a autora da peça. Começou por observar, conversar e apoiar mulheres com relacionamentos complexos e tóxicos ao longo de alguns anos. Estas experiências e as dores sentidas nos diferentes problemas da condição feminina, chamam a atenção para a agressão contra as mulheres (mas não só) e que pretende funcionar como uma chamada de atenção à sociedade sobre a questão da violência doméstica.

 

A autora afirma que estamos a falar de seres humanos e não do género. Diariamente muitas pessoas sentem na pelas dores físicas e psicológicas da violência e muitas, por razões diversas, escondem-na seja por medo, seja por falta de consciência diz Luciene Balbino, acrescentando que “outras há que conhecem quem vive este pesadelo, mas nada fazem ora por receio de retaliações ora por impotência. A mensagem principal é que podemos e devemos sempre ajudar quem vive estas relações nocivas e abusivas, pois ouvir o outro pode ser vital e abraçá-lo pode ser a saída de emergência que tantos procuram, até porque o crime de violência doméstica é público e temos todos dever moral de o denunciar” conclui Luciene Balbino.

 

 

Agenda e horários

 

“Relação Abusiva” estará em cena nos dias 17, 18 de setembro às 21 horas e 19 de setembro às 16h.

 

Os bilhetes podem ser adquiridos diretamente no Auditório, através da plataforma Ticketline por 12 euros.

 

TeCA: Paisajes Para No Colorear dá voz a vítimas de atos de violência (reminder)

TeCA: Paisajes Para No Colorear dá voz a vítimas de atos de violência

 

Evento: Paisajes Para No Colorear

Local: Teatro Carlos Alberto, Porto

Data: 18 de setembro

Preço: 10 euros

Horário:

Sábado, às 19h00

 

Compor “o retrato de uma sociedade que interiorizou e normalizou a violência de género”. É este o mote de Paisajes Para No Colorear, espetáculo da companhia chilena La Re-Sentida que assinala mais uma passagem do MEXE – Encontro Internacional de Arte e Comunidade pelos espaços do Teatro Nacional São João (TNSJ). Este sábado, dia 18 de setembro, às 19h00, um grupo de nove adolescentes chilenas sobe ao palco do Teatro Carlos Alberto (TeCA) para dar voz aos depoimentos de mais de cem raparigas vítimas de atos de violência, procurando superar as injustiças e desigualdades sociais que as mulheres, menores de idade, enfrentam diariamente, numa revolução cultural sem precedentes.

 

Com encenação de Marco Layera, Paisajes Para No Colorear coloca a tónica no feminino – menor, estigmatizado e desempoderado na sociedade chilena e na América Latina – para responder a questões como “Quais os processos de socialização das adolescentes chilenas?”, “Como veem o seu país, a sua história, relações geracionais e o presente?”, “Quais os discursos, paradigmas e revolta social do seu tempo?”, entre outras. Como complemento ao espetáculo, nos dias 20 e 21 de setembro, o Teatro Carlos Alberto recebe também a oficina Tenemos Mucho que Decir, em que o coletivo La Re-Sentida se propõe explorar os mundos subjetivos de cada participante, as suas experiências imediatas, referências, preocupações, necessidades e imaginários.

O Teatro Nacional São João (TNSJ) é, desde 2007, uma Entidade Pública Empresarial, assumindo ainda a responsabilidade da gestão de mais dois espaços culturais da cidade do Porto: Teatro Carlos Alberto e Mosteiro São Bento da Vitória. O TNSJ é o único membro português na União dos Teatros da Europa (UTE), organização que congrega alguns dos mais importantes teatros públicos do espaço europeu, integrando o Conselho de Administração da entidade.

 

16 de setembro de 2021

 

Informações à comunicação social:
www.centraldeinformacao.pt

 

CCB | LISBON SISTERS por Mário Coelho > 23 a 26 de setembro às 19h00 na Black Box

Partindo do universo criado por Jeffrey Eugenides na obra literária

As Virgens Suicidas (1993), Lisbon Sisters pretende desbravar e desenvolver

alguns dos pontos e temáticas propostas na obra original.

 

Lisbon Sisters

Texto e encenação: Mário Coelho

Intérpretes e coautoras: Ana Valentim, Carolina Dominguez, Júlia Valente,

Mariana Gomes, Matilde Jalles e Nádia Yracema

 

CCB . 23 a 26 setembro . quinta  domingo . 19h00 . Black Box

image003 (8).jpg

A obra fictícia de Jeffrey conta a história de um grupo de cinco irmãs, de apelido Lisbon, acabadas de chegar a um bairro típico dos subúrbios de Michigan, nos Estados Unidos. Educadas de forma rígida e num ambiente severo, a vida destas irmãs sofre uma grande reviravolta após o suicídio da mais nova, Cecilia – é na sequência deste acontecimento que, a mando dos pais e sob o seu olhar atento, as irmãs abandonam a escola e começam a passar o resto dos seus dias enclausuradas em casa.

 

No entanto, sabemos tudo isto somente através dos relatos dos vários rapazes vizinhos, em discurso indireto – relatos, estes, que possuem um carácter inevitavelmente místico e inocente de um grupo de adolescentes que estão enamorados por aquelas jovens raparigas.

Assim sendo, este espetáculo, Lisbon Sisters, pretende focar-se precisamente no intervalo da narrativa de Jeffrey em que as irmãs estão trancadas nos seus quartos. Uma vez que a obra original nos dá poucas referências desses dias (sabemos apenas que culminará num suicídio coletivo), o desafio será o de criar e desenvolver um discurso direto, para estas jovens raparigas, numa tentativa de perceber e de olhar para o que poderão ter sido aqueles dias em que lhes foi retirada a liberdade e juventude.

 

Setembro

transferir (40).jpg

A Bruxa TEATRO apresenta o ÉVORA TEATRO FEST !

A Bruxa Teatro apresenta o ÉVORA TEATRO FEST !
Uma mostra de Teatro em Évora, no espaço d’A Bruxa Teatro, entre 2 e 23 de Outubro de 2021.

A Bruxa TEATRO promove esta mostra com uma programação focada na criação teatral contemporânea desenvolvida em vários pontos do país, com companhias oriundas da Covilhã, Faro, Lisboa, Montemor-o-Novo, Setúbal e Sintra.

Junto enviamos mais informações sobre o Programa do Évora TEATRO Fest.
Estamos disponíveis para qualquer esclarecimento e para o agendamento de conversas com o Director d'A Bruxa TEATRO e do Festival.

Com os melhores cumprimentos,
Joana Alves
(917682292)

Rua do Eborim | Espaço Celeiros | Évora
Reservas: 266 747 047 | abruxateatro@gmail.com

___________________________________________________________

A Bruxa Teatro apresenta o ÉVORA TEATRO FEST !
Uma mostra de Teatro em Évora, no espaço d’A Bruxa Teatro, entre 2 e 23 de Outubro de 2021.

Programa:

2 de Outubro
“Solitária” (Alma d’Arame, Montemor-o-Novo)

5 de Outubro
“Paradjanov - A Celebração da Vida” de Pati Domenech (Asta, Covilhã)

7 de Outubro
“A Paz Perpétua” de Juan Mayorga (Teatro-Estúdio Fontenova, Setúbal)

9 de Outubro
“Romeu e Romeu” de João de Brito e Nuno Preto (LAMA, Faro)

12 de Outubro
“A Voz Humana” de Jean Cocteau (Teatro do Eléctrico, Lisboa)

14 de Outubro
“Confiando (Confinado)” de Rui Sousa (Fio d’Azeite – Marionetas do Chão de Oliva, Sintra)

16 de Outubro
“Damas da Noite, uma farsa de Elmano Sancho” (Loup Solitaire, Lisboa)

19 de Outubro
“I’m So Excited” de Mário Coelho

21 de Outubro
“O Triciclo” de Fernando Arrabal (DOIS, Lisboa)

23 de Outubro
“A Coragem da Minha Mãe” de George Tabori (Artistas Unidos, Lisboa)

 

Passatempo OS MONÓLOGOS DA VAGINA - Teatro Politeama

O Blog Cultura de Borla em parceria com a YELLOW STAR COMPANY  tem bilhetes para a peça OS MONÓLOGOS DA VAGINA, dia 14 e 15 de Setembro às 21h no Teatro Politeama em Lisboa aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

 

Só é aceite uma resposta válida por endereço de e-mail e por concorrente pelo que não adianta enviar mais do um e-mail.

Excepto em casos de força maior que deverão ser atempadamente comunicados através do email culturadeborla@sapo.pt, contamos que os participantes aproveitem os bilhetes que ganharam, portanto concorra apenas se tem a certeza que pode estar presente.

22152908_pMBQv.jpeg

Os Monólogos da Vagina estão de volta a Lisboa.

Com estreia marcada para dia 7 de Setembro no Teatro POLITEAMA de Domingo a Quarta às 21h00.

 

 Sinopse:

Os monólogos da vagina são compostos por vários pequenos textos/monólogos. Cada um deles lida com a experiência feminina, abordando assuntos como sexo, prostituição, imagem corporal, amor, estupro, menstruação, mutilação genital feminina, masturbação, nascimento, orgasmo, os vários nomes comuns para a vagina ou simplesmente como uma parte física do corpo feminino. Um tema recorrente em toda a peça é a vagina como uma ferramenta de capacitação feminina e a personificação máxima da individualidade.
 
Todos os anos, um novo monólogo é adicionado para destacar uma questão atual que afeta as mulheres em todo o mundo. Em 2003, por exemplo, Ensler, a autora, escreveu um novo monólogo chamado Under the Burqa, sobre o sofrimento das mulheres no Afeganistão sob o domínio dos talibãs. Em 2004, Ensler escreveu um monólogo chamado They Beat the Girl Out of My Boy, isto após entrevistar um grupo de mulheres cuja identidade de género diferia de seu género atribuído à nascença. 

Teatro "Revela-me" da associação artística Malvada no Teatro-Cine de Torres Vedras

 

transferir (20).jpg

 

A associação artística Malvada leva ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras no próximo dia 17 de setembro, pelas 21h30, o espetáculo de teatro Revela-me.

De referir que o texto original e a encenação do espetáculo Revela-me partem de um processo de contaminação entre as diferentes atividades e criações no âmbito do projeto artístico homónimo, que se assume como um movimento de ativação de territórios esquecidos e periféricos.

Em Revela-me, ao conceito de Periferia junta-se um espaço de abandono em que se baseia este espetáculo, mais concretamente o antigo Hospital Psiquiátrico dos Canaviais, o qual durante o Estado Novo foi Albergue de Mendicidade, um instrumento da política de promoção da exclusão e do isolamento. Hoje o abandono a que esse espaço está sujeito continua a ser sinal de Periferia, no entanto o esquecimento é também terreno fértil e o vazio surge como expetativa, como prenúncio de uma revelação.

Segundo explica a cocriadora de Revela-me, Ana Luena: “Nas duas visitas que fizemos ao antigo Hospital Psiquiátrico realizou-se um registo fotográfico que o documenta, o torna visível e que serviu o início desta narrativa performativa. Esta criação cénica emerge do interior deste espaço desabitado e interdito que está a ser ocupado por arquivo morto. Pastas enfiadas em sacos de plástico azuis, enormes. Lá dentro arquivos com dados pessoais, listas, enfermidades de pessoas que já morreram ou que ainda estão vivas. Agora todos pertencentes a este lugar.

Poderíamos ser nós encerrados num saco azul, numa cama, num quarto, numa gaveta, numa página, numa fotografia, numa notícia do jornal ou apenas num nome. Encerrados num nome. Esvaziados numa letra.

Revela-me constrói-se por camadas de (des)ocultação numa dramaturgia que explora a Periferia na relação com o outro e na cena, o vazio como possibilidade de ser e de encontro, a ruína que somos todos. Um espaço que se abre e se fecha. O decalque de uma parede. Uma vida espalhada aos bocados. É dos corpos dos intérpretes e das caixas seladas que irrompe um discurso fragmentado que alinha histórias, pensamentos, cartas, nomes, vidas, pessoas. Destroços”.

O preço dos bilhetes para se assistir ao teatro Revela-me no Teatro-Cine de Torres Vedras é de cinco euros.

 

Ficha Técnica

 

Criação e direção artística: Ana Luena e José Miguel Soares

Fotografia e conceito: José Miguel Soares

Texto original e encenação: Ana Luena

Intérpretes: Nuno Nolasco, Inês Pereira

Desenho de luz: Pedro Correia

Música original: Zé Peps

Design: Joana Areal

Assistente de produção e comunicação: Rita Boavida

Produção: Malvada Associação Artística

Coprodução: Câmara Municipal de Évora - Call Artes à Rua 2020, Cine-Teatro Avenida de Castelo Branco

Parceiros: Lendias d’Encantar (FITA - Festival Internacional do Alentejo), Teatro-Cine de Torres Vedras, Cães do Mar, Junta de Freguesia de Canaviais, Associação Grupo de Teatro luventuti Virtutis, Associação de Surdos de Évora

Revela-me tem o Apoio da República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes 

SOIRÉE

SOIRÉE

Uma comédia de Jorge Cardoso e Ricardo Guerreiro

 

ARTEVIVA - SOIRÉE 21h30.jpg

 

Estreia: 17 SETEMBRO 2021

21h30 

No Teatro Municipal do Barreiro

 

Sessões às sextas e sábados, às 21h30

Reservas: 910 093 886 e/ou arteviva.reservas@gmail.com

Bilhetes à venda em BOL.PT

 

Este espetáculo surge na sequência de um convite da Câmara Municipal do Barreiro, a propósito da celebração dos 500 anos da atribuição da Carta de Vila ao Barreiro, por D. Manuel I, em 1521.

Mas é uma Carta de Vila ou um Foral?

São uns Jogos Florais?

É História ou divertimento?

É tramóia ou rambóia?

Crime político? Crime passional?

Onde nos levam os nossos sonhos?

Tudo se esclarecerá na soirée de uma coletividade barreirense, abrilhantada pelo conjunto musical “Os Lambujinhas”.

SOIRÉE: um sonho numa cidade dormitório.

 

88ª produção da ArteViva - Companhia de Teatro do Barreiro

 

Interpretação Alexandre Antunes, Ângela Farinha, António Pinto, Carla Carreiro Mendes, Gabriel Feijão, Gonçalo Cardoso, Manuela Ramos Félix, Miguel Amaral, Patrocínia Cristóvão, Ricardo Guerreiro, Rita Reis, Rodrigo Reis Pinto, Rui Félix, Rui Martins, Rui Quintas 

 

 

Autores Jorge Cardoso e Ricardo Guerreiro

Encenação Jorge Cardoso

Cenografia João Pimenta

Figurinos Ana Pimpista

Música de Cena e Canções Konacri (António Pinto, Gabriel Feijão, Gonçalo Cardoso, Miguel Amaral e Ricardo Guerreiro)

 

Assistente Encenação Catarina Santana | Movimento Andreia Martins | Construção Cenário António Santinho | Apoio Figurinos O Dedal| Apoio Adereços Alexandre Antunes, Manuela Ramos Félix, Ricardo Guerreiro e Rui Martins | Caracterização Manuela Ramos Félix | Luminotecnia João Oliveira Jr. | Operação Técnica Maria Inês Santos | Design Gráfico João Pimenta | Vídeo e Fotografias de Promoção do Espetáculo Cláudio Ferreira | Produção Executiva Catarina Santana | Apoio Geral João Henrique Oliveira | Agradecimentos a Catarina Fernandes (O Dedal) e Ricardo Carrajola (Gasoline)