Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Leitura da Peça Limiar do Grupo de Teatro Terapêutico em Mafra

379837_228677120533320_799158133_n.jpg

 

Grupo de Teatro Terapêutico tem o prazer de o/a convidar para a apresentação "Libertação pela Arte: Uma Experiência Terapêutica com 50 Anos" que inclui uma leitura encenada da peça "Limiar", de João Silva. A leitura ocorrerá no dia 24 de Maio pelas 14.30 no edifício da Loja do Cidadão, em Mafra, no âmbito do Ciclo de Conferências "As pessoas: o nosso património mais valioso".

 

Passatempo QUASE NORMAL - Teatro da Trindade

O Blog Cultura de Borla em parceria com a ARTEFEIST tem bilhetes duplos para o espectáculo QUASE NORMAL para os dia 23 e 26 de Maio no TEATRO DA TRINDADE aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver QUASE NORMAL   com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

21012560_1Nsmt.jpeg

 

SINOPSE

Next to Normal QUASE NORMAL é um musical rock escrito por Brian Yorkey e com música de Tom Kitt. Entre os ingredientes principais de um musical que vão desde a comédia ao drama, conta a história de uma mãe que luta contra a sua bipolaridade e os efeitos que esta doença e as tentativas da sua cura têm sobre a família. O musical também se debruça sobre outras temáticas como a perda, suicídio, uso de drogas, as éticas da psicologia moderna e o submundo da vida suburbana. O musical estreou-se Off Broadway em 2008 e venceu o prémio dos Outer Critics Circle Award para Best Score (Melhor Partitura) bem como duas nomeações para os Drama Desk Awards nas categorias de Melhor Atriz e Melhor Partitura.. Após a sua temporada Off-Broadway, foi apresentado na Arena Stage em Washington até finalmente chegar à Broadway em 2009.

Foi nomeado para 11 Tonys vencendo 3 Melhor Partitura, Melhor Orquestração e Melhor Atriz. Venceu também o Prémio Pulitzer para Drama em 2010 sendo o oitavo musical de sempre a receber esta honra.

É unanimemente considerado um poderoso musical rock que lida com questões de doenças mentais numa família suburbana, alargando assim a panóplia de assuntos que podem ser explorados em musicais

FICHA ARTÍSTICA

Música: Tom Kitt
Texto e letras: Brian Yorkey
Tradução, Adaptação e Encenação: Henrique Feist
Direção Musical: Nuno Feist 
Com: Lúcia Moniz, Henrique Feist, Mariana Pacheco, Valter Mira, André Lourenço, Diogo Leite
Produção executiva: João de Oliveira Pereira 
Produção: ArtFeist

 

 

 

Festa do Património acontece em Tarouca | dias 18 e 19 maio | entrada livre

DIAS DO PATRIMÓNIO A NORTE

FADISTA ALDINA DUARTE É CABEÇA DE CARTAZ

 

Mosteiro de Santa Maria de Salzedas

18 e 19 maio 2018

 

image002.jpg

Aldina Duarte atua no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, no próximo dia 19 maio, pelas 21h30, naquele que será o espetáculo de encerramento do evento Dias do Património a Norte, em Tarouca.

 

Esta é a segunda iniciativa do Ciclo Dias do Património a Norte (cuja inauguração ocorreu em abril, no Mosteiro de Arouca), um evento em rede promovido pela Direção Regional de Cultura do Norte e que, ao longo de seis meses (de abril a setembro), vai transformar oito lugares patrimoniais da região Norte, em palcos de uma programação artística, cultural e gastronómica, desenhada com o traço da identidade singular de cada território.

 

A iniciativa é promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte em parceria com os municípios locais, representando um investimento total de 400 mil Euros, cofinanciado pelo Programa Norte 2020, através do FEDER.

 

O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas é assim o segundo palco dos Dias do Património a Norte. O Mosteiro abre-se para proporcionar um dia de descobertas e experiências singulares. Fazemos uma visita com quem melhor conhece os seus recantos, estórias e memórias, conversamos sobre Paisagem Cultural – o resultado da interação do Homem com a Natureza, e a sua importância para a proteção do legado comum das comunidades.

 

Em jeito de piquenique, conhecemos, pelas mãos de um Chef que tem o foco do seu trabalho na riqueza dos produtos locais e sazonais, reinterpretações da Baga do Varosa (o conhecido sabugueiro). Em família, ouvimos uma história, vinda de longe, sobre a importância da água e da sustentabilidade dos recursos naturais. Duas das comunidades locais apresentam-nos uma performance musical e uma instalação visual. E, quando a noite se fizer chegar, ocupamos um dos claustros do Mosteiro para ouvir a inconfundível Aldina Duarte e o seu último trabalho, “Quando se ama loucamente”.

 

Assente na riqueza do passado, criamos memórias no presente e celebramos o nosso Património!

 

 

PROGRAMA

 

Sexta | 18 de maio

 

10:00 - Visita-Jogo ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas*

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho

dinamização: Juliana Sá

vários espaços do Mosteiro

* reservada às escolas

 

O mosteiro guarda segredos que nunca foram desvendados. Visitá-lo, conhecer a sua história e resolver os seus enigmas, revela-nos pistas cada vez mais interessantes e misteriosas, que nos levam a um surpreendente desfecho final.

 

 

Sábado | 19 de maio

 

 

10:30 - Visita-Jogo ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho

dinamização: Juliana Sá

vários espaços do Mosteiro

 

 

11:30 - Teatro para famílias | À Espera que Volte, Teatro da Serra do Montemuro

Claustro da Colação

 

O homem forte e bom que vem ao nosso encontro, é Piotor. Piotor não é português. Caiu de um avião de carga numa noite de temporal, numa serra árida onde depois de muito andar no escuro, encontra um cão. Esse cão é pastor e leva-o para junto do seu rebanho. O rebanho leva-o para a aldeia. Na aldeia há um teatro e o vazio que Piotor sentia preencheu-se.

Piotor trouxe consigo uma história sobre a água...sobre uma gota de água que ao cair do céu da Rússia, transforma as crianças que a querem ouvir, em pequenos russos que em vez de mãos, têm o poder de trazer a chuva e o dilúvio para dentro de casa.

Quando a história termina, as crianças só esperam que a gota de água volte a cair para refrescar os seus dedos...

 

Texto de Madalena Victorino e Paulo Duarte

Encenação de Madalena Victorino Assistente de Encenação Abel Duarte Cenografia e Figurinos de Sandra Neves Costureiras Capuchinhas CRL e Maria do Carmo Félix Direção Musical e Banda Sonora de Fernando Mota Cenários e Adereços Carlos Cal e Maria da Conceição Almeida Interpretação Piotor (Paulo Duarte) a sua Sombra (Maria da Conceição Almeida) e sete pequenos músicos russos Direção de Produção e Comunicação Paula Teixeira

Agradecimentos Maryana Bardashevska, Camila Correia, Carolina Correia e Frederico Duarte Vídeo e Fotografia de Lionel Balteiro

 

 

14:30 Visita Guiada por membros da comunidade | Os mosteiros e a reorganização do tempo

guias: Doutor Luís Sebastian e Mestre Humberto

ponto de encontro: entrada do Mosteiro

 

A história de um local não é apenas um conjunto de factos escritos ou estudados. Nesta visita cruzamos o conhecimento científico acerca do Mosteiro com um conjunto de outras dimensões. As histórias do Mosteiro e a sua relação com o conceito de tempo são o mote para que vivenciemos este espaço com um outro olhar. Uma visita guiada com pormenores únicos.

 

 

15:30 - Conversas | Paisagem Cultural

convidados: Professora Doutora Maria Alegria Marques, Doutora Natália Fauvrelle, Dr. Bruno Cardoso

Cadeiral da Igreja do Mosteiro

 

Reconhecida pela UNESCO como um bem cultural há pouco mais de duas décadas, a Paisagem Cultural define-se pelo resultado e processo de interação do Homem e a Natureza. À riqueza e singularidade social e ambiental, valor intrínseco de uma certa paisagem, soma-se o valor afetivo pela identificação e sentimento de pertença que inspira às respetivas populações. Num tempo de vertiginosas mudanças, marcado pela transitoriedade e pela “barbárie estética” e ética, cuidar da paisagem cultural é um imperativo para a salvaguarda do fundo comum das comunidades.

 

 

17:30 - Piquenique | Sabugueiro – O tempo e o produto

com o Chef Tiago Emanuel Santos

Claustro da Colação

 

Pelas mãos dos Monges de Salzedas, a Baga do Varosa, mais conhecida por Sabugueiro, é introduzida no território e assume papéis fundamentais para as mais variadas atividades humanas, principalmente na alimentação e produção de bebidas. Inspirado nos saberes ancestrais, o Chefe Tiago Emanuel Santos traz-nos uma proposta de redescoberta da tradição, do saber ancestral e do produto local desenvolvido através do tempo, da arguta e do engenho dos Monges de Salzedas. Partilhe connosco a toalha, a Cerveja, o Espumante, o Queijo, o Mel e o Pão desta localidade todos elaborados a partir da mesma origem, a Baga e a Flor de Sabugueiro.

 

 

18:30 - Performance musical e instalação visual

coordenação de Samuel Martins Coelho e Paulo Pimenta

com a participação de elementos da Sociedade Filarmónica de Salzedas e do Grupo Caminho da Esperança

Sala do Capítulo e outros espaços do Mosteiro

 

Esta é uma nova criação, desenhada com as comunidades de Salzedas que cruzará a fotografia e a música. Uma obra artística que reflete a identidade dos participantes, da sua música e da sua cultura. Os artistas Samuel Martins Coelho (músico, construtor de instrumentos)  e Paulo Pimenta (fotojornalista) constroem com um grupo muito diverso de pessoas um espetáculo único e irrepetível.

 

 

21:30 Concerto | Aldina Duarte

Claustro do Capítulo

 

Quando a forma faz jus ao conteúdo, temos um  disco escrito por  Aldina Duarte - “Quando Se Ama Loucamente”  -  um elogio da paixão, que nasce da oferta de um tema inédito de Manuel Cruz (Ornatos Violeta) a Aldina. Um tributo à escritora Maria Gabriela Llansol  e um encontro do fado com diversas artes: fotografia,  grafismo, pintura e literatura, tendo como convidados especiais, Hélia Correia, João Barrento, Maria do Rosário Pedreira e Pedro Cabrita Reis.

Aldina Duarte transportará todo este Universo para o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, com a certeza de que estaremos diante de um espetáculo único.

 

 

Duas peças imperdíveis em junho: Medeia e Tempestade, pela Companhia João Garcia Miguel

Almadatemp_18_BR.jpg

 

 
A Companhia João Garcia Miguel entra em junho a circular pelo país com duas propostas de teatro imperdíveis!
 
A fúria de MEDEIA continua em movimento e chega a Leiria no primeiro dia do mês, com Sara Ribeiro e David Pereira Bastos a protagonizarem esta história de amor e traição, ao som do piano ao vivo de Mário Laginha. Um enredo a conhecer às 21h30, no Teatro José Lúcio da Silva.

No dia seguinte, 02 de junho, em Loulé, a TEMPESTADE volta a subir a palco, depois de ter estreado em 2017 em Aveiro e ter passado por Almada, Matosinhos, Torres Vedras e Lisboa. Sara Ribeiro, António Pedro Lima, David Pereira Bastos e Vitor Alves da Silva dão corpo e voz a esta peça, criada a partir do texto de William Shakespeare. São acompanhados pela música construída ao vivo por Nuno Rebelo.
Uma Tempestade que merece ser vivida, às 21h30 no Cine-Teatro Louletano.

Espetáculos para toda a família chegam ao Braga Parque

image004.jpg

 

 

Quem diz que só as salas de espetáculos podem ter bons momentos de cultura?

Ao longo de 2018, a escadaria central do Braga Parque será palco de várias atuações, do teatro à música, e até dança.

 

«Um palhaço entra num centro comercial e começa a falar sozinho». Parece mentira, mas a verdade é que vai acontecer já este sábado, dia 7 de abril, às 11 e às 16 horas. Fábrica das Gravatas é o primeiro de vários espetáculos de artes performativas que o Braga Parque vai oferecer na sua programação para 2018. O objetivo é que as famílias, e principalmente as crianças, possam desfrutar de momentos culturais e de lazer com qualidade de forma gratuita.

 

Em maio será a vez de Sin Remite, um circo-teatro bem-humorado da autoria do espanhol Jean Philippe Kikolas, que promete despertar atenções e emoções sem palavras, apenas com gestos. Acontece no dia 12 pelas 11 horas e repete-se às 16h.

 

Junho traz animação a dobrar – não fosse o mês em que se celebra o Dia da Criança – e começa logo no dia 1 com O Principezinho, um espetáculo que dispensa apresentações com já tantas gerações conquistadas. Há sessões às 10:30h, às 15h e às 21 horas, para que ninguém perca a oportunidade.

 

A 9 de junho, 11h e às 16h, são os 3 Porquinhos que saem diretamente do Jangada Teatro para a escadaria do Braga Parque, transformando-se em Fantoches que protagonizam um teatro musical.

 

Todas as iniciativas são gratuitas e abertas à comunidade. Ano após ano, o Braga Parque continua a revelar-se muito mais que um espaço de compras, com uma oferta de lazer diversificada e contínua que proporciona momentos e experiências de grande qualidade aos visitantes.

 

Sobre os espetáculos:

Fábrica das Gravatas, Nuvem Voadora – Associação Cultural

É um solo de palhaço que aborda de uma forma absurda, filosófica e poética a condição do homem em relação às máquinas, à tecnologia e ao trabalho. O dia-a-dia de um palhaço que trabalha numa fábrica de gravatas que é constantemente interrompido pelos pequenos prazeres da vida.  A batalha entre o tempo, as máquinas e os palhaços começou!

 

Sin Remite, de Jean Philippe Kikolas

Um espetáculo de circo-teatro e humor gestual. Uma personagem que, sem palavras, desperta uma sensação de nostalgia. Um jogo entre cenário, objetos e público. Sin Remite é um espetáculo com técnicas como o teatro gestual e as piadas visuais, que nos envolvem num mundo à parte. É inspirado na comédia slapstick e no cinema cómico de Buster Keaton, Charlie Chaplin e Jacques Tati.

 

O Principezinho, Jangada Teatro

Baseado na obra de Saint-Exupéry. Um espetáculo de teatro musical para toda a família em que sentimentos como amizade, perda e amor são apresentados de forma ingénua e simples, acessível aos mais novos. Na procura/viagem que O Principezinho faz pelos diferentes planetas, encontra a diversidade das personagens acantonadas e sós. E para cada uma dessas personagens haverá uma música, elemento também distintivo de cada situação. A plasticidade, a interpretação e a conceção musical, cada uma enriquecerá o espetáculo, mostrando que uma parte do jogo teatral é para a criança e outra para o adulto.

 

3 Porquinhos, Jangada Teatro

A tradicional história dos 3 porquinhos contada num teatro musical de fantoches com uma porca, três porquinhos e um lobo, auxiliados por outras quatro personagens, que representam o ser humano. Inspirada na tradição de fantoches portuguesa, a companhia foi à procura dos materiais usados, os quais se resumem ao tecido e à madeira. Para a construção dos personagens seguiu-se a técnica das matrafonas (bonecas de trapos costuradas com restos de tecidos), adaptando-a a partir daí ao boneco de teatro. 3 Porquinhos é uma peça da Jangada Teatro, com encenação de Luiz Oliveira e interpretação de Luiz Oliveira, Rita Calatré e Vítor Fernandes. Tem música original de Ricardo Fráguas.

 

"Um Mundo de Porquinhos" do Leirena Teatro

porcos cartaz.jpg

O espetáculo UM MUNDO DE PORQUINHOS, com estreia em sessão dupla (10h30 e 15h), no próximo dia 18 de maio de 2018, no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria. Trata-se da mais recente produção do Leirena Teatro - Companhia de Teatro de Leiria, que rompe com a história tradicional d'Os Três Porquinhos e coloca os seus protagonistas em confronto com o seu estilo de vida.
UM MUNDO DE PORQUINHOS é cofinanciado pelo Município de Leiria através do Plano Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas (PMAAC), Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), Portugal 2020 e Fundos de Coesão da União Europeia.
 

MEDEIA em Leiria: Sara Ribeiro, David Pereira Bastos e Mário Laginha sobem a palco

4D9A2611©SusanaChicó_MEDEIA_BR.png

 

A ira de Medeia, da Companhia João Garcia Miguel, chega ao Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, já no dia 01 de junho, às 21h30. Esta peça parte da adaptação de Francisco Luís Parreira ao texto de Eurípides e conta com três grandes nomes em palco: Mário Laginha a tocar ao vivo; Sara Ribeiro e David Pereira Bastos na interpretação.

Medeia esgotou a sala do Teatro Ibérico, em Lisboa, e já passou por Coimbra, Torres Vedras, Santa Maria da Feira e Aveiro.

Teatro para toda a família este sábado no Braga Parque

image004.jpg

 

Há teatro para toda a família este sábado no Braga Parque

 

Quem diz que só as salas de espetáculos podem ter bons momentos de cultura?

Ao longo de 2018, a escadaria central do Braga Parque será palco de várias atuações, do teatro à música, e até dança.

 

Depois do sucesso de Fábrica das Gravatas, em abril, os espetáculos para toda a família regressam ao Braga Parque já este fim-de-semana.

 

No sábado, dia 12 de maio, será a vez de Sin Remite, um circo-teatro bem-humorado da autoria do espanhol Jean Philippe Kikolas, que promete despertar atenções e emoções sem palavras, apenas com gestos.

Acontece pelas 11 horas e repete-se às 16h.

 

Sobre o espetáculo:

 

Sin Remite, deJean Philippe Kikolas, é um espetáculo de circo-teatro e humor gestual. Uma personagem que, sem palavras, desperta uma sensação de nostalgia. Um jogo entre cenário, objetos e público. Sin Remite é um espetáculo com técnicas como o teatro gestual e as piadas visuais, que nos envolvem num mundo à parte. É inspirado na comédia slapstick e no cinema cómico de Buster Keaton, Charlie Chaplin e Jacques Tati.

 

 

Todas as iniciativas do Braga Parque são gratuitas e abertas à comunidade. Ano após ano, o Braga Parque continua a revelar-se muito mais que um espaço de compras, com uma oferta de lazer diversificada e contínua que proporciona momentos e experiências de grande qualidade aos visitantes.

 

Passatempo QUASE NORMAL - Teatro da Trindade - 12 de Maio

O Blog Cultura de Borla em parceria com a ARTEFEIST tem bilhetes duplos para o espectáculo QUASE NORMAL para o dia 12 de Maio às 16h30 no TEATRO DA TRINDADE aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver QUASE NORMAL   com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

 

21011331_ZqrUA.jpeg

 

SINOPSE

Next to Normal QUASE NORMAL é um musical rock escrito por Brian Yorkey e com música de Tom Kitt. Entre os ingredientes principais de um musical que vão desde a comédia ao drama, conta a história de uma mãe que luta contra a sua bipolaridade e os efeitos que esta doença e as tentativas da sua cura têm sobre a família. O musical também se debruça sobre outras temáticas como a perda, suicídio, uso de drogas, as éticas da psicologia moderna e o submundo da vida suburbana. O musical estreou-se Off Broadway em 2008 e venceu o prémio dos Outer Critics Circle Award para Best Score (Melhor Partitura) bem como duas nomeações para os Drama Desk Awards nas categorias de Melhor Atriz e Melhor Partitura.. Após a sua temporada Off-Broadway, foi apresentado na Arena Stage em Washington até finalmente chegar à Broadway em 2009.

Foi nomeado para 11 Tonys vencendo 3 Melhor Partitura, Melhor Orquestração e Melhor Atriz. Venceu também o Prémio Pulitzer para Drama em 2010 sendo o oitavo musical de sempre a receber esta honra.

É unanimemente considerado um poderoso musical rock que lida com questões de doenças mentais numa família suburbana, alargando assim a panóplia de assuntos que podem ser explorados em musicais

FICHA ARTÍSTICA

Música: Tom Kitt
Texto e letras: Brian Yorkey
Tradução, Adaptação e Encenação: Henrique Feist
Direção Musical: Nuno Feist 
Com: Lúcia Moniz, Henrique Feist, Mariana Pacheco, Valter Mira, André Lourenço, Diogo Leite
Produção executiva: João de Oliveira Pereira 
Produção: ArtFeist

 

 

Passatempo QUASE NORMAL - Teatro da Trindade - 12 de Maio

O Blog Cultura de Borla em parceria com a ARTEFEIST tem bilhetes duplos para o espectáculo QUASE NORMAL para o dia 12 de Maio às 21h30 no TEATRO DA TRINDADE aos primeiros leitores que de 5 em 5 participações:

Enviem um email para o culturadeborla@sapo.pt com a frase "Eu quero ver QUASE NORMAL   com o Cultura de Borla" com nome, BI e nº de telefone.

 

21004450_tAi21.jpeg

SINOPSE

Next to Normal QUASE NORMAL é um musical rock escrito por Brian Yorkey e com música de Tom Kitt. Entre os ingredientes principais de um musical que vão desde a comédia ao drama, conta a história de uma mãe que luta contra a sua bipolaridade e os efeitos que esta doença e as tentativas da sua cura têm sobre a família. O musical também se debruça sobre outras temáticas como a perda, suicídio, uso de drogas, as éticas da psicologia moderna e o submundo da vida suburbana. O musical estreou-se Off Broadway em 2008 e venceu o prémio dos Outer Critics Circle Award para Best Score (Melhor Partitura) bem como duas nomeações para os Drama Desk Awards nas categorias de Melhor Atriz e Melhor Partitura.. Após a sua temporada Off-Broadway, foi apresentado na Arena Stage em Washington até finalmente chegar à Broadway em 2009.

Foi nomeado para 11 Tonys vencendo 3 Melhor Partitura, Melhor Orquestração e Melhor Atriz. Venceu também o Prémio Pulitzer para Drama em 2010 sendo o oitavo musical de sempre a receber esta honra.

É unanimemente considerado um poderoso musical rock que lida com questões de doenças mentais numa família suburbana, alargando assim a panóplia de assuntos que podem ser explorados em musicais

FICHA ARTÍSTICA

Música: Tom Kitt
Texto e letras: Brian Yorkey
Tradução, Adaptação e Encenação: Henrique Feist
Direção Musical: Nuno Feist 
Com: Lúcia Moniz, Henrique Feist, Mariana Pacheco, Valter Mira, André Lourenço, Diogo Leite
Produção executiva: João de Oliveira Pereira 
Produção: ArtFeist