Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Galeria Municipal de Torres Vedras acolhe exposição de obras da Coleção António Cachola

transferir (15).jpg

A Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras acolhe, entre os dias 18 de setembro e 4 de dezembro, a exposição Entre paredes: futuros.

Segundo a curadora, Sara Antónia Matos: "a exposição Entre paredes: futuros reúne um conjunto de obras pertencentes à Coleção António Cachola, de artistas de diferentes géneros e gerações. As obras espalham-se, não apenas pelo tradicional espaço expositivo mas também, pelas divisões contiguas da Galeria Municipal de Torres Vedras. Assim fazendo jus à ideia de casa, percorrendo o edifício e ocupando as suas paredes, disseminando obras pelos corredores, salas, nichos e vãos de escada, a exposição adota a ideia de um confinamento entre paredes, de certa forma familiar ao enclausuramento vivido em período de pandemia. Porém, longe de transmitir a sensação de catástrofe ou de fim dos tempos, as obras em exposição parecem propor futuros, melancólicos mas também visionários, que aludem àquilo a que o crítico de ficção, inglês, Frank Kermode designou de 'sensibilidade apocalíptica'. Esta assenta na impressão de que, mais tarde ou mais cedo, um acontecimento global desastroso porá fim à vida terrena tal como a conhecemos.”

A mostra é composta por obras de Alexandre Estrela; Alice Geirinhas; Ana Jotta; Anamary Bilbao; Ana Manso; Ana Rito; Andreia Santana; António Neves Nobre; Belén Uriel; Bruno Cidra; Carlos Nogueira; Dalila Gonçalves;  Diogo Evangelista; Gonçalo Sena; Horácio Frutuoso; Igor Jesus; Ilda David; Inês Botelho; Jaime Welsh; José Pedro Croft; João Queiroz; Mané Pacheco; Miguel Ângelo Rocha; Paulo Brighenti;  Pedro Cabrita Reis; Rui Cahfes; Rui Toscano e Susana Anágua.

Atividade “LU.GAR.CONTADO – Tradição oral, um património vivo” em Torres Vedras

transferir (29).jpg

 

No próximo dia 22 de setembro Torres Vedras vai ser palco de uma atividade de divulgação do património imaterial relacionado com a tradição oral.  

“LU.GAR.CONTADO – Tradição oral, um património vivo” é o nome dessa atividade, a qual resulta de uma iniciativa da Memória Imaterial CRL, uma cooperativa cultural que se dedica ao estudo e inventariação de manifestações do Património Cultural Imaterial desde 2006.

No âmbito da referida atividade o Teatro-Cine acolherá, pelas 17h30, uma sessão de contação com Ana Sofia Paiva, António Fontinha e Cristina Taquelim, que darão a conhecer seis contos tradicionais.

As inscrições para a participação nesta sessão de narração oral devem ser efetuadas pelo n.º de telefone: 261 320 738; ou pelo e-mail: fabricadashistorias@cm-tvedras.pt.

Essa sessão, que conta com o apoio da DGARTES e do Município de Torres Vedras, serve de apresentação à exposição também denominada LU.GAR.CONTADO - Tradição Oral, um património vivo, a qual pode ser visitada na Fábrica das Histórias - Casa Jaime Umbelino, entre 22 de setembro e 30 de outubro. Essa exposição multimédia incide sobre um romance, uma lenda e quatro contos tradicionais cujas versões foram outrora recolhidas por, entre outros eruditos, José Leite de Vasconcelos, tendo, ao longo da última década, sido gravadas em vídeo pelo projeto MEMORIAMEDIA. 

A exposição LU.GAR.CONTADO - Tradição Oralum património vivo pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00, e, ao sábado, das 10h00 às 13h00 e das 15h00 às 18h00.

Relacionado com esta exposição está previsto a realização de mais sessões de narração de contos tradicionais.

Concerto do grupo de música de câmara Ensemble Darcos no Teatro-Cine de Torres Vedras

transferir (28).jpg

No âmbito da “Temporada Darcos 2021” o Teatro-Cine de Torres Vedras acolhe no próximo dia 18 de setembro, pelas 21h30, um concerto do grupo de música de câmara Ensemble Darcos.

Neste concerto o Ensemble Darcos será constituído por: Marina Camponês (flauta); Ludwig Doerichen e Ana Madalena Ribeiro (violinos); Reyes Gallardo (viola); Filipe Quaresma (violoncelo); e Hélder Marques (piano).

O programa do concerto será o seguinte:

A Vivaldi (1678 - 1741)
Concerto para flauta e cordas, em Ré Maior, op. 10 n.º 3, “Il Gardelino”
I. Allegro
II. Cantabile
III. Allegro

Concerto para flauta e cordas, em Fá maior, op. 10 n. º 1, “La tempesta di mare”
I. Allegro
II. Largo
III. Presto

E. Carrapatoso (n. 1962)
Fantasia
para flauta e piano
I. Vivo
II. Lento (Canção sem palavras)
III. Dança de Anitra
IV. Vivo

J. Brahms (1833 - 1897)
Quinteto para piano e cordas, em Fá menor, op. 34
I. Allegro non troppo
II. Andante, un poco adagio
III. Scherzo - Allegro
IV. Finale - Poco sostenuto - Allegro non troppo

 

O preço dos bilhetes é de cinco euros.



Recorde-se que a “Temporada Darcos" constitui-se como uma iniciativa singular no panorama artístico, na qual se divulga a música clássica segundo diversas abordagens dadas por autores europeus de referência, sendo dirigida pelo compositor e maestro torriense Nuno Côrte-Real. Os espetáculos desta temporada são na sua maioria interpretados pelo grupo Ensemble Darcos, um dos mais prestigiados grupos de câmara portugueses da atualidade, o qual apresenta uma formação que varia consoante o programa de concerto. De realçar que aclamados solistas e orquestras nacionais e internacionais têm também participado nesta iniciativa. Tendo como ponto de partida o concelho de Torres Vedras, e sendo coorganizada pela Câmara Municipal de Torres Vedras, a Temporada Darcos tem em 2021 a sua 14.ª edição.

Teatro "Revela-me" da associação artística Malvada no Teatro-Cine de Torres Vedras

 

transferir (20).jpg

 

A associação artística Malvada leva ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras no próximo dia 17 de setembro, pelas 21h30, o espetáculo de teatro Revela-me.

De referir que o texto original e a encenação do espetáculo Revela-me partem de um processo de contaminação entre as diferentes atividades e criações no âmbito do projeto artístico homónimo, que se assume como um movimento de ativação de territórios esquecidos e periféricos.

Em Revela-me, ao conceito de Periferia junta-se um espaço de abandono em que se baseia este espetáculo, mais concretamente o antigo Hospital Psiquiátrico dos Canaviais, o qual durante o Estado Novo foi Albergue de Mendicidade, um instrumento da política de promoção da exclusão e do isolamento. Hoje o abandono a que esse espaço está sujeito continua a ser sinal de Periferia, no entanto o esquecimento é também terreno fértil e o vazio surge como expetativa, como prenúncio de uma revelação.

Segundo explica a cocriadora de Revela-me, Ana Luena: “Nas duas visitas que fizemos ao antigo Hospital Psiquiátrico realizou-se um registo fotográfico que o documenta, o torna visível e que serviu o início desta narrativa performativa. Esta criação cénica emerge do interior deste espaço desabitado e interdito que está a ser ocupado por arquivo morto. Pastas enfiadas em sacos de plástico azuis, enormes. Lá dentro arquivos com dados pessoais, listas, enfermidades de pessoas que já morreram ou que ainda estão vivas. Agora todos pertencentes a este lugar.

Poderíamos ser nós encerrados num saco azul, numa cama, num quarto, numa gaveta, numa página, numa fotografia, numa notícia do jornal ou apenas num nome. Encerrados num nome. Esvaziados numa letra.

Revela-me constrói-se por camadas de (des)ocultação numa dramaturgia que explora a Periferia na relação com o outro e na cena, o vazio como possibilidade de ser e de encontro, a ruína que somos todos. Um espaço que se abre e se fecha. O decalque de uma parede. Uma vida espalhada aos bocados. É dos corpos dos intérpretes e das caixas seladas que irrompe um discurso fragmentado que alinha histórias, pensamentos, cartas, nomes, vidas, pessoas. Destroços”.

O preço dos bilhetes para se assistir ao teatro Revela-me no Teatro-Cine de Torres Vedras é de cinco euros.

 

Ficha Técnica

 

Criação e direção artística: Ana Luena e José Miguel Soares

Fotografia e conceito: José Miguel Soares

Texto original e encenação: Ana Luena

Intérpretes: Nuno Nolasco, Inês Pereira

Desenho de luz: Pedro Correia

Música original: Zé Peps

Design: Joana Areal

Assistente de produção e comunicação: Rita Boavida

Produção: Malvada Associação Artística

Coprodução: Câmara Municipal de Évora - Call Artes à Rua 2020, Cine-Teatro Avenida de Castelo Branco

Parceiros: Lendias d’Encantar (FITA - Festival Internacional do Alentejo), Teatro-Cine de Torres Vedras, Cães do Mar, Junta de Freguesia de Canaviais, Associação Grupo de Teatro luventuti Virtutis, Associação de Surdos de Évora

Revela-me tem o Apoio da República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes 

Malú Garcia em estreia ao vivo dia 2 Outubro no Teatro-Cine Torres Vedras

image003 (5).jpg

A violinista Malú Garcia vai subir ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras no próximo dia 2 de Outubro, às 21h30, para o seu concerto de estreia. Apesar da sua base ser a música clássica, o novo projeto instrumental de Malú Garcia incorpora estilos como Fado, Morna, World Music, Tango e Jazz. Após os seus estudos musicais, como bolseira da Royal Welsh College of Music and Drama, regressou a Portugal e, em paralelo com a música clássica, decidiu explorar novas cores, texturas, estilos e novas técnicas violinísticas criando a sua própria identidade.

 

Este concerto contará com convidados especiais como a fadista Matilde Cid, entre outros, e também a estreia de novos temas originais que farão parte do seu próximo álbum. Malú Garcia apresenta-se em quinteto, acompanhada por músicos de renome como Pedro Baião no piano, Bernardo Romão na guitarra portuguesa, Ricardo Marques no contrabaixo e Sebastian Scheriff na percussão. 

Malú Garcia conta com um percurso admirável na música clássica, tendo iniciado os seus estudos musicais aos 6 anos de idade na Academia de Música de Santa Cecília, em Lisboa. Participou em diversas masterclasses com professores em Portugal, Inglaterra, Alemanha, País de Gales e Espanha. Em 2013, foi selecionada para a Jovem Orquestra Portuguesa (JOP). Um ano mais tarde foi selecionada para integrar na Young Franco-German-Hungarian Philharmonics com o maestro Nicolaus Richter, onde tocaram obras de Richard Strauss e Richard Wagner na grande sala Franz-List-Music-Academy em Budapeste.

Em Junho de 2015, terminou a sua licenciatura na Universidade de Évora em Música, ramo do violino com o professor Valentin Stefanov. Entre 2016 e 2018, foi bolseira pela Royal Welsh College of Music and Drama (Cardiff, Reino Unido) onde tirou uma Pós-Graduação em Performance (Violino). No Reino Unido, foi selecionada para fazer parte do ensemble “String Soloists” onde trabalhou com maestros como Valery Gergiev. Em 2018, fez parte do Projeto Ibérico Orquestral onde trabalhou em parceria com os músicos da Orquestra Sinfónica de Castilla y León (Espanha). Neste mesmo ano ganhou o prémio de Menção Honrosa no Festival Verão Clássico, onde participou com o Trio Presságio.

Em Setembro de 2018, foi selecionada para fazer parte da Neue Philharmonie München onde realizou concertos pela Alemanha.

Em 2020 criou o seu próprio projeto, de nome Malú Garcia onde inclui composições originais que partilham estilos entre o jazz, fado e world music. Atualmente é professora de violino na Academia de Música de Santa Cecília e no Conservatório de Música e Dança de Lisboa. Colabora regularmente com a Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, Orquestra de Câmara Portuguesa, Sintra Estúdio de Ópera, Orquestra Sem Fronteiras.  

Malú Garcia encontra-se a preparar o seu álbum de estreia previsto para 2022. Ainda este ano vai lançar o single “Dois Mundos”. 

 

Atuação de Nubrada em Torres Vedras no âmbito da iniciativa "Tocata"

tocata-nubrada_w720.jpg

 

A primeira atuação no âmbito da “Tocata”, iniciativa por meio da qual se proporcionará fins de tarde musicais no Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras, acontecerá no próximo dia 11 de setembro, pelas 18h30, e será levada a cabo pelo projeto Nubrada.

De referir que Nubrada é um projeto de música eletrónica, tribal e étnica de João Bandarra e Pedro Artur. As suas influências centram-se sobretudo na música e nas tradições do Nordeste de Portugal, apresentando poemas originais falados e cantados em língua mirandesa e algumas nuances de sons africanos e sul-americanos.

As entradas para se assistir à referida atuação são gratuitas.

Refira-se que a iniciativa “Tocata” visa a difusão e valorização de projetos musicais portugueses com forte conexão à cultura portuguesa e internacional. Estes fins de tarde musicais pretendem incentivar o regresso do público a eventos, numa altura em que a cultura foi fortemente abalada pela Covid-19.

Pretende-se também com a iniciativa “Tocata” dinamizar o anfiteatro ao ar livre do Centro de Artes e Criatividade (CAC) de Torres Vedras e a Foliateca (cafetaria do CAC), tornando-o num espaço convidativo e familiar para toda a comunidade. É uma iniciativa destinada a toda a população que queira usufruir de um momento relaxante e de descontração. 

Mercado oitocentista em Torres Vedras no âmbito do festival "Novas Invasões"

 

transferir - 2021-08-28T175144.252.jpg

 

No âmbito da quarta edição do festival Novas Invasões, Torres Vedras vai acolher mais um mercado oitocentista, o qual terá lugar no Largo de Wellington, no Largo de São Pedro e na Rua Almirante Gago Coutinho, entre os dias 2 e 5 de setembro.

Sendo que o festival Novas Invasões é um evento que tem como ponto de partida a evocação da resistência à terceira invasão francesa a Portugal e a construção das Linhas de Torres, o referido mercado expressará a atividade humana na região de Torres Vedras no início do século XIX, rica em vivências e costumes.

Este mercado será recriado por companhias e grupos de teatro profissionais, associações e grupos de recriação histórica, figurantes e operadores locais. No todo, e em conjunto, serão apresentados vários quadros cénicos, constituindo um único espetáculo, permitindo ao público emergir na recriação de uma época.

De referir que vários dos quadros cénicos a apresentar recriarão vivências relacionadas diretamente com a terceira invasão francesa (“Hospital de campanha”, “Guerrilha da terra queimada”, “Vidas do tempo das invasões”, “Bartolomeu Erudito”, “Le cache and seek”, “Mulher do boi” e “Camponês”). Serão ainda apresentados outros quadros cénicos, relativos a vivências quotidianas da região de Torres Vedras no início do século XIX (“Ofícios à época”, “Exposição de animais”, “A vida na taberna” e “Agapito e Ubaldina”).

O mercado oitocentista funcionará nos dias 2 e 3 de setembro das 18h00 às 21h00 e nos dias 4 e 5 de setembro das 15h00 às 21h00.

Tendo em conta o atual contexto pandémico não haverá oferta gastronómica no mercado oitocentista, estando, no entanto, disponíveis menus de gastronomia oitocentista em oito restaurantes do concelho de Torres Vedras (A Colmeia, restaurante do Hotel Golf Mar, Mezza, Moinho do Paúl, O Beirão, O Patanisca, O Tacho e Roots).

Mais informação sobre o festival Novas Invasões pode ser consultada no site do evento.

 
Agenda

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Hospital de Campanha

Faz já quase 3 anos que sofremos com as constantes investidas do exército francês, a resistência aumenta mas com isso aumentam também as baixas de guerra, os recursos escasseiam e os hospitais de Abrantes e Lisboa para além de longe encontram-se sobrelotados. É urgente a prestação de (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Ofícios à época

O Mercado Oitocentista acolherá a recriação de ofícios da época, ricos em cenografia, figurinos e instrumentos típicos de áreas tão distintas como a forja, a fundição, a cozinha, a moagem, os têxteis e a tinturaria, responsáveis pela criação de micro narrativas, inspiradoras de um (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Exposição de animais

A exposição de animais proporcionará momentos de empatia e diversão junto do público. (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

A vida na taberna

O taberneiro entra e abre as portas para arejar as emoções vividas na última noite de copos. A filha do taberneiro que para ajudar o negócio do pai desde a morte da sua mãe, lava o chão e também serve às mesas na hora das refeições. Jovem e inocente mas com todas as suas qualidades de (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Guerrilha da Terra Queimada

Tomadas por um espírito de patriotismo e sobrevivência, as gentes do campo juntam-se para combater o invasor francês, formando grupos de guerrilha para atacar e sabotar as operações inimigas. Para que os franceses não tenham que comer nem onde pernoitar, segue-se uma política de terra (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Vidas do tempo das Invasões

No período das Invasões Francesas haviam diferentes formas de sentir a guerra. Para dar a conhecer esta diversidade foram criadas várias personagens inspiradas nos relatos e memórias da história. Um desfile de personagens irá representar vários papéis, ressalvando a sua importância na (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Agapito e Ubaldina

Agapito e Ubaldina são uma dupla de mercantes e tratantes. Com a sua banca recheada de frutas e legumes, manuseiam os seus produtos com jogos de malabarismo.  Cheios de graça e virtude interagem com o público, proporcionando a este momentos de extrema alegria e boa disposição. (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Bartolomeu Erudito

Bartolomeu Erudito foi capitão português nas batalhas da Roliça e do Vimeiro. Nesta última sofreu uma lesão que o incapacita para a guerra e dedica-se agora a distribuir informação. Traz consigo jornais e panfletos que lê e traduz (quando estrangeiros), conta histórias caricatas da guerra (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Le Cache And Seek

O esconde-esconde é um jogo de crianças, mas será que pode ser jogado por adultos? Pode e deve! Especialmente em tempo de guerra, quando qualquer buraco é uma trincheira e um soldado francês se perde atrás das linhas inimigas. (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Mulher do Boi

É uma mulher que vive aprisionada no mundo do seu quarto pois ao perder tudo nesta invasão dos franceses, desenvolve uma esquizofrenia provocada pelas inúmeras más experiências que sofreu. Agora, nas suas alucinações,  procura o que lhe é mais querido, o seu boi.  Por vezes, em certos (...)

Saber Mais

 

02 setembro 2021 a 05 setembro 2021 | quinta

Camponês

Um homem solitário e transtornado pelos traumas provocados pelas invasões, desenvolve problemas mentais que o levam a encarnar reconhecidas figuras de 1810. As histórias e a postura da personagem serão tão absurdas que provocarão momentos humorísticos. (...)

Saber Mais

Festival Novas Invasões: Mundo dos sonhos no Parque do Choupal

transferir (2).jpg

 

O festival Novas Invasões começou esta quinta-feira, 2 de setembro, em Torres Vedras. O centro histórico e o Parque do Choupal servem de cenário ao evento, que estabelece a ligação entre o contemporâneo e o período das Invasões Francesas.  

Um dos espetáculos em destaque na primeira noite foi Dreamworld. A performance, da companhia alemã Theater Titanick, foi criada de raiz para o evento, tendo como inspiração a cidade de Torres Vedras e a sua história.

Música, dança, teatro físico, projeção de vídeo e declamação de poesia, acompanhados de adereços e cenários originais, criam os 19 quadros vivos que compõem a performance. Este projeto resulta da cooperação entre o Theater Titanick e agentes culturais locais.

Com início na Praça Dr. Alberto Manuel Avelino, Dreamworld proporciona ao público uma experiência imersiva pelo Parque do Choupal. A performance, dividida em cenas curtas, tem como inspiração os elementos que caracterizam o território - o mar próximo, uma rica base agrícola, o vento na serra e o fogo que antigamente servia para derreter o cobre.

Na criação deste espetáculo único, os diretores da companhia, Clair Howells e Uwe Koehler, que já haviam apresentado um espetáculo na edição de 2019, foram desafiados a descobrir o território durante uma semana de residência artística. “Ficou rapidamente claro para nós que não queríamos ficar no passado e na história”, disseram. Dreamworld assume-se, por isso, como uma performance que começa no passado e vislumbra o futuro.

Esta sexta-feira, tem início o Festival de Cinema Documental Máscaras e Mascarados, no Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras. Organizado pela Câmara Municipal de Torres Vedras e a Associação Progestur, com direção artística da “The Makkina”, o evento pretende promover e divulgar o cinema de autor, etnográfico e académico, com filmes sobre os rituais das máscaras, que ainda hoje fazem parte das identidades de comunidades urbanas e rurais.

NOVAS INVASÕES: HISTÓRIA E CONTEMPORANEIDADE EM TORRES VEDRAS

transferir - 2021-08-24T095253.833.jpg

 

Torres Vedras prepara-se para acolher a quarta edição do Novas Invasões entre os dias 2 e 5 de setembro. O festival evoca a época das Guerras Peninsulares e da construção das Linhas de Torres Vedras, ao mesmo tempo que apresenta uma vasta programação contemporânea em vários pontos da Cidade. O evento foi apresentado na manhã desta segunda-feira, 23 de agosto, no Parque do Choupal, um dos locais onde se irá desenrolar a programação do evento.

“Torres Vedras desempenhou um papel muitíssimo importante na defesa do nosso território durante esse período” afirmou a presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Laura Rodrigues, recordando que o ponto de partida do Novas Invasões remonta ao século XIX mas que o festival “faz a ligação entre a nossa história e a contemporaneidade”.

Este ano, o Novas Invasões continua a ter entrada gratuita, sendo necessário, no entanto, apresentar bilhete. O evento terá capacitada limitada e estará dividido em vários recintos, numa edição adaptada aos tempos de pandemia que ainda se vivem.

“A realização desta quarta edição do festival Novas Invasões é, em si, um gesto de resistência e de afirmação do papel insubstituível das artes e da cultura na vida das pessoas e das comunidades” realçou a vereadora da Cultura da Câmara Municipal, Ana Umbelino, enfatizando a importância da realização do evento “nesta fase de transição que estamos a viver.”

Segundo Ana Umbelino, “este festival, à semelhança do que sucedeu nas edições anteriores, toma o espaço público como palco”, com o evento a dividir-se entre o Parque do Choupal, a Praça Alberto Avelino, o Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras, o Mercado Oitocentista, o Convento de Nossa Senhora da Graça e a Tenda Pedagógica.

Além das recriações históricas e da programação contemporânea, o programa do Novas Invasões inclui a primeira edição do Festival de Cinema Documental Máscaras e Mascarados, nos dias 3 e 4 de setembro, no Centro de Artes e Criatividade.

 

O festival e a comunidade

O diretor artístico do festival, João Garcia Miguel, destacou o espetáculo que será apresentado pela companhia alemã Theater Titanick. Trata-se de um espetáculo único que resulta do trabalho desenvolvido com as organizações culturais e criativas do Concelho e que será apresentado ao longo das quatro noites do evento, permitindo uma gestão eficaz do fluxo de espectadores.

João Garcia Miguel realçou, ainda, o envolvimento de cinco associações locais, que irão apresentar espetáculos no âmbito da programação contemporânea do Novas Invasões.

Com o objetivo de promover o envolvimento da comunidade, o Novas Invasões conta, ainda, com um programa de voluntariado, que já contabiliza 30 inscrições.

De forma a colmatar a ausência de gastronomia no Mercado Oitocentista, os visitantes poderão provar menus de época nos oito restaurantes aderentes. A experiência pode, ainda, ser enriquecida junto do comércio tradicional, que irá proporcionar descontos nos seus produtos e serviços.

Os bilhetes para o Novas Invasões estarão disponíveis online, nos Postos de Turismo de Torres Vedras (Paços do Concelho e Praça da República) e de Santa Cruz, no Museu Municipal Leonel Trindade e no Centro de Artes e Criatividade. Os bilhetes de acesso ao Mercado Oitocentista são distribuídos à entrada do recinto, enquanto a participação nas atividades da Tenda Pedagógica não requer bilhete.

Espetáculo "Dreamworld" da companhia Theater Titanick em Torres Vedras

transferir - 2021-08-28T111713.706.jpg

Integrado no festival Novas Invasões, vai ser apresentada nos dias 2, 3, 4 e 5 de setembro, na Praça Dr. Alberto Avelino e no Parque do Choupal, em Torres Vedras, a performance Dreamworld.

Trata-se de um espetáculo encomendado propositadamente para o referido festival à companhia alemã Theater Titanick, tendo como inspiração a cidade de Torres Vedras e a sua história. Para a criação deste espetáculo os diretores daquela companhia, Clair Howells e Uwe Koehler, passaram, em maio, uma semana de residência artística em Torres Vedras, procurando descobrir a cidade e seus arredores. Durante essa residência, estes criadores ficaram impressionados com a forte ligação com os elementos - a água, com o mar próximo; a terra, relacionada com uma rica base agrícola; o vento na serra; e o fogo que antigamente servia para derreter o cobre.

O espetáculo Dreamworld utiliza uma série de imagens que começam a ser exibidas na Praça Dr. Alberto Avelino e seguem até ao parque do Choupal. As cenas são curtas e serão repetidas em loops para que o público se possa movimentar pelos caminhos em pequenos grupos. Vindo da Praça Dr. Alberto Avelino, ainda antes de chegar à ponte que faz a ligação ao Choupal, o público deparar-se-á com uma imponente esfera - o Globo. E ao chegar ao Choupal vislumbrará um cenário peculiar: criaturas da terra que se arrastam de debaixo do solo e descobrem o mundo; uma senhora de branco que desliza sobre a relva cantando uma canção de esperança; bailarinos que dançam por entre as sombras das árvores, levados ao frenesi por um vento forte; nas velas de alguns moinhos, imagens de Torres Vedras e dos seus arredores que são projetadas na encosta de uma colina; um coro que canta num leito de espuma; e um poeta que, sentado numa árvore, recita poemas.

Dreamworld é uma performance que começa no passado e vislumbra o futuro, questionando como desejamos coexistir. O passado, dominado por guerras e invasões, será retratado por soldados que marcham numa procissão eterna. O presente e o futuro estão ligados aos elementos - terra, vento, água e fogo.

De referir que este projeto resulta de uma cooperação intensa entre o Theater Titanick e agentes culturais locais de Torres Vedras.

Depois da sua estreia em Torres Vedras com Sonnambulo, em 2019, o Theater Titanick regressa agora a esta cidade com Dreamworld, espetáculo que se constitui como uma declaração de amor à mesma.

Esta performance é recomendada para todas as idades e terá início pelas 21h30 (à exceção do dia 5 de setembro, em que se iniciará pelas 20h30).