Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Exposição de pintura "Serendipidade" de Edite Melo na Galeria Municipal de Torres Vedras

descarregar (6).jpg

Serendipidade é o título de uma exposição de pintura da autoria de Edite Melo, que estará patente na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras, entre os dias 25 de junho e 13 de agosto.

Será uma exposição que apelará às sensações e à imaginação intuitiva da interpretação dos sinais criados pela geometria abstrata das dinâmicas de luz e cores, e que levará a uma aventura de descoberta do encanto do desconhecido. Uma mostra em que a arte e a sua serendipidade provocam uma permanente descoberta dos sentidos.

A exposição Serendipidade será inaugurada no dia 25 de junho, pelas 17h00.

De referir que Edite Melo nasceu em Torres Vedras, em 1947. Vive e trabalha entre Lisboa e Torres Vedras, onde tem o seu ateliê.

Formou-se em Organização e Gestão de Empresas, mas desde cedo, e paralelamente ao seu percurso profissional, dedicou-se à pintura, explorando vários materiais e técnicas.

Expõe regularmente, individual e coletivamente, desde 1987. A sua obra integra diversas coleções particulares e está representada em várias instituições em Portugal e no estrangeiro.

Em 2001 iniciou uma nova fase na sua pintura, encontrando no abstrato a sua verdadeira forma de expressão, sendo que nesse registo expressa com liberdade os seus sentimentos, num estilo muito próprio.

Este processo foi evoluindo, mas a essência da sua arte, a metamorfose do "eu" representada com a visão da abstração lírica, mantém-se intacta.

A pintura de Edite Melo tem sido, de resto, fonte de inspiração para a poetisa São Gonçalves, com quem publicou os livros A Alma da Cor (em 2013) e Artes em Diálogo (em 2019), nos quais a pintura e a poesia se apresentam numa simbiose perfeita.

Ciclo "Café com Filmes" - 2.º trimestre de 2022

 

O ciclo “Café com Filmes”, produzido pela Câmara Municipal de Torres Vedras em parceria com o Académico de Torres Vedras, prossegue.

Recorde-se que este ciclo parte da tradição de Torres Vedras na área do cinema, nomeadamente de um passado cineclubista. É objetivo da iniciativa dinamizar um conjunto de atividades à volta do mundo do cinema e vídeo, sobretudo mediante a exibição de filmes que contribuam para a formação de olhares sobre o mundo e a sociedade, para a descodificação da linguagem e para a formação de novos públicos.

As próximas sessões a realizar no âmbito do ciclo “Café com Filmes” acontecerão no Teatro-Cine de Torres Vedras. Nelas será exibido: o documentário O movimento das coisas, de Manuela Serra (13/4, 21h00); o documentário Avenida Almirante Reis em três andamentos, de Renata Sancho (28/4, 21h00); o filme France, de Bruno Dumont (12/5, 21h00); o documentário Douce France, de Geoffrey Couanon (26/5, 21h00); o filme Céus do Líbano, de Chloé Mazlo (9/6, 21h00), e As aventuras do príncipe Achmed, de Lotte Reiniger (24/6, 21h45).

A participação nas sessões do ciclo “Café com Filmes” são gratuitas.

Mais informação sobre o ciclo “Café com Filmes” pode ser obtida na área de agenda do site da Câmara Municipal de Torres Vedras ou no Facebook da iniciativa.

 


O movimento das coisas

Sinopse: O primeiro e único filme de Manuela Serra, estreado 30 anos depois. Histórias de quotidiano e de silêncio. Em caminhos desertos de vento inquietante numa aldeia do Norte. Há um dia de trabalho atravessado por três famílias: quatro velhas, o campo, o pão, as galinhas, e, a lembrar-nos, clareiras de histórias velhíssimas de gestos saboreados em mineralógicas palavras.

Uma família de dez filhos numa quinta mergulha na largueza do tempo, no gesto todo do trabalho, o pai corta uma árvore. Mais longe, a água do rio habitado por gente, numa barca, o sol, e o largo da aldeia, a ponte em construção, a varanda, a refeição, a densidade e o misticismo ao domingo, a missa e a feira: ritualizada ao sábado. Nestes fragmentos de cenário, move-se Isabel, também, com os olhos postos no futuro, para lá dos outros em que o sentido da vida é apenas viver. O tempo atravessa o nascer e o pôr-do-sol. É um respirar a vida, usando o campo como meio numa aldeia do Norte, de gestos antiquíssimos e pousados. (The Stone and Plot)

Com a participação do Povo de Lanheses. | Título do Projeto Original: Mulheres em Portugal

Portugal, 1985

Realização: Manuela Serra
Género: Documentário 
Duração: 88 min

 

 

Avenida Almirante Reis em três andamentos

Sinopse: Avenida Almirante Reis em três andamentos documenta esta grande artéria da cidade de Lisboa. Elaboramos um mapeamento, ao longo do séc. XX, circunscrito à memória do espaço da avenida e às vivências que ali ocorreram e ocorrem. A avenida Almirante Reis poderia funcionar como uma máquina do tempo. Subimos e descemos a avenida através de imagens de arquivo recuando à sua abertura em 1908 e às grandes enchentes dos comícios republicanos. Assistimos ao 1.º de maio de 1974. Entre 2016 e 2018 registamos a atualidade na avenida acompanhando o quotidiano dos que nela trabalham e habitam.

Após a exibição do filme terá lugar uma conversa com a realizadora.

Portugal, 2018

Realização: Renata Sancho
Género: Documentário 
Duração: 66 min

france-2.jpg


France

Sinopse: Um dos filmes sensação da Seleção Oficial em Competição do Festival de Cannes, France oscila entre a sátira política, a crítica aos media e o melodrama, apresentando-nos o retrato de uma jornalista, de um país e dos seus meios de comunicação. France de Meurs - cujo nome não foi escolhido ao acaso - é uma célebre jornalista que se desdobra entre a televisão, uma guerra distante e o frenesim da sua vida familiar. Após um acidente de viação, do qual resulta um ferido, France vê o seu mundo abalado e tenta refazer a vida de forma anónima, mas a fama dificulta-lhe a prossecução desse plano. Bruno Dumont tece uma crítica mordaz ao meio jornalístico, no seio do qual tudo parece fielmente apresentado, mas onde o real é, na verdade, encenado e reconstruído, constituindo-se como o resultado de uma sociedade do espetáculo e do sensacionalismo, na qual o imediato assume o papel principal.

“Uma obra prima espectral e deslumbrante, talhada à medida, com uma delicadeza de ourives, sobre a imbecilidade nas redes, o cinismo das elites e as injustiças gritantes que fazem parte do nosso quotidiano.” Le Monde

“Uma tragicomédia contemporânea sobre a máquina mediática cada vez mais descontrolada nos canais de informação contínua. […] France é o reflexo da nossa alienação e de um real esquecido, desmoronando-se sobre a sua própria reprodutibilidade." Cahiers du Cinéma

Festival de Cannes - Seleção Oficial em Competição

TIFF Toronto International Film Festival - Special Presentations

França | Alemanha | Itália | Bélgica, 2021

Realização: Bruno Dumont
Género: Comédia, Drama 
Duração: 134 min

 

 

Douce France

Sinopse: Amina, Sami e Jennyfer são estudantes de liceu nos subúrbios de Paris. Juntamente com a sua turma envolvem-se numa investigação inesperada a um projeto para um enorme complexo comercial – EuropaCity, que implica a urbanização de uma área de cultivo perto das suas casas. Mas, quando se tem 17 anos, ter-se-á capacidade de agir no seu próprio território? Divertidos e intrépidos, estes jovens cidadãos levam-nos a conhecer os habitantes locais, promotores imobiliários, agricultores e até deputados eleitos da Assembleia Nacional. Uma busca encantadora que questiona ideias pré-concebidas e faz reviver a nossa ligação à terra!

Vencedor do Grande Prémio Ambiente / Competição Internacional Longas-Metragens no Cine Eco - Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela

França, 2020

Realização: Geoffrey Couanon
Género: Documentário
Duração: 1h35 min

 

 

ceus-do-libano-2.jpg

 

Céus do Líbano

Sinopse: Céus do Líbano marca a estreia de Chloé Mazlo na realização de longas-metragens, tendo integrado a Semana da Crítica do Festival de Cannes. Esta é a história de Alice, uma mulher que abandona a Suíça para ir trabalhar no Líbano, onde se apaixona por Joseph, um jovem astrofísico, com o qual casa e tem uma filha, Mona. Anos mais tarde, em 1975, com o despoletar da guerra civil do Líbano e a escalada de violência, a família vê-se confrontada com dúvidas sobre permanecer ou abandonar o local de residência, o que origina uma série de desentendimentos no seio do próprio casal, ameaçando a sua estabilidade familiar. Chloé Mazlo oferece-nos uma visão poética sobre os impactos de um cenário de guerra na estrutura familiar e na esfera da vida pessoal.

"A originalidade do filme alicerça-se na singularidade das imagens animadas que descobrimos à volta de um plano.” Le Monde

“A realizadora extrai da impossibilidade de um relato racional uma admirável força evocativa, mostrando-nos que por vezes o imaginário pode suprir a História de forma eficaz.” Positif

Festival de Cannes - Semana da Crítica

França, 2020

Realização: Chloé Mazlo
Género: Drama
Duração: 1h30min




As aventuras do príncipe Achmed (sessão musicada ao vivo, ao ar livre)

Sinopse: Um feiticeiro maligno engana o Príncipe Achmed, convencendo-o a cavalgar num cavalo alado. O Príncipe percebe ser capaz de conduzir o cavalo que o leva por diversas aventuras, até que acaba por se apaixonar pela linda princesa Peri Banu. As Aventuras do Príncipe Achmed, de Lotte Reiniger, é considerado a primeira longa metragem de animação europeia. O filme é um jogo simples de luzes e sombras, um conceito que surgiu e foi muito popular na China, de onde são oriundas as famosas caixas de sombras. As figuras do filme, repleto de batalhas, comédia, romance, magia e confrontos com pequenos demónios, foram recortadas e manipuladas à luz de câmara pela realizadora.

"Uma obra-prima! Ela nasceu com mãos mágicas." Jean Renoir

Musicado ao vivo por Sérgio Costa e Jorri

Alemanha, 1926

Realização: Lotte Reiniger
Género: Animação/Fantasia
Duração: 65min

“Torres Vedras – Cidade dos Livros”

 

Torres Vedras irá voltar a transformar-se em “Cidade dos Livros” entre os dias 21 de abril e 22 de maio. Contações, encontros com escritores, colóquios, performances e exposições são algumas das atividades que dão forma à 5.ª edição do programa , que foi apresentada esta segunda-feira, 18 de abril, na Biblioteca Municipal de Torres Vedras.

Destacando que o programa irá “levar o livro e a leitura a públicos de diversas idades, de diversos estratos sociais e com diversos níveis de escolaridade”, a presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Laura Rodrigues, espera que esta edição seja amplamente participada e defende que “os livros não devem estar confinados às bibliotecas”.

Também a vereadora da Cultura, Ana Umbelino, referiu que “a intenção é tornar a Cidade num espaço de encontro entre os cidadãos, tendo o livro, a leitura e a sua relação com outras linguagens como alavanca.” Mencionando uma “lógica de descentralização” que promova a participação cultural em todo o território, Ana Umbelino destacou que a programação contempla as localidades de Silveira, Ramalhal, Matacães e Maceira.

ESPETÁCULO DE DANÇA INCLUSIVA VAI SER APRESENTADO NO TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS

descarregar (1).jpg

Um espetáculo de Dança Inclusiva, interpretado por utentes da APECI (Associação para a Educação de Crianças Inadaptadas de Torres Vedras) e alunos da Performact, vai ser apresentado no palco do Teatro-Cine de Torres Vedras, no próximo dia 15 de maio, pelas 16h30.

Trata-se de Eminente, uma criação de Eliana Campos e Gonçalo Lobato, a qual incide sobre as várias formas de diferentes corpos sentirem, serem e criarem o “invisível”, atentos ao despercebido num quotidiano tão distraído. A presença de emoções, de ações, de gestos, de movimentos, de texto, de músicas, de sons e do silêncio, são ferramentas e fios condutores constantes ao longo desta peça, que suportam os vários momentos da mesma e nos confrontam com a nossa própria existência, procurando ressalvar valores humanos e artísticos imprescindíveis e eminentes à/da nossa essência.

As entradas para se assistir ao espetáculo Eminente no Teatro-Cine de Torres Vedras são gratuitas.

 

 

Ficha Técnica

 

Conceito: Eliana Campos

Criação: Eliana Campos e Gonçalo Lobato

Interpretação: utentes da APECI e alunos da Performact

Composição Musical: Eliana Campos e Gonçalo Lobato

Texto: Eliana Campos

Voz: Niki Paterianaki

Desenho de Luz: Eliana Campos e Gonçalo Lobato

Figurinos: Eliana Campos, Gonçalo Lobato e APECI

Cenário: Eliana Campos e Gonçalo Lobato

"GANGARILHA" ESTÁ A PERCORRER O CONCELHO DE TORRES VEDRAS

descarregar.jpg

O teatro de rua Gangarilha está em itinerância pelo concelho de Torres Vedras.

Produzido pelo Teatro Invisível, conta com a participação dos atores Pedro Giestas, Marília Martins, Soraia Sousa, Nuno Bettencourt, Sandra José, Moncho Rodriguez e Vasco Valente. Conta ainda com a participação especial de Alice Giestas, Raquel Silva, Meiline e Constança Cancela.

A primeira apresentação de Gangarilha aconteceu no dia 23 de abril nos Campelos, sendo que as próximas apresentações deste teatro de rua terão lugar: nos Arneiros (a partir das novas instalações da Adega Cooperativa da Ventosa), no dia 14 de maio; em A dos Cunhados (a partir dos Jardins do Alcabrichel e do Salão do Monte Pio), no dia 15 de maio; na Freiria (a partir do adro da Igreja de São Lucas e da sede do Freiria Sport Clube), no dia 21 de maio; nas Carreiras (a partir da sede da associação dramática e recreativa local), no dia 22 de maio; no Varatojo (a partir do largo do convento), no dia 28 de maio; na Cadriceira (a partir do parque de merendas), no dia 29 de maio; em S. Pedro da Cadeira (a partir do Parque Verde Nossa Senhora da Nazaré), no dia 4 de junho; na Silveira (a partir do Largo da Comissão de Festas), no dia 11 de junho; na Ponte do Rol (a partir do parque verde da localidade), no dia 16 de junho; e no Ramalhal (a partir do Largo 1.º de Maio), no dia 18 de junho.

O programa do teatro de rua Gangarilha é o seguinte:

 

11h00 | 1.º Momento | A chegada - A reunião com as gentes da terra

14h00 | 2.º Momento | A Gangarilha instala-se - Sob o olhar curioso e com a ajuda dos mais jovens e já ao som de uma voz e uma guitarra os saltimbancos montam a biblioteca e começam a partilhar estórias, incentivando todos a contar

17h00 | 3.º Momento | O cortejo - Os saltimbancos acompanhados por um grupo de músicos da terra, formam uma banda e percorrem as ruas da aldeia, com grande alarido, convocando para que, acompanhados de alforges carregados de víveres, todos se encaminhem para o terreno

19h00 | 4.º Momento | Teatro - Uma peça de teatro será apresentada com o cair da noite

20h00 | 5.º Momento | A ceia - Momento gastronómico de comunhão

22h00 | 6.º Momento | Cinema ao ar livre

22h00 | 7.º Momento | O Fogo - "ao ritmo do crepitar das chamas, atendemos as almas e alimentamos os seus sonhos e desejos e misturamos tudo, música, estórias, comida, poesia e gargalhadas, até ao canto da cotovia".

 

“Vão três ou quatro homens, um que sabe tocar e um rapaz que faz a dama. Fazem o auto da Ovelha Perdida e dois entremezes de bobo, têm barba e cabeleira, pedem saia e touca espreitadas, por vezes, esquecem-se de as devolver. Cobram a quatro, pedaço de pão, ovo, sardinha e toda a espécie de bagatelas. Quando podem, comem assado e o seu trago de vinho. Dormem no chão, representam em qualquer eira e andam sempre de braços cruzados, porque nunca lhes cai capa sobre os ombros”

1º Aniversário Centro de Artes e Criatividade de Torres Vedras

descarregar (3).jpg

Jantar comunitário e música com os Ahkorda vão animar a noite de sábado no anfiteatro do Centro de Artes e Criatividade, uma festa aberta a todos. Venha comemorar connosco!

O Centro de Artes e Criatividade (CAC) de Torres Vedras comemora o seu primeiro ano. O futuro que tem pela frente baseia-se no cruzamento entre as artes, ciências e tecnologia que de alguma forma atravessam os nossos mundos interiores. Pretendemos continuar a explorar as manifestações do sentir, da criatividade e das entidades culturais e históricas, neste caso ligados ao património do concelho de Torres Vedras, incluindo sempre o Carnaval, mas também todas as manifestações e todos os patrimónios que aí poderão estar e toda outra contemporaneidade a que poderá estar ligada. 

O CAC pretende, assim e com a criação de parcerias com a comunidade, instituições exteriores, agentes e artistas tanto locais como nacionais e internacionais, desenvolver o conceito de um cidadão construtivo e criativo, que de alguma maneira utilizando aquilo que são os nossos bens comuns, as nossas existências, os nossos patrimónios comuns, possa vir trabalhar para um futuro mais inclusivo, mais integrado, onde de alguma maneira o ambiente, as artes, a criatividade, as pessoas sejam o centro desse desenvolvimento, desse futuro. 

Neste sentido, pensámos numa celebração do nosso aniversário que irá atravessar dois fins-de-semana. Uma forma extensiva que irá permitir abrir o espaço de uma forma gratuita, entre os dias 26 de abril a 8 de maio, onde as pessoas poderão usufruir das nossas instalações como também da exposição permanente, mais ligada ao Carnaval, como da exposição temporária ligada a um conjunto de artistas emergentes portugueses e franceses com um cariz mais global. 

Esta é a nossa oferta: começando com o Dia Mundial da Dança, dia 29 de abril, com uma apresentação dos alunos da escola de dança Ilú, passando pela poesia com a final do Poetry Slam Torres Vedras. Vamos ao teatro com a peça King Lear, de William Shakespeare; e trazemos música e baile com os Ahkorda. Por fim, o acender das velas e a partilha de um bolo de aniversário com jantar aberto à comunidade, convidando todos os que estão próximos e todos aqueles que se queiram envolver nesta celebração de um Centro de Artes que é aberto aos cruzamentos, à diversidade e ao futuro. 

PERFORMACT VOLTA A APRESENTAR TRABALHOS NO PALCO DO TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS

descarregar (14).jpg

O Teatro-Cine de Torres Vedras acolhe no próximo dia 26 de abril, pelas 21h30, mais um ciclo de performances que serão apresentadas pela Performact.

Ecléctrica é o nome dessa apresentação, o mesmo que a Performact deu a espetáculos com igual objetivo realizados anteriormente, também no Teatro-Cine de Torres Vedras. Mas mais que uma simples mostra, Ecléctrica procura ser uma partilha, uma forma de energizar uma noite que traz ao palco do Teatro-Cine de Torres Vedras um pouco das várias realidades geradas por professores convidados e alunos no contexto do curso intensivo de intérprete de dança contemporânea da Performact.

De referir que esta entidade foi fundada em 2016, fruto de uma colaboração entre a Ilú Associação Dança-Teatro de Intervenção Urbana e a sua associação parceira Untamed Productions, sendo que procura formar bailarinos a um nível profissional com um rigoroso plano de ensino orientado para a área da performance no campo da dança contemporânea. A Performact faculta aos estudantes não só a oportunidade de trabalhar as suas próprias capacidades físicas e intelectuais com vários profissionais de renome nacional e internacional, mas também fornece conhecimentos complementares de produção, o que é essencial na formação de um intérprete e na sua perceção daquilo que é um espaço cénico e performativo.

As entradas para se assistir ao espetáculo Eclétrica no Teatro-Cine de Torres Vedras são gratuitas.

 

Programa comemorativo do Município de Torres Vedras do 48.º aniversário do 25 de Abril

descarregar (11).jpg

O Município de Torres Vedras comemora o 48.º aniversário da “Revolução dos Cravos” com um programa de atividades que se realizarão ao longo do próximo dia 25 de Abril:

 

11h00 | Sessão Solene Comemorativa do 48.º Aniversário do 25 de Abril | Salão Paroquial de São Pedro da Cadeira

Sessão que irá contar com as intervenções do presidente da Junta de Freguesia de São Pedro da Cadeira, dos representantes dos partidos e do movimento de cidadãos com assento na Assembleia Municipal de Torres Vedras, da presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras e do presidente da Assembleia Municipal de Torres Vedras.

descarregar (12).jpg

15h00 | Inauguração do Centro Interpretativo da Reserva Natural Local - Foz Azul | Espaço do antigo posto da Guarda Fiscal da Assenta

 

17h00 | Inauguração da exposição coletiva Salada (da autoria de Mariana Gomes, Pedro Valdez Cardoso e Rui Horta Pereira) | Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras

Esta exposição, pensada a três e para a Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras, foi batizada de Salada. Não obstante o inusitado do título, congruentemente, os artistas que conceberam a exposição convidaram um chef para escrever sobre a mesma. Para aguçar a curiosidade, ou o apetite, aqui fica um excerto do que Rodolfo Lindeberg escreveu, em carta, aos artistas: “…No vosso caso, ao contrário do Lucien que se fechava numa sala para finalizar e “requintar” a sua produção, é de uma sala aberta que aqui se trata, sala aberta que convida o público. Pergunto:  têm segredos para desvendar ou compor? Quer-me parecer que estão secos de mistério, se não têm nada a dizer, quem sou eu para me aventurar por resvalantes considerações estéticas, quase maionesicas. Tenho cenouras para descascar, algumas batatas, contar as ervilhas, juntar pepinos, alcaparras etc., etc., cortar tudo com 5 milímetros quadrados - será que isto vos diz alguma coisa - apelar aos deuses e credos para que o molho que faço, secreto obviamente, corresponda sem mácula ao do meu mestre Lucien. Portanto, tem cópias ou originais? tem esculturas verdadeiras ou falsas, tem o quotidiano disfarçado e camuflado... tem pedestais ou estantes... tem objetos instalados pelo chão ou pinturas na parede... que vão os-meus-amigos fazer exatamente?!, não saber é como não degustar. Não há molho que valha à salada! Bem hajam.”

A exposição Salada estará patente na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras até 18 de Junho.

18h00 | Inauguração da exposição 48 anos de cartazes e outras inspirações do 25 de Abril (a partir da coleção do Arquivo Ephemera) | Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras

"Nos 48 anos de 25 de Abril, a data em que o tempo da democracia ultrapassa o da ditadura, o golpe militar seguido de uma revolução tornou-se um daqueles momentos raros na história em que há um “antes” e um “depois”. Nestes 48 anos, a comemoração da data tornou-se uma festa democrática, que, como é normal numa democracia, é também um momento de avaliar o que se conseguiu e o que se deveria ter conseguido, combinando festa com reivindicações e protestos.

As marcas dessa data ficam na iconografia, nos cartazes, nas fotografias, nos panfletos, nos objectos, que o ARQUIVO EPHEMERA recolhe, preserva e divulga. Uma pequeníssima parte dessa colecção está aqui exposta, com o contributo da doação que foi feita ao Arquivo pela Associação 25 de Abril em 2020. É um contributo não só para a história colectiva, mas também para uma pedagogia da memória assente na valorização tanto dos sinais mais nobres como dos objectos mais triviais, que é um dos objectivos do nosso trabalho."

José Pacheco Pereira

(texto escrito segundo a antiga ortografia)

descarregar (13).jpg

A exposição 48 anos de cartazes e outras inspirações do 25 de Abril estará patente na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras até 14 de Maio.

Legenda da imagem: Desenho pertencente ao Arquivo Ephemera, proveniente de doação da Associação 25 de Abril, apresentado num concurso para crianças por ocasião do XV aniversário do 25 de Abril.

 

Tour Ibérica dos Golosa la Orquesta

descarregar (7).jpg

A World Music da América Latina

Vindos do Chile, apresentam uma performance que funde sem limites vários ritmos latino-americanos com a força do rock e a liberdade do jazz. Um concerto quente, que explode na interação direta com o público, transmitindo a energia da música latino-americana.

 
Com nove anos de experiência, 3 álbuns lançados, 3 digressões pela Europa visitando 7 países europeus, mais de 70 concertos no estrangeiro e infinitos no seu país. Nomeado para os Prémios Pulsar no Chile em 2019 com seu álbum "Sobre la Ciudad", que conta com a colaboração do cantor e compositor argentino Kevin Johansen.
 

 

Datas confirmadas para a tour ibérica:

 
20 Abril – Lisboa – B.Leza - bilhetes
21 Abril – Porto – Hot Five - bilhetes
22 Abril – Torres Vedras  - Bang Venue - bilhetes
23 Abril – Beirã - Cais Coberto  
24 Abril – Grândola – Comemorações do 25 de Abril
27 Abril – Barcelona - Golem's
28 Abril – Zaragoça - La Boveda
 

descarregar (8).jpg

Espetáculo de teatro "Cada um com o seu olhar" no Teatro-Cine de Torres Vedras

descarregar (9).jpg

O Teatro-Cine de Torres Vedras acolhe no próximo dia 25 de março, pelas 21h30, a representação do teatro Cada um com o seu Olhar.

De referir que este espetáculo será apresentado por um grupo de teatro que foi constituído com a participação do Gabinete de Apoio à Deficiência Visual da Câmara Municipal de Torres Vedras e partindo da abordagem do teatro-educação. Dar a conhecer e a experienciar a linguagem teatral, de forma orientada, a pessoas cegas e com baixa-visão e ainda a indivíduos que apresentem problemas associados, trabalhando as diferentes competências relacionadas com aquela linguagem, foi o objetivo subjacente à criação do grupo de teatro que apresentará o espetáculo Cada um com o seu Olhar

Refira-se ainda que as sessões deste grupo pretendem criar espaços de desenvolvimento pessoal e de comunicação, o que passa pela projeção de vivências e expressão da fantasia, bem como pela representação de problemas sociais e humanos, contribuindo-se para a busca de soluções positivas para a realidade individual e coletiva.

As entradas para se assistir ao espetáculo Cada um com o seu olhar no Teatro-Cine de Torres Vedras são gratuitas.

 

Criação coletiva, com a participação do Gabinete de Apoio à Deficiência Visual da Câmara Municipal de Torres Vedras
Dramaturgia, encenação e direção artística: Ana Cláudio
Apoio técnico e desenho de luz: Teatro-Cine de Torres Vedras