Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Atividades pedagógicas em torno de exposição de Serralves em Torres Vedras

transferir.jpg

A exposição Um realismo cosmopolita: o grupo KWY na coleção de Serralves está patente na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras até 21 de fevereiro.

Trata-se de uma iniciativa que se integra num programa de exposições e apresentação de obras da coleção de Serralves especificamente selecionadas para os locais de exposição, o qual tem o objetivo de tornar o acervo da referida fundação acessível a públicos diversificados de todas as regiões do país. 

Recorde-se que, constituído pelos artistas portugueses Lourdes Castro, René Bertholo, António Costa Pinheiro, João Vieira, José Escada e Gonçalo Duarte, pelo búlgaro Christo e pelo alemão Jan Voss, o grupo KWY congregou-se em Paris em torno da edição da revista homónima, a qual foi publicada entre 1958 e 1964. Este grupo foi responsável pela abertura da arte portuguesa ao contexto internacional, dando impulso a um dos períodos mais estimulantes da cultura europeia no século XX.

No seu conjunto, a referida exposição demonstra “como o interesse, simultaneamente entusiasta e crítico, pelas novas configurações do real, pelos objetos e acontecimentos quotidianos, pela sociedade de consumo e pela omnipresença da imagem no espaço público é um sinal de como a arte se pode colocar no centro dos acontecimentos socioculturais do seu tempo”.

Em torno da exposição Um realismo cosmopolita: o grupo KWY na coleção de Serralves realizar-se-ão um conjunto de atividades de caráter pedagógico, a saber:

Agenda

07 janeiro 2021 | quinta

2021 - Desenhar os dias

Em torno da exposição Um realismo cosmopolita - o grupo KWY na coleção de Serralves e tendo como inspiração o modo de produção artesanal das publicações da revista KWY, a Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras propõe a criação de um diário gráfico para o novo ano que agora se (...)

Saber Mais

 

09 janeiro 2021 | sábado

Os segredos das palavras

As palavras são como paisagens: grandes, distantes e cheias de significados. Ao longe são como formas geométricas, com ondulações confusas. Ao perto, dizem-nos segredos ao ouvido. A partir das obras presentes na exposição, vamos procurar palavras e objetos do dia-a-dia, explorar sons e (...)

Saber Mais

 

09 janeiro 2021 | sábado

Visita orientada à exposição "Um realismo cosmopolita - o grupo KWY na coleção de Serralves"

No dia 9 de janeiro, entre as 15h00 e as 16h00, decorrerá uma visita guiada à exposição "Um realismo cosmopolita - o grupo KWY na coleção de Serralves", patente na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras.  Esta exposição parte do espírito cosmopolita e experimental da revista KWY (...)

Saber Mais

 

14 janeiro 2021 | quinta

Ká Wamos Yindo

Dando continuidade ao trabalho em torno da exposição Um realismo cosmopolita - o grupo KWY na coleção de Serralves, patente na Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras, e tendo como inspiração a revista KWY e as capas criadas pelos seus impulsionadores Lourdes Castro e René Bertholo, a (...)

Saber Mais

 

21 janeiro 2021 | quinta

Positivo | Negativo

José Jorge da Silva Escada, pintor português, homem de sensibilidade singular, teve uma importante participação na vida artística portuguesa fazendo parte do KWY, convivendo com Lourdes Castro, João Vieira, Gonçalo Duarte, René Bertholo. Escada criou uma estética pessoal que caracterizou a (...)

Saber Mais

 

28 janeiro 2021 | quinta

Retratos Imaginários

Nesta atividade irá observar a originalidade plástica e conceptual do processo criativo de Costa Pinheiro. Cofundador da revista KWY, pioneiro discreto de várias tendências da arte contemporânea e um dos mais significativos artistas visuais da segunda metade do século XX em Portugal, (...)

Saber Mais

 

30 janeiro 2021 | sábado

Um realismo cosmopolita: Uma exposição em torno do grupo KWY

Ação de formação

Ação de formação de componente teórica pensada para os agentes de mediação que estarão relacionados com a exposição, incluindo ainda docentes da região e agentes culturais locais ou outros interessados. Esta ação pretende-se dinâmica, direcionada aos conteúdos da exposição, e (...)

Saber Mais

Ciclo de cinema "Café com Filmes"

 

transferir (3).jpg

 

O ciclo "Café com Filmes", produzido pela Câmara Municipal de Torres Vedras em parceria com o Académico de Torres Vedras, prossegue em 2021.

Recorde-se que este ciclo parte da tradição de Torres Vedras na área do cinema, nomeadamente de um passado cineclubista. É objetivo da iniciativa dinamizar um conjunto de atividades à volta do mundo do cinema e vídeo, sobretudo mediante a exibição de filmes que contribuam para a formação de olhares sobre o mundo e a sociedade, para a descodificação da linguagem e para a formação de novos públicos.

As próximas sessões a realizar no âmbito do ciclo "Café com Filmes" acontecerão no Teatro-Cine de Torres Vedras. Nelas serão exibidos: o filme O Paraíso, Provavelmente, de Elia Suleiman (14/1, 21h); o documentário O Capital no sec. XXI, de Justin Pemberton (28/1, 21h); o documentário PJ Harvey: a Dog called Money, de Seamus Murphy (4/2, 21h); o documentário No Intenso Agora, de João Moreira Salles (18/2, 21h); curtas metragens de animação, produzidas em diversos países (7/3, 16h30); o filme Lucky, de John Carroll Lynch (11/3, 21h); e o filme-concerto Nosferatu, de F.W. Murnau (26/3, 21h).

A participação nestas sessões do ciclo "Café com Filmes" são gratuitas, estando as mesmas limitadas a 136 pessoas.

Mais informação sobre o ciclo "Café com Filmes" pode ser obtida na área de agenda do site da Câmara Municipal de Torres Vedras.

 
Agenda

14 janeiro 2021 | quinta

O Paraíso, Provavelmente

Café com Filmes

Um conto burlesco que explora a identidade, a nacionalidade e a pertença.

Saber Mais

 

28 janeiro 2021 | quinta

O Capital no Séc. XXI

Café com Filmes

Um filme que desmonta o popular pressuposto de que a acumulação de capital acompanha o progresso.

Saber Mais

 

04 fevereiro 2021 | quinta

PJ Harvey: A Dog Called Money

Café com Filmes

Para o seu nono álbum de estúdio, PJ Harvey visitou o Afeganistão, o Kosovo e Washington D.C.

Saber Mais

 

18 fevereiro 2021 | quinta

No Intenso Agora

Café com Filmes

“No Intenso Agora” trata da natureza efémera dos momentos de grande intensidade emocional.

Saber Mais

 

07 março 2021 | domingo

Curtas Metragens de Animação

Café com Filmes Famílias

Seleção de 9 filmes de animação (curtas metragens) de vários países.

Saber Mais

 

11 março 2021 | quinta

Lucky

Café com Filmes

Uma reflexão acerca de mortalidade, solidão, espiritualidade e relações humanas.

Saber Mais

 

26 março 2021 | sexta

Filme-Concerto “Nosferatu”

Café com Filmes

Orlok não é mais que Nosferatu, um vampiro que faz tudo para conquistar a bela mulher de Huttler.

Saber Mais

Exposição "Um realismo cosmopolita: o grupo KWY na coleção de Serralves"

 

transferir (15).jpg

 

A Fundação de Serralves continua a proporcionar exposições em Torres Vedras a partir da sua coleção de arte.

Um realismo cosmopolita: o grupo KWY na coleção de Serralves é a mais recente mostra que esta fundação leva à Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras, a qual foi inaugurada esta quarta-feira, dia 16 de dezembro.

No respetivo ato inaugural estiveram presentes a presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho, bem como o presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Carlos Bernardes, e a vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Torres Vedras, Ana Umbelino, tendo na ocasião a curadora da referida exposição, Joana Valsassina, efetuado uma visita guiada à mesma.

De referir que a mostra em torno do trabalho do grupo KWY que está a ser apresentada em Torres Vedras foi concebida a partir de uma exposição comissariada em 2015 por Catarina Rosendo para o Museu de Arte Contemporânea de Serralves. A mostra Um realismo cosmopolita: o grupo KWY na coleção de Serralves é uma iniciativa que se integra num programa de exposições e apresentação de obras da coleção de Serralves especificamente selecionadas para os locais de exposição, o qual tem o objetivo de tornar o acervo da referida fundação acessível a públicos diversificados de todas as regiões do país.

Refira-se que, constituído pelos artistas portugueses Lourdes Castro, René Bertholo, António Costa Pinheiro, João Vieira, José Escada e Gonçalo Duarte, pelo búlgaro Christo e pelo alemão Jan Voss, o grupo KWY congregou-se em Paris em torno da edição da revista homónima, a qual foi publicada entre 1958 e 1964. Este grupo foi responsável pela abertura da arte portuguesa ao contexto internacional, dando impulso a um dos períodos mais estimulantes da cultura europeia no século XX.

No seu conjunto, a referida exposição demonstra “como o interesse, simultaneamente entusiasta e crítico, pelas novas configurações do real, pelos objetos e acontecimentos quotidianos, pela sociedade de consumo e pela omnipresença da imagem no espaço público é um sinal de como a arte se pode colocar no centro dos acontecimentos socioculturais do seu tempo”.

A mostra Um realismo cosmopolita: o grupo KWY na coleção de Serralves pode ser visitada na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras, diariamente, entre as 10h00 e as 13h00 e as 14h00 e as 18h00, até ao próximo dia 21 de fevereiro.

No âmbito desta exposição será desenvolvido um programa paralelo de exploração pedagógica da mesma, que inclui ações como visitas guiadas, oficinas para famílias e uma ação de formação para professores, educadores e mediadores artísticos.

GALERIA MUNICIPAL DE TORRES VEDRAS ACOLHE NOVA EXPOSIÇÃO DE SERRALVES

transferir (27).jpg

 

No âmbito do programa de exposições itinerantes da coleção de Serralves, a Paços - Galeria Municipal de Torres Vedras acolhe entre os dias 16 de dezembro e 21 de fevereiro a mostra Um realismo cosmopolita: uma exposição em torno do grupo KWY.

Esta exposição parte do espírito cosmopolita e experimental da revista KWY, publicada entre 1958 e 1964, e apresenta uma seleção de obras e publicações de artista da Coleção de Serralves da autoria de artistas que integraram o grupo KWY e de artistas portugueses e estrangeiros que colaboraram no seu projeto editorial, como António Areal, Raymond Hains e Jorge Martins, ou noutros projetos ativos na altura, como a Daily Bul, a Sens plastique ou a Dé-collage.

No seu conjunto, a referida exposição demonstra como o interesse, simultaneamente entusiasta e crítico, pelas novas configurações do real, pelos objetos e acontecimentos quotidianos, pela sociedade de consumo e pela omnipresença da imagem no espaço público é um sinal de como a arte se pode colocar no centro dos acontecimentos socioculturais do seu tempo.

Constituído pelos artistas portugueses Lourdes Castro, René Bertholo, António Costa Pinheiro, João Vieira, José Escada e Gonçalo Duarte, pelo búlgaro Christo e pelo alemão Jan Voss, o grupo KWY congregou-se em Paris em torno da edição da revista homónima. Este grupo foi responsável pela abertura da arte portuguesa ao contexto internacional, dando impulso a um dos períodos mais estimulantes da cultura europeia no século XX.

De referir que a mostra em torno do trabalho do grupo KWY que será apresentada em Torres Vedras é concebida a partir de uma exposição comissariada em 2015 por Catarina Rosendo para o Museu de Arte Contemporânea de Serralves. A mostra Um realismo cosmopolita: uma exposição em torno do grupo KWY é uma iniciativa que se integra num programa de exposições e apresentação de obras da Coleção de Serralves especificamente selecionadas para os locais de exposição, o qual tem o objetivo de tornar o acervo da referida fundação acessível a públicos diversificados de todas as regiões do país.

A exposição Um realismo cosmopolita: uma exposição em torno do grupo KWY poderá ser visitada na Paços – Galeria Municipal de Torres Vedras diariamente entre as 10h00 e as 13h00 e as 14h00 e as 18h00.

De referir ainda que no dia 19 de dezembro, pelas 11h, no âmbito da atividade "Sábado na Galeria", realizar-se-á, na Paços e no Espaço Cultural Porta 5, uma oficina de expressão plástica para famílias que terá como temática o trabalho do grupo KWY. As inscrições para a participação nesta oficina devem ser efetuadas pelo n.º de telefone: 261 334 040; ou pelo e-mail: galeria@cm-tvedras.pt.

FÁBRICA DAS HISTÓRIAS - CASA JAIME UMBELINO ACOLHE EXPOSIÇÃO "AO PÉ"

transferir (26).jpg

 

A Fábrica das Histórias – Casa Jaime Umbelino, em Torres Vedras, acolhe entre os dias 12 de dezembro e 20 de fevereiro uma exposição de escultura e pintura da autoria de Isabel Azerêdo e Pedro Lunta intitulada Ao Pé.

Nesta exposição podem ser observados trabalhos criados a partir de velhos moldes de sapatos, os quais foram plasticamente intervencionados, sendo que esses trabalhos estabelecem “laços com a língua portuguesa num processo de continuidade e/ou descontinuidade entre estes e os provérbios ou ditados populares”. Ao se elaborar os trabalhos que constituirão a referida exposição fez-se sair os moldes de madeira intervencionados “da sua territorialidade de “coisas” para alcançarem uma linguagem poética que é, por certo, porta aberta a muitas outras histórias que todos os objetos, por mais simples ou banais, podem conter”.

A exposição Ao Pé poderá ser visitada de 3.ª a 6.ª feira, entre as 10h00 e as 13h00 e as 14h00 e as 17h00, e, ao sábado, entre as 10h00 e as 13h00 e as 15h00 e as 18h00.

Mudança da hora do concerto do Coletivo Foice em Torres Vedras

CONCERTO DO COLETIVO FOICE EM TORRES VEDRAS REALIZA-SE MAIS CEDO

 

CONCERTO DO COLETIVO FOICE EM TORRES VEDRAS REALIZA-SE MAIS CEDO
02.10.2020

O concerto do Coletivo Foice previsto para o dia 10 de outubro, pelas 22h, na Praça Dr. Alberto Avelino, em Torres Vedras, foi antecipado para as 18h desse mesmo dia. Recorde-se que este concerto integra-se na programação do evento “Largo Co(n)vida”, um ciclo de espetáculos por meio do qual se convida a população à fruição cultural em espaços públicos requalificados do centro histórico de Torres Vedras.

“UM PASSEIO COM TRADIÇÃO”, EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS DO CORTEJO ETNOGRÁFICO

transferir (5).jpg

 

A exposição “Um passeio com tradição” vai estar patente entre 15 de agosto e 15 de setembro, na Rua José Pedro Lopes, em Santa Cruz. A mostra ao ar livre, que será inaugurada às 11h00, de 15 de agosto, reúne fotografias de Ana Backhaus captadas durante o Cortejo Etnográfico de 2019.

O Cortejo Etnográfico, realizado anualmente a 15 de agosto, assinala o dia em que as comunidades das zonas rurais vinham até à praia, através de uma recreação a cargo dos grupos etnográficos e ranchos folclóricos do Concelho. Devido à atual situação de pandemia este evento não se irá realizar, sendo a data assinalada com a inauguração da exposição.

A exposição de fotografia retrata esta recreação, que é baseada aquilo que era a tradição. Normalmente no desfile estão representados não só os trajes de trabalho, mas também aqueles usados em ocasiões especiais, como nos casamentos ou mesmo o traje domingueiro.

"LARGO CO(N)VIDA" VOLTA A TRAZER ANIMAÇÃO AO CENTRO HISTÓRICO DE TORRES VEDRAS

transferir (1).jpg

 

A Câmara Municipal de Torres Vedras volta a organizar o evento "Largo Co(n)vida", proporcionando dessa forma, mais uma vez, em setembro, a fruição cultural no requalificado centro histórico de Torres Vedras.

Em 2020 os espetáculos do "Largo Co(n)vida" terão lugar na Praça Dr. Alberto Avelino (antigo Páteo Alfazema), sempre pelas 22h:

 

Dia 4 | sexta-feira | Noite de Fados com o grupo Formas de Fado

No silêncio da noite, com o mistério que a envolve, o Fado, que nos fala de sentimentos profundos da alma Portuguesa, deve ser ouvido com uma "alma que sabe escutar".

O fadista canta o sofrimento, a saudade de tempos passados, a saudade de um amor perdido, a tragédia, a desgraça, a sina e o destino, a dor, o amor e o ciúme, a noite, as sombras, os amores, a cidade, as misérias da vida, a critica à sociedade. É este o fado que faz chorar as guitarras.

Convida-se a assistir a um serão musical, que irá abordar desde o Fado Marialva ao Fado Canção.

Ficha Artística
Fadistas: Andreia Matias, Avelino Santos, Cristina Santos e Leonor Madeira
Guitarra e voz: Henrique Leitão
Viola e voz: Eduardo Lemos
Músico: António Luís Valente (piano, acordeão, cavaquinho e percussão)

transferir (2).jpg

Dia 5 | sábado | O2

O2 trata-se da mais recente criação da companhia PIA, uma performance que, através das linguagens do teatro físico e das formas animadas, convida o espetador a uma reflexão sobre como poderia sobreviver uma sociedade, onde a tecnologia desvanece as relações humanas e o acesso ao oxigénio se torna um luxo.

Um projeto de arte pública intercultural, que nasce no início de 2019 na cidade de Macau, onde registos de níveis alarmantes de partículas poluentes começam a ser recorrentes. Um cenário que leva à criação de um espetáculo que surge com o intuito de sensibilizar a uma, cada vez maior, necessidade de se encontrar práticas sustentáveis como forma de superar as adversas alterações ambientais que se tornaram, hoje em dia, transversais a todos.

Na contemporaneidade, a Arte apresenta a oportunidade de habitarmos mundos artísticos, onde as inter-relações criativas e críticas, estimulam os nossos sentidos, rompendo conceitos, hibridizando conceções, articulando e cruzando artefactos e processos, abrindo assim novas possibilidades.

Ficha artística
Autoria, encenação, direção artística e plástica: Pedro Leal
Direção de produção e audiovisuais: Helena Oliveira
Formas animadas e conceção plástica: Pedro Leal
Sonoplastia, equipa técnica e construção: Álvaro Presumido
Performers: Ana Andrade, Helena Oliveira, Manuel Amarelo, Mafalda Cabral, Sara Araújo e Tiago Augusto
Produção: PIA - Projectos de Intervenção Artística CRL
Parceiros MACAU: Trista Cheong / Long Fung Drama Club
Agradecimentos: Catarina Mota, Rui Rodrigues, Nuno Dores
Apoio à criação Macau: Instituto Cultural de Macau, Fundação de Macau e Fundação Oriente
Apoio à criação: Fundação GDA

 

Dia 12 | sábado | Asas d’ Areia

Asas d’Areia é um espetáculo/instalação que funde o vídeo documental e o conceptual com o circo, nomeadamente a arte do equilíbrio (arame e corda bamba) e a dança.

Este espetáculo debruça-se sobre a temática dos povos migratórios, contextualizando, de forma mais particular e numa perspetiva humanitária, nos que estão retidos em campos de refugiados. O foco do trabalho, que foge da mera ilustração do tema, ou de uma abordagem de análise política sobre o mesmo, visa essencialmente uma investigação sobre a natureza, comportamento e relações humanas, quando subordinados a condições extremas, num lugar inóspito, vazio de esperança e/ou expetativas de futuro.

Dois personagens buscam um lugar vital, essencial, que lhes preserve a dignidade e a capacidade de resistir.

Ficha artística
Criação e direção: Julieta Aurora Santos
Interpretação: Douglas Melo e Kátia Rocha
Banda sonora: Tiago Inuit
Cenografia: Roberta Cangussu, Luís Santos e Adriana Freitas
Construção: Luís Santos
Figurinos e adereços: Adriana Freitas
Videoarte mapping: Carlotta Premazzi
Vídeo documental: Isabel Teixeira
Apoio, edição e vídeo: Diogo Vilhena
Apoio ao movimento: Ana Pontes
Desenho de luz: Luís Santos
Operação técnica: Carlos Campos e Luís Santos
Consultoria e investigação: Tiago Cardoso
Direção financeira e gestão: Sónia Custódio
Direção de produção: Frederico Salvador
Produção: Roberta Marques
Coprodução: MAPS e Município de Setúbal

 

Dia 19 | sábado | Sombras

A nova peça do Teatro SÓ, Sombras, propõe uma reflexão acerca da violência doméstica.

"Seguindo um estilo de encenação que tem sido característico da nossa companhia de teatro, a peça incide sobre o sentimento e manifestações íntimas da vítima, dispensando o retrato mimético da violência e o exame moral. Nesta abordagem intimista o público é testemunha do sofrimento, desconsolo e desespero que perpassam os silêncios e interrogações de uma vítima de violência doméstica. Esse lugar mental, que em tudo se assemelha a um quarto bafiento sem luz nem janelas, é de difícil acesso.

O Teatro SÓ privilegia por isso a poesia visual em detrimento da palavra como método de abordagem dos estigmas sociais, transversais a diversas sociedades e gerações, convidando o público a uma involuntária cumplicidade. A abordagem de um tema tão complexo como o da violência doméstica merece principal destaque aqui atendendo que se trata de um espetáculo de rua, em andas, desenhado para o espaço público. Tudo aquilo que um tabu não deseja para si mesmo."

Ficha artística
Direção artística: Sérgio Fernandes
Interpretação: Ana Gabriel
Composição musical: Ferdinand Breil
Figurinos: Ana Baleia
Cenografia: Tó Quintas
Máscara: Nuno Pino Custódio e Sérgio Fernandes
Olhar exterior: Anna Toews, Beatriz Cantinho e Pedro Diogo
Operação técnica: João Veiga

transferir (3).jpg

Dia 26 | sábado | Objetoteca popular itinerante 

Objetoteca popular itinerante é ela própria um objeto híbrido - é a partir do encontro amoroso entre uma biblioteca itinerante e uma carrinha de feira que se faz esta performance da enciclopédia popular dos objetos do quotidiano. Objetos reais e irreais, materiais e imateriais apresentados juntos e ao vivo, como nunca antes foram vistos!

Ficha artística
Direção artística: Igor Gandra e Carla Veloso
Texto, dramaturgia e conceção cenográfica: Igor Gandra
Artistas convidados: Filipe Moreira e Gisela Maria Matos
Outros convidados: Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço
Realização plástica da cenografia e adereços: Eduardo Mendes
Desenho de luz: Mariana Figueroa
Vídeo: Carlota Gandra
Registo fotográfica: Susana Neves
Oficina de construção: Eduardo Mendes, Daniela Gomes, Matilde Gandra e Nádia Soares (estagiária da Escola Profissional da Campanhã)
Produção: Carla Veloso
Coprodução: Teatro de Ferro e Câmara Municipal do Porto (no âmbito do programa “Cultura em Expansão”)

 

As entradas para se assistir a estes espetáculos no âmbito do "Largo Co(n)vida" são gratuitas, estando no entanto limitadas a 45 espetadores.

Mais informações podem ser obtidas pelo n.º de telefone: 261 320 760; ou pelo e-mail: cultura@cm-tvedras.pt.

Torres Vedras acolhe o 2.º Encontro Nacional de Aguarela

transferir (8).jpg

 

Nos dias 28, 29 e 30 de agosto, o concelho de Torres Vedras acolhe o 2.º Encontro Nacional de Aguarela. Este encontro pretende reunir participantes que se dediquem à aguarela como arte visual para captarem a essência de vários pontos do Concelho.  

Nesta edição, o roteiro elaborado passa pela cidade de Torres Vedras e pelas localidades de Porto Novo, Maceira e Turcifal.

Programa

28 de agosto

14h00 às 17h30 -  Roteiro urbano por Torres Vedras
14h00 - Receção aos participantes
Local: Porta 5 - Espaço Cultural

29 de agosto

9h00 às 17h30 - Roteiro Porto Novo Maceira - Trilhos da Maceira
9h00 - Receção aos participantes
Local: Porta 5 - Espaço Cultural
9h30 - Partida para Porto Novo
Parceria: Vaklouro – Associação Cultural e Ambiental

30 de agosto

9h30 às 12h30 - Perímetro Urbano do Turcifal
9h30 - Partida para o Turcifal


Nota: Almoço livre nos dias 28 e 30 de agosto.

 

Fim de Semana com Cinema Português em Torres Novas

imag_site_caminhos_torres_novas.jpg

 

Caminhos do Cinema Português em Torres Novas

O mote de “Cinema Português para Todos” acaba por ser herdeiro da actividade cineclubista que está na génese deste festival. O Cineclube de Torres Novas tem cumprido, nos últimos 60 anos, a função de programar e mostrar cinema, contribuindo para este mapa nacional de circuitos alternativos de exibição.  Assim, e graças à iniciativa do Município e deste Cineclube, Torres Novas receberá nos dias 31 de Janeiro e 1 de Fevereiro uma extensão da XXV Edição dos Caminhos do Cinema Português.

Esta extensão irá contar com uma “Sessão Caminhos”, com produções portuguesas galardoadas na XXV Edição do festival; e “Sessão Juniores”, com programação pensada no público infanto-juvenil.

Serão projectados no sábado, 31 de Janeiro, os filmes “O Peculiar Crime do Estranho Sr. Jacinto” de Bruno Caetano, (vencedor do Prémio Melhor Animação, e “Quero-te Tanto!” de Vicente Alves do Ó, que recebeu o Prémio do Público “Chama Amarela” nesta última edição.

 

O mote de “Cinema Português para Todos” acaba por ser herdeiro da actividade cineclubista que está na génese deste festival. O Cineclube de Torres Novas tem cumprido, nos últimos 60 anos, a função de programar e mostrar cinema, contribuindo para este mapa nacional de circuitos alternativos de exibição.  Assim, e graças à iniciativa do Município e deste Cineclube, Torres Novas receberá nos dias 31 de Janeiro e 1 de Fevereiro uma extensão da XXV Edição dos Caminhos do Cinema Português.

Esta extensão irá contar com uma “Sessão Caminhos”, com produções portuguesas galardoadas na XXV Edição do festival; e “Sessão Juniores”, com programação pensada no público infanto-juvenil.

Serão projectados no sábado, 31 de Janeiro, os filmes “O Peculiar Crime do Estranho Sr. Jacinto” de Bruno Caetano, (vencedor do Prémio Melhor Animação, e “Quero-te Tanto!” de Vicente Alves do Ó, que recebeu o Prémio do Público “Chama Amarela” nesta última edição.

No dia 1 de Fevereiro, numa sessão pensada nos mais novos, “Sessão Juniores”, serão projectadas animações infanto-juvenis, entre elas o filme “#LINGO”, de Vicente Nirõ, vencedor do prémio Melhor Ensaio na XXII Edição do festival.

As sessões realizar-se-ão na Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes com entrada gratuita:

  • “Sessão Caminhos”, 31 de Janeiro, 21h30
  • Cartaz_Torres_Novas_2020_caminhos-1086x1536.jpg

    “Sessão Juniores”, 1 de Fevereiro, 13h30

  • Cartaz_Torres_Novas_2020_juniores-1086x1536.jpg

    Convidamos todos a continuar a caminhar nesta XXV Edição do festival Caminhos do Cinema Português, agora por Torres Novas.