Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

OPEN AIR - Where video mapping meets circus

transferir (28).png

 

OPEN AIR - Where video mapping meets circus

UM ESPETÁCULO QUE JUNTA O VIDEOMAPPING À DANÇA ACROBÁTICA VERTICAL
3 A 4 SETEMBRO 2021, ESTREMOZ
 
É no emblemático castelo de Estremoz que vai decorrer o espetáculo OPEN AIR, um projecto da Oskar&Gaspar em parceria com o Laboratório, que junta as práticas artísticas do vídeo mapping com a dança acrobática vertical, e que vai dar corpo a uma narrativa visual e física que procura dar a reconhecer os fundamentos de qualquer sociedade: criar uma vivência conjunta para responder às ameaças e fantasias futuras. OPEN AIR - Where video mapping meets circus.

Muitos foram os projetos que nasceram em resultado da pandemia, o mesmo aconteceu com o OPEN AIR. Com o mundo a fechar, a Oskar&Gaspar precisava de encontrar soluções e contrariar a ausência de criação e partilha com os outros. É no meio desta reflexão que se reencontram com o Laboratório, uma estrutura artística que representa um coletivo de profissionais, com um percurso relevante nos últimos 10 anos, nas áreas da performance e novo circo.

transferir (29).png

OPEN AIR – where vídeo mapping meets circus, nasce desta vontade de estarem juntos e de uma residência ou poderemos dizer resistência artística e criativa, que ganhou vida durante o confinamento de 2020. Em conjunto decidem que já que ficámos todos sem chão e a flutuar no tempo, o melhor seria isso mesmo, apostar numa experiência em que todos, alguns de uma forma mais metafórica, ficam literalmente suspensos no ar, no tempo, na fantasia, sem chão para poisar. Este encontro de resistência vê agora a luz do dia, numa apresentação única e de estreia deste novo espetáculo, a que se juntaram vários outros parceiros que permitiram a sua concretização.

Este é um espetáculo que vive da fantasia e que mistura a experiência digital e o novo circo, com a dança vertical, partilhando uma realidade de corpo e coração a flutuar no espaço e no tempo, como que a querer oferecer a todos os espectadores esse mesmo espaço de ar aberto e livre, para todos respirarmos em modo síncrono por um pouco e podermos voltar a colocar os pés no chão com outro amparo.

Uma experiência a não perder, nos próximos dias 3 e 4 de setembro, pelas 21h00 e 22h00 no Castelo de Estremoz, com entrada livre. Abertura de portas antecipada às 20h20 e 21h30, com animação da Sociedade Artística Filarmónica Estremocense.
 
FICHA TÉCNICA
Criação e Interpretação: Bruno Rosa; João Pataco; Miguel Tira-Picos; Mónica Alves
Ideia, Concepção e Produção: Oskar & Gaspar
Co-criação: Laboratório e Oskar & Gaspar
Direcção de Projecto: Francisco Leone
Direcção de Produção: Inês Almeida Matos
Assistência de Direcção: Patrizia Romani
Direcção de Conteúdos: Eduardo Cunha
Direcção de Conteúdos 3D: Gonçalo Sá
Direcção Artística: Ana Fatia
Assessoria Artística: Mickael de Oliveira
Criação Design 3D: António Carvalho; Cláudia de Oliveira; Diogo Brito; Gonçalo Sá; Rodrigo Antunes
Banda Sonora Original: Óscar Benito
Produtores Associados: Droid ID / Galactifiction
Parceiros Estratégicos: FX Road Lights; Evil Angels
Comunicação e Assessoria:
Creative Industries Programmes by SC | Sara Cavaco | Sandra Lopes
Design Gráfico: Sofia Silva
Registo Fotográfico e Criação de Making of: Susana Chicó
Realização, Captação e Edição de Vídeo: Droid ID / Galactifiction
Edição de Vídeo: Cláudia de Oliveira
Operação Vídeo: Eduardo Cunha
Parceiros: Câmara Municipal de Estremoz
Parceiro institucional: República Portuguesa – Ministério da Cultura
 
Entrada de Público: Sociedade Artística Filarmónica Estremocense

Visite o site: www.openairshow.com
 

 

Vídeo-instalação "em busca de Averróis" de João Cristóvão Leitão, de 28 de Setembro a 2 de Outubro, na Galeria Appleton em Lisboa

em busca de Averróis

Vídeo-instalação de João Cristóvão Leitão

 

28 DE SETEMBRO – 2 DE OUTUBRO

GALERIA APPLETON, LISBOA

 

 

 

SINOPSE

 

Imagens do arquivo de família de João Cristóvão Leitão lembram-lhe um texto de Borges. Pouco a pouco, transforma Averróis no seu avô, o seu avô em Borges e Borges em si (João). Neste movimento, torna-se cada vez mais difícil olhar para qualquer um deles sem, também, entrever todos os outros.

 

DESCRIÇÃO

 

A presente vídeo-instalação nasce do encontro de João Cristóvão Leitão com imagens do seu arquivo de família. Nele, inúmeras imagens revelam a copresença da criança que foi com um indivíduo que mal chegou a conhecer: o seu avô Aníbal. Ao olhar estes fragmentos de realidade, apercebe-se de que, por mais esforços que faça, é incapaz de lembrar a textura da sua voz. É, então e no repetir deste exercício de resgate invariavelmente fracassado, que descobre, não sem alguma melancolia, que poucas ou nenhumas são as memórias – pessoais, directas e não mediadas – que guarda deste homem, ao qual, segundo lhe dizem, muito se assemelha. Não obstante, quanto maior é a consciência da sua ignorância em relação a este incógnito sujeito, maior é a vontade que em si surge de o tornar familiar e íntimo; maior é a vontade que em si surge de tornar esta figura o centro de toda uma investigação artística.

 

É diante deste paradoxo – o do querer aceder a algo que, à partida, se encontra vedado a quem o procura – que se lembra de Borges e do seu conto A Busca de Averróis (1947). Nele é narrado o momento em que o estudioso árabe muçulmano que cede nome à narrativa borguesiana (1126-1198) – movido pela intenção de comentar a produção literária de Aristóteles – se depara com uma contrariedade filológica impossível de ser ignorada:

 

A pena corria sobre a folha, os argumentos enlaçavam-se, mas uma leve preocupação toldou a felicidade de Averróis. [...] Na véspera, duas palavras duvidosas o detiveram no princípio da Poética. Essas palavras eram tragédia e comédia. [...] ninguém, no âmbito do Islão, atinava com o que queriam dizer.

(Borges, 1947: 603 e 604)

 

Importa referir que a perplexidade sentida por Averróis perante a dificuldade em traduzir tais palavras para o seu idioma, o árabe, foi, historicamente, um facto e não um mero artifício diegético fruto da imaginação de Borges. No entanto, é esta circunstância real que serve de mote não só para, no decorrer da narrativa borguesiana e através dela, se indagar sobre a (im)possibilidade de a essência das coisas poder ser conhecida, mas também para se problematizar essa mesma (im)possibilidade mediante o estabelecer de relações entre a demanda protagonizada por Averróis (o real?, o ficcional?, ambos?) e aquela que é encetada por João Cristóvão Leitão.

 

Se Averróis procura conhecer Aristóteles através das palavras, João Cristóvão Leitão procura conhecer Aníbal Cristóvão através de imagens. Se Averróis procura traduzir um homem de quem o separam 14 séculos, João procura traduzir um homem de quem o separam umas quantas décadas. Se Averróis procura recuperar o significado de termos que remetem para práticas artísticas miméticas que eram, à data, estranhas ao mundo muçulmano, João procura recuperar aquilo que as imagens para as quais olha não têm como revelar.

 

Assim sendo, será Averróis – e, por extensão, o próprio João – capaz de cumprir a tarefa a que se propõe? Será a sua tarefa – e, por extensão, a tarefa de João – exequível? Ou validará Averróis – e, por extensão, todo e qualquer tradutor (seja ele um tradutor de palavras ou, como no seu caso, um tradutor de imagens) – o provérbio italiano Traduttore, Traditor? Talvez ambas as demandas – porque exigem o estilhaçar anacrónico da linearidade temporal que deu origem àquilo que procuram – se encontrem, ontologicamente, fadadas ao fracasso. Porém, “[...] para se estar livre de um erro, acrescentemos, convém tê-lo praticado” (Borges, 1947: 607). Por isso, João toma a liberdade de, pouco a pouco, ir transformando Averróis no seu avô, o seu avô em Borges e Borges em João, preferindo acreditar que é através do erro e da falha que nos aproximamos da essência das coisas; porventura não exactamente da das que procuramos, mas da de outras que, talvez, não soubéssemos que procurávamos.

 

 

BIOGRAFIA JOÃO CRISTÓVÃO LEITÃO

 

Licenciado em Teatro – Dramaturgia (ESTC), mestre em Arte Multimédia – Audiovisuais (FBAUL) e pós-graduado em Curadoria de Arte (FCSH). Actualmente, é doutorando na FBAUL.

 

Enquanto criador, funda o colectivo performativo 3.14 (2010-2012) e colabora, desde 2012, com o colectivo SillySeason. Desenvolve projectos instalativos e de vídeo arte, os quais foram exibidos a nível internacional (Áustria, Brasil, Coreia do Sul, Espanha, França, Inglaterra, Irlanda, Itália, Peru, Portugal e Sérvia) e premiados (Menção Especial VIDEOFORMES – 3è festival international d’arts numériques; Prémio do Público – FUSO: Anual de Vídeo Arte Internacional de Lisboa; Prémio do Júri/Aquisição FUSO – Fundação EDP; Prémio Jovem Realizador – Fundação INATEL; Grande Prémio LOOPS.LISBOA/TDI/Museu Nacional de Arte Contemporânea). É representado pela plataforma Heure Exquise: Centre International pour les Arts Vidéo. Colabora com: Rabbit Hole (2014), Magma Collective (2014), Marta Ribeiro/VIDEOLOTION (2015-2017), Elmano Sancho (2015), Ana Jezabel e António Torres (2017), Daniel Gorjão/Teatro do Vão (2017), João Pedro Fonseca (2017), Rodrigo Pereira (2018), Diego Bragà (2020) e Rodrigo Teixeira (2021).

 

LINKS

 

https://joaocristovaoleitao.com

https://www.facebook.com/joaocristovaoleitao

https://www.instagram.com/joao_cristovao_leitao/

 

FICHA TÉCNICA

 

CONCEPÇÃO & DIRECÇÃO ARTÍSTICA

João Cristóvão Leitão

 

TEXTOS (A PARTIR DE)

Jorge Luis Borges

 

PRODUÇÃO

Marta Sousa Ribeiro

 

APOIO À CRIAÇÃO

André Silva Santos e João Estevens

 

IMAGEM

João Cristóvão Leitão, Marta Sousa Ribeiro, Miguel Leitão

 

MONTAGEM

João Cristóvão Leitão

 

ASSISTÊNCIA DE MONTAGEM

Miguel Leitão

 

CAPTAÇÃO DE VOZ-OFF & MISTURA DE SOM

Francisco Duque (Estúdio Camaleão)

 

SONOPLASTIA

João M. Santos

 

PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM E VFX

Miguel Leitão

 

GRAFISMO

Marta Sousa Ribeiro

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Raquel Lains

 

GESTÃO FINANCEIRA

Teatro do Vão

 

APOIOS

Appleton, Centro de Inovação da Mouraria – Câmara Municipal de Lisboa, Centro Nacional de Cultura, Estúdio Camaleão, Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, República Portuguesa – Cultura/Direcção Geral das Artes e VIDEOLOTION