Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Xutos & Pontapés em exposição inédita que celebra 35 anos de “Circo de Feras”

A exposição tem curadoria da banda e estará patente no ArrábidaShopping, em Vila Nova de Gaia, a partir de 13 de setembro. Para assinalar o aniversário, Xutos & Pontapés também darão um concerto de entrada livre.

 

image003.jpg

A partir de 13 de setembro, e até 30 de outubro, o ArrábidaShopping, em Vila Nova de Gaia, recebe uma exposição fotográfica inédita de Xutos & Pontapés para assinalar os 35 anos do lançamento do famoso disco “Circo de Feras” ­— o terceiro trabalho do grupo, lançado em 1987 e considerado um dos álbuns de rock português mais importantes de sempre. A mostra, que tem curadoria da banda, vai revelar 35 fotografias icónicas e será de entrada livre.

 

Dos registos em estúdio aos dias pela estrada, passando por momentos em palco, a banda partilhará várias fotografias nunca divulgadas ao público. A exposição fotográfica “35 anos Circo de Feras” vai estar disponível no Piso 0, durante o horário de funcionamento do Centro.

 

A celebração dos 35 anos do icónico disco, que inclui temas como “Sai p'rá Rua" e “Não Sou o Único”, irá contar ainda com um concerto especial e gratuito da banda portuguesa, que vai acontecer ao ar livre, no dia 23 de setembro, pelas 21h00, no ArrábidaShopping, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, proporcionando uma experiência completa aos fãs. A entrada será livre mediante apresentação de pulseira, que poderá ser reservada a partir de 16 de setembro, no site do ArrábidaShopping.

 

“É um enorme orgulho para o ArrábidaShopping receber a exposição fotográfica de uma banda tão acarinhada e relevante no panorama musical português. Fazermos parte da celebração de 35 anos da história de Xutos & Pontapés e mais concretamente do disco ‘Circo de Feras’ significa também mais um passo no caminho do Centro enquanto espaço que vai além da compra, promovendo experiências e o acesso à cultura”, refere Tomás Furtado, diretor do ArrábidaShopping.

 

Xutos & Pontapés em exposição fotográfica inédita no ArrábidaShopping

A mostra, que tem curadoria da banda, vai estar patente até 30 de outubro, para assinalar os 35 anos do álbum “Circo de Feras” — e contará com um concerto especial.

image006.png

Até 30 de outubro, o ArrábidaShopping, em Vila Nova de Gaia, é palco de uma exposição fotográfica inédita de Xutos & Pontapés que assinala os 35 anos do lançamento do famoso disco “Circo de Feras”. Este, que é o terceiro trabalho do grupo, lançado em 1987, vai estar representado através de 35 fotografias icónicas. A mostra tem curadoria da banda e é de entrada livre.

 

A seleção de fotografias a preto e branco está dividida em três partes: imagens individuais de todos os elementos, assim como em grupo; registos em estúdio e de gravação do “Circo de Feras”; e de vários momentos nunca antes partilhados em estrada, no palco e com o público, onde não falta a fotografia de atribuição do disco “de ouro, prata ou platina”.

 

Dos momentos clássicos aos mais informais, será uma verdadeira viagem não só pela história da banda como por aquele que é considerado um dos álbuns de rock português mais importantes de sempre. Os registos fotográficos, que foram captados pelos fotógrafos Álvaro Rosendo e Pedro Lopes, estão disponíveis no Piso 0, na Praça Central, durante o horário de funcionamento do Centro.

 

“O ArrábidaShopping está muito entusiasmado e orgulhoso por oferecer aos visitantes uma exposição única e que enaltece o trabalho de um nome tão importante no panorama musical português como os Xutos & Pontapés. Este momento reflete a nossa vontade não só em trazer experiências inesquecíveis a quem nos visita, como em fazer parte da agenda cultural do país. Queremos continuar a proporcionar o acesso à cultura e a fazer parte de histórias tão inesquecíveis como esta”, afirma Tomás Furtado, diretor do ArrábidaShopping.

 

 

 

35 anos de “Circo de Feras” assinalado com concerto especial da banda

 

As celebrações dos 35 anos de “Circo de Feras” também vão ser assinaladas com um concerto especial dos Xutos & Pontapés no ArrábidaShopping. Durante cerca de hora e meia, os fãs vão poder cantar ao som dos grandes êxitos que fazem parte da banda sonora de várias gerações de portugueses, como “Sai p'rá Rua" e “Não Sou o Único”.

 

O espetáculo vai acontecer ao ar livre no dia 23 de setembro, pelas 21h00, no centro comercial, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia. A entrada será livre mediante apresentação de pulseira, que poderá ser reservada a partir de 16 de setembro, através do site do ArrábidaShopping, sendo que existirá um máximo de quatro pulseiras por pessoa.

 

 

Data e local:

Exposição – 13 de setembro a 30 de outubro, das 10h00 às 23h00, no Piso 0, na Praça Central

Concerto – 23 de setembro, às 21h00, no parque de estacionamento exterior do Piso 0

Entrada: livre (sendo que o concerto carece de reserva de pulseira)

 

Ficha Técnica Exposição:

Curadoria Exposição| Xutos&Pontapés, Creative Industries Programmes by SC

Créditos Fotógrafos | Álvaro Rosendo, Pedro Lopes

Comissariado | ArrábidaShopping – SonaeSierra

Arquitetura | FAHR

Impressão e Provas de Fotografias | Gamut

Conceção Projecto, Produção Executiva| Creative

Industries Programmes by SC

Programação Paralela Musical | Xutos & Pontapés

Vila Nova de Gaia recebe mais três fins de semana de música ao vivo

image007.png

As Sunset Sessions, o evento que está a decorrer às sextas-feiras e sábados, na esplanada do ArrábidaShopping, é de entrada gratuita.

 

O ArrábidaShopping, em Vila Nova de Gaia, convida para o plano perfeito para os finais de tarde do mês de julho: música ao vivo. As Sunset Sessions continuam todas as sextas-feiras e sábados, entre as 17h00 e as 20h00, e são de entrada gratuita.

 

No dia 15, a programação inclui a atuação de Books, e no dia 16 é a vez de Heterónimos — programação que se repete nos dias  22 e 23 de julho, respetivamente. A agenda termina com The Good Habits, nos dias 29 e 30. Seja na companhia de amigos ou família, esta é a experiência perfeita para relaxar ao ar livre, com banda sonora de artistas portugueses e vista para a cidade do Porto.

 

Além disso, para adicionar boa comida a este momento, basta escolher uma refeição num dos vários restaurantes disponíveis no ArrábidaShopping, como o 100 Montaditos, Barcarola, Taco Bell, DaTerra, Hanami Sushi, Poke House, entre outros.

 

 

Programação:

15 de julho – Books

16 de julho – Heterónimos

22 de julho – Books

23 de julho – Heterónimos

29 e 30 de julho – The Good Habits

Horário: sextas-feiras e sábados, das 17h00 às 20h00

Local: Vila Nova de Gaia, ArrábidaShopping, esplanada, Piso 2

Entrada: livre

Vila Nova de Gaia recebe mês de música ao vivo nos finais de tarde

A programação musical decorre às sextas-feiras e sábados, durante todo o mês de julho, na esplanada do ArrábidaShopping.

image002 (3).jpg

A partir desta sexta-feira, e até 30 de julho, o ArrábidaShopping, em Vila Nova de Gaia, tem o plano perfeito para os finais de tarde: música ao vivo. As Sunset Sessions vão acontecer todas as sextas-feiras e sábados do mês de julho, entre as 17h00 e as 20h00, e são de entrada gratuita.

 

Nos dias 1 e 2 de julho, o bom ambiente nas Sunset Sessions é garantido pelo grupo Nós às 3. Na semana seguinte, nos dias 8 e 9, é a vez do Groovy Trio animar a esplanada do ArrábidaShopping. A programação continua com a atuação de Heterónimos nos dias 22 e 23, e Books, a 15 e 16 de julho. A agenda termina com The Good Habits, nos dias 29 e 30.

 

Esta programação especial pretende não só dar as boas-vindas aos dias de verão e calor, como proporcionar momentos descontraídos a todos os visitantes depois da semana de trabalho. Como extra, a esplanada do Centro tem uma vista deslumbrante para a cidade do Porto.

 

Programação:

1 e 2 de julho – Nós às 3

8 e 9 de julho – Groovy Trio

15 e 16 de julho – Books

22 e 23 de julho – Heterónimos

29 e 30 de julho – The Good Habits

Horário: sextas-feiras e sábados, das 17h00 às 20h00

Local: Vila Nova de Gaia, ArrábidaShopping, esplanada, Piso 2

Entrada: livre

 

“Arrábida Sinfónica” apresenta, pela primeira vez, um programa de dois dias

O ArrábidaShopping, em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia e a Casa da Música, promove a 6ª edição deste programa musical nos dias 24 e 25 de junho. A entrada é livre mediante levantamento de pulseiras que ficam disponíveis a partir desta sexta-feira.

 

O ArrábidaShopping promove a 6ª edição do “Arrábida Sinfónica” que, pela primeira vez, apresenta dois concertos. O programa de concertos musicais, realizado em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia e a Fundação Casa da Música, acontece nos dias 24 e 25 de junho.

 

Será na Praça Exterior Norte do ArrábidaShopping que, no dia 24 de junho, às 21h00, sobe ao palco o Coro Infantil Casa da Música, sob a direção da maestrina Raquel Couto, com os alunos de 1º ciclo das escolas “Quinta das Chãs”, de Vila Nova de Gaia, e “Quatro Caminhos”, de Matosinhos. No dia 25 de junho, às 22h00, é a vez da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música apresentar-se sob a direção musical de Bastien Stil.

 

Tomás Furtado, diretor do ArrábidaShopping, afirma: “esta é a 6ª edição de uma iniciativa que muito nos orgulha. Continuamos a trazer novas experiências aos nossos visitantes e democratizamos o acesso à cultura, dando palco ao que de melhor se faz na música a nível nacional.”

 

A entrada é livre e requer o levantamento de pulseira no balcão de informações do centro comercial, no Piso 0, já a partir de 10 de junho. A lotação está limitada aos lugares disponíveis, que este ano regressa à lotação habitual de 5 mil lugares.

 

Esta iniciativa está integrada no “Cultura no Centro”, o projeto da Sonae Sierra para apoiar artistas e entidades culturais de todo o país através dos centros geridos pelo grupo.

 

 

image003.png

Programa

24 de junho, 21h - Coro Infantil Casa da Música

Direção: Raquel Couto

Programa Musical:

Suis-moi (Hanz Zimmer e Richard Harvey) *

Occhi Grandi (Andrea Basevi e Roberto Piumini) **

Habanera da Ópera Carmen (Georges Bizet) ***

Sleep my baby (tradicional) *

Cinderela (Carlos Paião)

Anjo da Guarda (António Variações)

Pêra Verde (tradicional Baixo Alentejo, adaptação Celina da Piedade)

Canção da Vindima (tradicional)

Gota de Água (tradicional Cante Alentejano)

Cantiga Bailada (tradicional - Brigada Vítor Jara)

* Letra: António Miguel Teixeira

** Letra: Joana Castro

*** Letra: Raquel Couto

Todos os arranjos são dos Formadores Coro Infantil Casa da Música, à excepção de Sleep my baby - Arr. Alec Rowley

 

25 de junho, 22h - Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música

Direção Musical: Bastien Stil

Programa Musical:

Der Freischütz (O Franco-Atirador): Abertura, Carl Maria von Weber

Der Freischütz (O Franco-Atirador): Abertura, Charles Gounod

Uma Noite no Monte Calvo (orq. de Rimski-Korsakoff). Modest Mussorgski

Lago dos Cisnes (O): Valsa. Piotr Ilyich Tchaikovsi

Lago dos Cisnes (O): Nº29 Scène Finale, Piotr Ilyich Tchaikovsi

Pássaro de Fogo (O): Dança Infernal, Berceuse e Final (da suite 1919), Igor Stravinski

Suite Sinfónica de 'Harry Potter', John Williams

 

Local: Praça exterior norte Arrábidashopping

Entrada: livre mas sujeita a pedido de pulseira no Balcão de Informações (pulseiras limitadas aos lugares existentes)

 

A Fundação ”la Caixa” apresenta em Vila Nova de Gaia a exposição Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar. Georges Méliès e o cinema de 1900

Exposição Georges Méliès e o cinema de 190

  • Em colaboração com a Cinémathèque Française, a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, o Cais de Gaia e o BPI, a exposição, apresentada pela primeira vez em Portugal, aborda o contributo de Georges Méliès para a sétima arte.

 

  • O cineasta francês foi ilustrador, mago, encenador, ator, cenógrafo e técnico de cinema, além de produtor, realizador e distribuidor de mais de 500 filmes entre 1896 e 1912. Reinou no mundo do género fantástico e da trucagem cinematográfica durante quase vinte anos, para depois cair no esquecimento e na ruína financeira, levando-o a destruir os negativos de todos os seus filmes.

 

  • A exposição pode ser vista num inovador formato itinerante que, num espaço de 200 metros quadrados, transporta os visitantes para o ambiente do início do século XX para assim poder explicar-lhes o nascimento do cinema como fenómeno popular.

 

  • A exposição inclui reproduções de aparelhos, maquetes, objetos da época e cópias de fotografias, assim como a projeção de vários filmes, com especial destaque para Le voyage dans la Lune (1902).

 

 

Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar. Georges Méliès e o cinema de 1900. Datas: de 18 de maio a 11 de junho de 2022. Local: Cais de Gaia. Organização e produção: exposição organizada pela Fundação ”la Caixa”, com a participação da Cinémathèque Française. Comissariado: Sergi Martín, guionista e escritor.

       @FundlaCaixaPT

 

 

 

Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, e Artur Santos Silva, curador da Fundação ”la Caixa” e presidente Honorário do BPI, acompanhados pelo comissário da exposição, Sergi Martín,apresentaram hoje Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar. Georges Méliès e o cinema de 1900, exposição que explica o nascimento do cinema e presta homenagem àquele que foi considerado o seu primeiro ilusionista. A exposição chega a Vila Nova de Gaia graças à colaboração da Fundação ”la Caixa” com a Cinémathèque Française, a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, o Cais de Gaia e o BPI.

 

No âmbito da sua programação cultural, a Fundação ”la Caixa” dedica especial atenção a manifestações artísticas fundamentais para a formação da sensibilidade contemporânea. Nesta linha incluem-se as exposições consagradas ao cinema, que, juntamente com a fotografia, é a forma de arte mais característica do século XX. Deste modo, nos últimos anos, a Fundação “la Caixa” tem dedicado exposições retrospetivas a grandes nomes do mundo do cinema, como Charles Chaplin, Federico Fellini e Georges Méliès.

 

Depois da grande retrospetiva sobre o cineasta francês, que pôde ser visitada nos últimos dois anos nos centros CaixaForum - centros culturais espalhados pelo território espanhol- a Fundação “la Caixa” apresenta agora um inovador projeto expositivo. Trata-se de uma viagem no tempo que transporta os visitantes para a época em que o cinema se transformou num espetáculo popular, devido, em grande parte, às invenções e técnicas desenvolvidas por Georges Méliès.

 

Filho de um empresário do calçado, Méliès (1861-1938) foi ilustrador, mago, construtor de artefactos, encenador, ator, cenógrafo e técnico de cinema, além de produtor, realizador e distribuidor de mais de 500 filmes entre 1896 e 1912. Reinou no mundo do género fantástico e da trucagem cinematográfica durante quase vinte anos, e o seu contributo para a sétima arte foi fundamental: introduziu o sonho, a magia e a ficção no cinema quando este apenas dava os seus primeiros passos e consistia unicamente em documentários.

 

Perante o cinema documental dos irmãos Lumière, o ato inovador de Méliès consistiu em combinar o universo de Jean-Eugène Robert-Houdin, pai da magia moderna, com a cinematografia de Marey, e em dar impulso ao cinema como espetáculo.

                                                                                                             

Como génio dos efeitos especiais, Méliès aplicou ao cinema truques de magia, pirotecnia, ilusões de ótica, deslocações horizontais e verticais, paragens de câmara, transições encadeadas, sobreposição de imagens, efeitos de montagem e de cor e a técnica da lanterna mágica, entre outros. Tudo parece ter sido inventado e utilizado por este virtuoso da técnica cinematográfica.

 

Méliès gozou de uns bons anos de glória, de extraordinária popularidade, que culminaram com a estreia, em 1902, de Le voyage dans la Lune (A Viagem à Lua), filme visto por milhões de espetadores. Infelizmente, a expansão da indústria cinematográfica e o surgimento de grandes produtoras como a Pathé e a Gaumont conduziram Méliès à ruína e ao esquecimento. Em 1923, totalmente arruinado, destruiu os negativos de todos os seus filmes e acabou a sua vida profissional a vender brinquedos na estação parisiense de Montparnasse. O jornalista Léon Druhot reconheceu-o na estação e foi então que a sua obra começou a ser valorizada e recuperada.

 

Uma viagem à época em que o cinema se transformou num espetáculo popular

 

Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar. Georges Méliès e o cinema de 1900 transporta os visitantes para um ambiente de feira no virar do século, com as suas barracas e o seu ambiente de festa. Foi precisamente neste contexto que o cinema ganhou forma como espetáculo de diversão e de emoções. E, em grande medida, foi graças a um homem, Georges Méliès, que soube entender o que as pessoas desejavam e como devia entretê-las efazê-las sonhar . Os seus filmes traçaram o caminho que os primeiros cineastas iriam percorrer na Europa e nos Estados Unidos.

 

Os diferentes espaços e recursos expositivos mostram como era o mundo e o lazer naquela época, assim como alguns dos aspetos-chave para entender a importância de Georges Méliès. A exposição inclui vários filmes de Méliès (que são complementados com uma seleção de filmes dos irmãos Lumière), peças audiovisuais, cópias de fotografias da época e reproduções de cartazes, desenhos, uma maquete do estúdio de Méliès em Montreuil e alguns objetos da época, como a pasta fantástica de Robert-Houdin, ou o cinematógrafo dos irmãos Lumière.

 

A Fundação ”la Caixa” produziu várias peças audiovisuais que ajudam a entender o mundo de Méliès e a sua influência. Destacam-se três peças que dão a conhecer a opinião de conhecidas figuras do cinema da atualidade, como os realizadores Juan Antonio Bayona e Javier Ruiz Caldera, o guionista e realizador Oriol Capel, o cenógrafo Ignasi Cristià, a crítica de cinema Desirée de Fez, o diretor de fotografia Óscar Faura, a atriz Greta Fernández, o produtor Enrique López Lavigne, o realizador de spots publicitários Fernando Mainguyague, o especialista em maquilhagem e efeitos especiais David Martí e o técnico de montagem Jaume Martí.

 

A exposição Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar. Georges Méliès e o cinema de 1900 está dividida em três partes. A primeira parte apresenta-nos o contexto de Georges Méliès, uma primeira abordagem à viragem do século e aos principais aspetos sociais, políticos e populares do mundo de 1900.

 

Do outro lado da cortina, os visitantes encontrarão a segunda parte, que apresenta o mundo de Méliès e a experiência cinematográfica propriamente dita. O ambiente de feira remete para o cinema do final do século e para a importância de Georges Méliès naqueles primeiros passos do novo espetáculo.

 

A última parte é dedicada a Le voyage dans la Lune, o primeiro filme pensado, criado e distribuído para alcançar o êxito, em 1902. Neste ponto, aprofunda-se a forma como o cinema evoluiu desde a época de Méliès e a influência deste pioneiro na criação da linguagem cinematográfica e na conceção do cinema como espetáculo popular. Explica-se igualmente a trajetória do cineasta, que acabou a sua vida profissional a explorar uma loja de brinquedos em Montparnasse, e como foi novamente redescoberto em 1926 para vir a ocupar, até aos nossos dias, o lugar de uma das figuras-chave do cinema.

 

Fundação ”la Caixa”: 40 milhões de euros para 2022

 

A Fundação ”la Caixa” iniciou em 2018 a sua implantação em Portugal, consequência da entrada do BPI no grupo CaixaBank. Em 2022, irá destinar 40 milhões de euros a projetos sociais, de investigação, educativos e de divulgação cultural e científica. A Fundação mantém o seu compromisso de alcançar um investimento de até 50 milhões de euros anuais nos próximos anos com a implementação de todos os seus programas em Portugal..

 

"Abraço a Saramago": obras de Violante Saramago Matos juntam-se a colectivo de artistas em Vila Nova de Gaia

Exposições na Casa-Museu Teixeira Lopes até 30 de Abril

ABRAÇO A SARAMAGO (cartaz coletiva) (002).jpg

 

“Abraço a Saramago” é o tema de um projecto expositivo em dois momentos que, entre 5 de Março e 30 de Abril, assinala o centenário de José Saramago na Casa-Museu Teixeira Lopes/Galerias Diogo de Macedo, em Vila Nova de Gaia. Uma exposição individual de Violante Saramago Matos, filha do escritor, e uma exposição colectiva que reúne grandes nomes das artes plásticas integram o programa da Onda Bienal promovido pelos Artistas de Gaia – Cooperativa Cultural.

 

Com curadoria de Agostinho Santos, a exposição individual de Violante Saramago Matos dá um “Abraço a Saramago” em 21 obras com forte componente afectiva, numa abordagem íntima à obra do Prémio Nobel da literatura, recriando trechos literários que se cruzam com o pincel da artista.

 

Em simultâneo, Albuquerque Mendes, António Bessa, António José de Carvalho, Avelino Rocha, Bruno Marques, Fernando Barros, Filipe Rodrigues, Henrique do Vale, Isabel e Rodrigo Cabral, Juan Domingues, Lina Carvalho, Luís Silveirinha, Nazaré Álvares, Pedro Calapez, Rui Costa, Rui da Graça, Valter Hugo Mãe e Zulmiro de Carvalho juntam 19 obras numa exposição sobre o mesmo tema, homenageando um dos maiores nomes da língua portuguesa.

 

“José Saramago foi um homem de causas e, no ano do centenário do seu nascimento, a Bienal Internacional de Arte Gaia, através da Onda Bienal – que acontece nos anos de intervalo da Bienal – não podia deixar de destacar a memória colectiva de um escritor de referência, que marcou a nossa História através da sua Obra e da sua vida. Receber uma exposição de Violante Saramago Matos, filha do escritor e artista, é um privilégio que reforça a nossa missão enquanto Bienal de Causas”, refere Agostinho Santos, Director da Bienal Internacional de Arte Gaia.

 

A exposição pode ser visitada de terça-feira a sábado, entre as 9h00 e as 12h30 e das 14h00 às 17h30, estando encerrada aos domingos, segundas-feiras e feriados, e conta com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia.

HOTEL SOLVERDE ACOLHE WORKSHOP GRATUITO DE NUTRIÇÃO DESPORTIVA

No dia 21 de Março

 

 

O Hotel Solverde Spa & Wellness Center, em São Félix da Marinha, Vila Nova de Gaia, acolhe, no próximo dia 21 de Março, entre as 16h00 e as 18h30, um Workshop de Nutrição Desportiva, administrado pelo Dr. António Pedro Mendes, nutricionista do Futebol Clube do Porto.

 

Há cada vez mais portugueses a praticar regularmente uma actividade física e a alimentação desportiva está na ordem do dia, quer para alcançar uma boa performance, melhorar o rendimento físico, controlar o peso ou garantir uma eficaz recuperação muscular. Neste sentido, durante a sessão, António Pedro Mendes irá mostrar as melhores estratégias nutricionais para atletas recreativos e de competição, nos diversos desportos. O especialista também irá focar os suplementos alimentares, que ainda suscitam algumas dúvidas, no sentido de os enquadrar numa alimentação adequada. 

 

Dirigido a nutricionistas, profissionais do desporto e estudantes, este workshop aborda assim várias diretrizes da nutrição desportiva, uma área considerada determinante no desempenho dos atletas. As inscrições são gratuitas e poderão ser efectuadas até ao dia 14 de Março através do email wellness@solverde.pt.

 

Doutorado em Nutrição Clínica, António Pedro Mendes é coordenador da Unidade de Nutrição no Desporto e Actividade Física da Clínica do Dragão - FIFA Medical Centre of Excellence. Formador Bwìzer na área da nutrição aplicada ao desporto, o profissional desempenha também funções de nutricionista no Futebol Clube do Porto e conta, no seu percurso profissional com funções como a coordenação da Unidade de Nutrição e Alimentação do Hospital Agostinho Ribeiro e Santa Casa da Misericórdia de Felgueiras e com a colaboração como nutricionista no Futebol Clube de Paços de Ferreira.

 

Arrábida Sinfónica está de regresso a Vila Nova de Gaia, este sábado (concerto com entrada livre)

Arrábida Sinfónica 2017 - 2- Créditos Casa da M

 

 

 

4ª edição Arrábida Sinfónica 2019

22 de Junho, às 22H00

Praceta Exterior Norte

ArrábidaShopping

Entrada livre

 

 

ORQUESTRA SINFÓNICA DO PORTO CASA DA MÚSICA

Martin André - Direcção musical

Programa:

George Gershwin – Cuban Overture

Darius Milhaud – O boi no telhado

Dimitri Chostakovitch – Suite de Jazz nº 2

 

O Arrábida Sinfónica está de regresso em Junho com uma grande homenagem a um dos géneros musicais mais variados e contagiantes do universo musical: o jazz. A 4ª edição deste concerto sinfónico, que é já uma referência musical “fora” da Casa, volta a juntar a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, a Fundação Casa da Música e o ArrábidaShopping num evento com entrada livre, no dia 22 de Junho, às 22H00, na Praceta Exterior Norte do ArrábidaShopping.

 

À semelhança das edições anteriores, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música sobe ao palco montado na Praceta Exterior Norte do ArrábidaShopping, para apresentar, este ano, um concerto com a direcção musical do maestro inglês Martin André, com sonoridades do jazz na visão de alguns dos mais reputados compositores clássicos. O programa do concerto convida a uma “viagem musical” que começa com os ritmos exóticos e dançantes da Abertura Cubana de Gershwin passando pelos grandes sucessos da música popular brasileira na rapsódia O boi no telhado de Milhaud até à versão bem extrovertida de Chostakovitch e o seu olhar divertido e distante sobre o jazz norte-americano, com Suite de Jazz nº 2.
“Este é um grande concerto sinfónico que Vila Nova de Gaia pretende, em conjunto com os parceiros Fundação Casa da Música e ArrábidaShopping, oferecer à cidade”, afirma a Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Paula Carvalhal.

 

Para Paulo Valentim, director do ArrábidaShopping, “a realização da 4ª edição do Arrábida Sinfónica afirma por um lado o êxito desta iniciativa que ano após ano tem registado um aumento de público que enche a praceta ao ar livre para uma noite animada de música e de festa, e por outro reitera a aposta do ArrábidaShopping na oferta de uma programação cultural diversificada, abrangente e enriquecedora.”

 

“A Fundação Casa da Música, no âmbito do programa Verão na Casa, prossegue a aposta na oferta alargada de grandes concertos de música sinfónica em espaço público e de acesso livre, sendo o Arrábida Sinfónica, um dos marcos desse programa”, como refere Paulo Sarmento e Cunha, director geral da Fundação Casa da Música.

 

Integrado na programação das festas de Vila Nova de Gaia e do Verão na Casa, da Casa da Música, o concerto realiza-se, anualmente, desde 2016, levando a música sinfónica a novos espaços e a novos públicos.

 

Martin André

 

Martin André, Maestro inglês, iniciou a sua carreira internacional em 1986, com a estreia norte-americana de Da Casa dos Mortos de Janáček para a Ópera de Vancouver e tem trabalhado regularmente em países como Áustria, Canadá, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Holanda, Israel, Itália, Nova Zelândia, Portugal, África do Sul e EUA. No domínio da música sinfónica, o seu repertório é extenso e variado, destacando-se particularmente as obras de Mozart, Nielsen, Chostakovitch, que traz ao Arrábida Sinfónica 2019, e Tchaikovski. Tem tido colaborações especialmente duradouras com a Sinfónica de Limburgo, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música e o Collegium Musicum Bergen.

 

 

A ligação de Martin André a Portugal é longa e duradoura. Em 2006, fundou a orquestra portuguesa de jovens Momentum Perpetuum, que dirigiu durante cinco anos e com a qual fez uma digressão em Itália. Entre 2010 e 2013, foi Director Artístico do Teatro Nacional de São Carlos em Lisboa. Foi também Director Executivo de duas das maiores instituições artísticas portuguesas: a Ópera Nacional e a Orquestra Sinfónica Portuguesa. Entre as produções que dirigiu, destaca-se uma trilogia de La traviataIl trovatore e Rigoletto para comemorar o Bicentenário de Verdi em 2013. Com a Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigiu a integral das Sinfonias de Mozart e outras grandes obras sinfónicas e corais.

 

Em 2017 regressou ao Teatro de São Carlos como maestro de ópera. Prosseguiu a sua longa relação com a Opera North, dirigindo L’enfant et les sortilèges (Ravel) e Osud (Janáček), dois projectos muitos aplaudidos pelo público e a crítica, dando continuidade ao forte vínculo que tem com o compositor checo. No Royal Northern College, em Manchester, dirigiu Cendrillon de Massenet. Em 2018 dirigiu inúmeras obras importantes do repertório sinfónico e as óperas A Viúva Alegre (Lehár), Suor Angelica e Gianni Schicchi (Puccini). Em Junho de 2019 volta a dirigir a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, na 4ª edição do Arrábida Sinfónica.

 

Sobre a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música

A Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música foi fundada em 1947, ano em que foi constituída a Orquestra Sinfónica do Conservatório de Música do Porto, que, desde então, passou por diversas designações. Engloba um número permanente de 94 instrumentistas, o que lhe permite executar todo o repertório sinfónico desde o Classicismo ao Século XXI. É parte integrante da Fundação Casa da Música desde Julho de 2006.

 

A Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música tem trabalhado com reputados maestros, solistas e compositores. Nas últimas temporadas, apresentou­-se nas mais prestigiadas salas de concerto de Viena, Estrasburgo, Luxemburgo, Antuérpia, Roterdão, Valladolid, Madrid e no Brasil, e é regularmente convidada a tocar em Santiago de Compostela e no Auditório Gulbenkian.

"Arqueologia em Portugal: Recuperar o Passado em 2017" inaugura a 10 maio em Vila Nova de Gaia

A exposição itinerante “Arqueologia em Portugal: Recuperar o Passado em 2017”, inaugura no próximo dia 10 de maio, às 17:00, na Rua Barão de Forrester, 412 (Centro de Visitas das Caves Croft), em Vila Nova de Gaia, onde permanecerá patente ao público até 10 de junho de 2019. A entrada é gratuita

Promovida pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) em parceria com as Direções Regionais de Cultura do Norte, Centro, Alentejo e Algarve, esta exposição conta também com a participação da Direção Regional da Cultura dos Açores e a colaboração do Grupo The Fladgate Partnership.

O objetivo é promover o conhecimento gerado pela arqueologia e sensibilizar o público para esta atividade, através da apresentação de algumas das mais importantes intervenções e descobertas arqueológicas realizadas em 2017 em todo o território nacional. Anualmente realizam-se mais de 1500 intervenções arqueológicas e são identificados importantes sítios arqueológicos, mas frequentemente esta informação não chega ao cidadão.

Dia 10, na cerimónia de inauguração da exposição, o projeto será apresentado por Maria Catarina Coelho, Diretora do Departamento dos Bens Culturais da DGPC.

De seguida, os arqueólogos Filipe Soares Pinto, Edite Martins de Sá e Carlos Alberto Loureiro realizam uma conferência sobre um dos trabalhos arqueológicos em destaque na exposição, a escavação arqueológica executada no âmbito do projeto turístico-cultural World of Wine, que revelou uma ocupação contínua da cidade de Vila Nova de Gaia desde há mais de 3000 mil anos. O encerramento está a cargo de Elvira Almeida Rebelo, Diretora do Serviço dos Bens Culturais da Direção Regional de Cultura do Norte.

Depois de Lisboa, Faro, Sintra e, agora, Vila Nova de Gaia, esta exposição continuará a percorrer o país durante o corrente ano.