Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

EXPOSIÇÃO "AGUARELAS PARA A RAINHA: O ÁLBUM DE DÜSSELDORF OFERECIDO A DONA ESTEFÂNIA"

 
A exposição vai estar patente no Paço Ducal de Vila Viçosa até abril de 2024
 
 

É já no próximo dia 24 de novembro que irá inaugurar a exposição "Aguarelas para a Rainha: O Álbum de Düsseldorf oferecido a Dona Estefânia", no Paço Ducal de Vila Viçosa, pelas 17h00.

 

descarregar (2).jpg

A exposição revela uma preciosa herança da História e Arte europeias. Através da sua visita, é possível descobrir a história por trás das 22 aguarelas, uma oferta de casamento de D. Pedro V e Dona Estefânia, que imortalizam alguns dos momentos vividos pela família de Dona Estefânia em Düsseldorf, uma oferta com grande valor simbólico para a Casa Real portuguesa no século XIX.

 

O catálogo da exposição, "Aguarelas para a Rainha", dá a conhecer análises críticas e contextualizadas destas pinturas, enriquecendo o entendimento do movimento artístico romântico da época. Uma forma de testemunhar o passado que ganha vida neste evento marcante na Casa de Bragança.

 

O álbum foi alvo de uma reprodução em 2008, ano em que se assinalou o 150º aniversário do casamento real, com estudos de Edmund Spohr, Hatto e Marianne Küffner, tendo sido exposto em 2022 no Museu Nacional de Arte Antiga e, no mesmo ano, em Düsseldorf. O conjunto de aguarelas integra o acervo do Museu-Biblioteca da Casa de Bragança e foi recentemente restaurado pela Fundação da Casa de Bragança. 

EXPOSIÇÃO "AGUARELAS PARA A RAINHA: O ÁLBUM DE DÜSSELDORF OFERECIDO A DONA ESTEFÂNIA" ATÉ ABRIL NO PAÇO DUCAL DE VILA VIÇOSA

descarregar (1).jpg


A exposição que inaugurou em novembro de 2023 pode ser visitada até ao próximo mês de abril.

O Paço Ducal de Vila Viçosa tem a decorrer até abril a exposição "Aguarelas para a Rainha: O Álbum de Düsseldorf oferecido a Dona Estefânia".

A exposição revela uma preciosa herança da História e Arte europeias. Ao visitar a exposição, é possível descobrir a história por trás das 22 aguarelas, uma oferta de casamento de D. Pedro V e Dona Estefânia, que imortalizam alguns dos momentos vividos pela família de Dona Estefânia em Düsseldorf, uma oferta com grande valor simbólico para a Casa Real portuguesa no século XIX.

 

O conjunto de aguarelas integra o acervo do Museu-Biblioteca da Casa de Bragança e foi recentemente restaurado pela Fundação da Casa de Bragança.

 

Patente no Paço Ducal de Vila Viçosa até abril de 2024.

 

FUNDAÇÃO DA CASA DE BRAGANÇA PROMOVE CONCERTO DO DIA DE REIS NA IGREJA DOS AGOSTINHOS

A iniciativa decorre no dia 6 de janeiro, pelas 19h00

descarregar.png

A Igreja dos Agostinhos, em Vila Viçosa, vai acolher o concerto do Dia de Reis, com a atuação do Rancho Coral Etnográfico de Vila Nova de São Bento. A iniciativa promovida pela Fundação da Casa de Bragança decorre no dia 6 de janeiro, pelas 19h00.

O repertório será constituído por cantigas alusivas à efeméride e outras que fazem parte das atuações do Grupo.

O evento musical é aberto a toda a população e de entrada gratuita e assinala esta data comemorativa e tradicional para muitos portugueses.

O Rancho Coral Etnográfico de Vila Nova de São Bento tem feito um trabalho distinto na cimentação e divulgação do cante alentejano, reconhecido como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2014.

:::CONCERTO "A ÁGUA" DECORRE NA CAPELA DO PAÇO DUCAL DE VV | PRÓXIMO DIA 25 DE AGOSTO

O concerto está marcado para as 21h00 e tem entrada livre

 

descarregar (3).jpg

A Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa acolhe, no dia 25 de agosto, pelas 21 horas, o concerto 'A Água', quinto evento musical da temporada de concertos de 2023, organizada pelo Museu-Biblioteca da Casa de Bragança.

O concerto "A Água" será executado pelo grupo Avres Serva, com Patrícia Modesto (soprano), Miguel Carvalho (baixo), António Lourenço Menezes (contratenor), Nuno Oliveira (órgão histórico, piano histórico e direção), e Simão Andrade (tenor).

O grupo fez a sua estreia em concerto no Festival Internacional de Música dos Capuchos e pretende abordar diversos períodos da história da música, com especial ênfase para a música dos séculos XVI a XVIII em interpretações historicamente informadas.

Criado em 2015 por Nuno Oliveira, que tem a seu cargo a direção musical e a seleção do repertório a apresentar, o grupo junta os cantores e instrumentistas necessários à execução das obras a que se propõe, sendo que todos eles colaboram regularmente com vários agrupamentos portugueses ou estrangeiros.

 

SOBRE A FUNDAÇÃO DA CASA DE BRAGANÇA: 

PAÇO DUCAL DE VILA VIÇOSA ACOLHE CONCERTO 'MAR MOR' A 28 DE JULHO


A entrada é livre e decorre pelas 21h00

 

descarregar.jpg

A Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa acolhe o concerto "MAR MOR" no próximo dia 28 de julho, pelas 21 horas, mais uma iniciativa da temporada de concertos de 2023, organizada pelo Museu-Biblioteca da Casa de Bragança. O concerto conta com a participação de Patrizia Giliberti, pianista e cravista, e do ator Manuel Coelho.

Este Concerto centra-se na vida e na sua diversidade, e procura estradas poéticas, ao encontro do imenso horizonte, que desvende, e mostre, o universo como espaço de livre pensamento, onde diferentes pessoas com diferentes culturas e diferentes formas e maneiras de olhar e sentir, possam coabitar.
 


Patricia Giliberti
Nasceu em Matera, Itália. Nesta mesma cidade, no Conservatório de Música, concluiu o Curso Superior de Piano e Cravo. A sua atividade como concertista desenvolveu-se quer a solo quer integrando outras formações, em várias cidades italianas.
Em Portugal, desde 1998, participou em cursos de aperfeiçoamento de cravo, com Emilia Fadini, Gustav Leonhardt, e piano, com Paul Badura Skoda, Boris Berman, Sequeira Costa e Aldo Ciccolini.



Manuel Coelho
Estreou-se em 1970, aos 16 anos, no Grupo de Teatro de Campolide, hoje Companhia de Teatro de Almada, com direção de Joaquim Benite. Licenciado em Direito, frequentou o Conservatório Nacional, Escola Superior de Teatro. Foi cofundador do Grupo de Teatro Proposta, com direção de Fernando Gusmão, e do Teatro Popular de Almada com José Viana e Rogério Paulo.
É Diretor do Teatro Comunitário “O Baile”.

QUARTETO STACCATO É O PRÓXIMO CONCERTO A DECORRER NA CAPELA DO PAÇO DUCAL DE VILA VIÇOSA, NO DIA 30 DE JUNHO

A entrada é livre e decorre pelas 21h00

descarregar (1).png

descarregar.png

A Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa acolhe o concerto 'Quarteto Staccato' no próximo dia 30 de junho, pelas 21 horas, mais um evento musical da temporada de concertos de 2023, organizada pelo Museu-Biblioteca da Casa de Bragança. O quarteto formado em 2020, é constituido por João Sebastião, tenor, Bárbara Duarte, violoncelo, Marcos Lázaro, violino, Viktorya Gakman, piano.

Programa

"Música Romântica - Au bord de l'eau"
 

 Gabriel Fauré:         "Au bord de l'eau"

                                  " Les berceaux"

 

Charles Trenet:         "La mer"
 

 Maurice Ravel          "Jeux de l’eau" (piano solo)
 

 Franz Schubert:      1. "Am Meer" (No Mar)
                                  2."Am See» (No Lago)

                                 3."Am Flusse" (No Rio)
                                 4. 4 primeiras canções de "A Bela Moleira”: 

                                   "Der Wanderer”; “Wohin”; “Halt”; “Danksagung an den Bach”

Federico Mompou       “El Lago” (piano solo)

                                        “Jo et pressentia com la mar”

                                       

                             
João Sebastião
Iniciou os seus estudos no Instituto Gregoriano aos 8 anos, prosseguindo-os no
Conservatório Nacional. Em 2001, ingressou a licenciatura em Canto, em Amesterdão, na classe do professor alemão Udo Reinemann tendo realizado masterclasses com Noelle
Barker, Jill Feldman, Peter Harrison, Richard Miller, entre outros.


Marcos Lázaro
Natural de Cascais. Inicia os estudos de música aos sete anos na classe de violino de
Marie Louise Fischer e de Dov Bartov na Grundmusikschule Arlesheim na Suiça onde
obtêm um 2o prémio de músicos juvenis dessa mesma instituição. Em Basileia,frequenta a Jugendsinfonie Orchester der Régio com o maestro Albert E. Kaiser realizando inúmeros concertos em toda a Suiça, Alemanha, Alsácia, Lichtenstein, Itália e Áustria.

Bárbara Duarte

Nasceu em Lisboa e iniciou os seus estudos musicais na Fundação Musical dos Amigos
das Crianças, onde concluiu o 8o grau de violoncelo e onde lhe foi atribuído o Prémio
Fernando Costa. Posteriormente, estudou na Academia Nacional Superior de Orquestra,
em Lisboa. Licenciou-se em violoncelo, na Escola Superior de Artes de Castelo Branco, na classe dos professores Miguel Rocha e Catherine Strynckx.


Viktorya Gakman
Iniciou os seus estudos musicais na cidade de Chernivtsi, na Ucrânia, onde concluiu o
Curso Básico de Piano e o Curso Superior de Direcção Coral. Trabalhou como pianista e maestrina no Teatro de Arte Dramática e Musical de Chernivtsi onde permaneceu quinze anos. Realizou inúmeros arranjos para Orquestra e Piano. Foi pianista acompanhadora em diversos concursos nacionais e internacionais - Kiev, Lviv, M. Strihardge, Novie Imena e Vesennaya Rapsódia. Na Ucrânia foi professora de Canto e de Piano.

 

EXPOSIÇÃO 'VIAGEM AO MEDITERRÂNEO' PATENTE ATÉ 30 DE ABRIL NO MUSEU-BIBLIOTECA DA CASA DE BRAGANÇA

descarregar (7).jfif

Até 30 de abril, ainda é possível visitar a exposição "Viagem ao Mediterrâneo" que está presente no Museu-Biblioteca da Casa de Bragança, em Vila Viçosa. A Biblioteca de D. Manuel II conserva 3 cadernos pautados, onde o Infante D. Manuel descreve a visita que realizou pelo Mar Mediterrâneo, com a mãe, a Rainha Dona Amélia, o irmão, o Príncipe D. Luís Filipe, e um séquito reduzido, entre Fevereiro e Maio de 1903.

Viagem de lazer, com um roteiro de património cultural bem definido, é contudo perceptível que a Rainha Dona Amélia foi sucessivamente acolhida como representante da coroa portuguesa.

O relato inclui todas as etapas do percurso, no qual se destaca a estadia no Egipto como o ponto mais alto. A ilustrar a descrição, guardam-se no Museu-Biblioteca da Casa de Bragança numerosas fotografias, avulsas e em álbuns organizados pela Família Real, tal como alguns objectos.

Esta mostra tem como objetivo apresentar e evocar a viagem, através das palavras do jovem príncipe, das imagens e das peças adquiridas ou doadas, e pode ser visitada até ao final do próximo mês.

No dia 29 de abril, pelas 16h00, irá realizar-se uma visita guiada pelo comissário da exposição
.
 

FUNDAÇÃO DA CASA DE BRAGANÇA INICIA TEMPORADA DE CONCERTOS NO PAÇO DUCAL EM VILA VIÇOSA

descarregar (1).png

 

 

FUNDAÇÃO DA CASA DE BRAGANÇA INICIA TEMPORADA DE CONCERTOS NO PAÇO DUCAL

EM VILA VIÇOSA

descarregar (3).png

A Capela do Paço Ducal, em Vila Viçosa, volta a acolher uma temporada de concertos organizada pelo Museu-Biblioteca da Casa de Bragança.  Entre abril e dezembro, irão decorrer oito concertos, sempre na última sexta-feira de cada mês, a partir das 21 horas.

O tema para este ano é a ÁGUA e o primeiro evento ocorre já no próximo dia 28 de abril, um duo de canto e piano intitulado "Acqua in Musica", com a participação de Cátia Moreso e João Paulo Santos.

A entrada é gratuita, limitada à capacidade do espaço.


Agenda de Concertos 2023

 

 

 

CÁTIA MORESO E JOÃO PAULO SANTOS INAUGURAM TEMPORADA DE CONCERTOS NO PAÇO DUCAL EM VILA VIÇOSA

 

descarregar (1).png

 
A temporada de concertos na Capela do Paço Ducal, em Vila Viçosa, organizada pelo Museu-Biblioteca da Casa de Bragança, inicia já no próximo dia 28 de abril, com a participação de Cátia Moreso, mezzo-soprano e de João Paulo Santos, na direção musical, piano e comentários, no concerto 'Acqua in Música", a partir das 21 horas.

A água, na música, é mais do que uma simples gota no oceano. Através da escrita musical, compositores imaginam a água correndo nos rios, caindo do céu, cativa nos lagos; água como uma única gota de chuva ou como um mar inteiro. E onde as criaturas míticas, como ninfas ou sereias, também têm o seu lugar de destaque.

Num concerto comentado pelo conhecido maestro João Paulo Santos, que também fará o acompanhamento ao piano, Cátia Moreso, por muitos considerada a melhor mezzo-soprano portuguesa da actualidade, dará voz a belas árias e canções evocativas da água.

A entrada é gratuita, limitada à capacidade do espaço.

PROGRAMA
 
Franz Liszt (1811-1886)
Die Loreley (Heinrich Heine)
 
Felix Mendelssohn (1809-1847)
Schilflied Op. 71 Nº 4 (Lenau)
 
Franz Schubert (1797-1828)
Der Zwerg Op. 22 Nº 1 (Matthäus von Collin)
 
Luiz Costa (1879-1960)
Canção Marinha op. 8 Nº 1 (Teixeira de Pascoaes)
 
Joly Braga Santos (1924-1988)
Delgadas, claras águas do Mondego (Luís de Camões)
 
Gabriel Fauré (1845-1924)
Au bord de l’eau (Sully Prudhomme)
Les Berceaux op. 23 Nº 1 (Sully Prudhomme)
 
Edward Elgar (1857-1934)
Sea Pictures Op. 37:
1. Sea Slumber-Song (Roden Noel)
2. In Haven (Caroline Alice Elgar)
3. Sabbath Morning at Sea (Elisabeth Barret Browning)
4. Where Corals Lie (Richard Garnett)
5. The Swimmer (Adam Lindsay Gordon)
 

 

:::"TRIO DE MADEIRAS" ATUA NA CAPELA DO PAÇO DUCAL DE VILA VIÇOSA

"TRIO DE MADEIRAS"
SOB A DIRECÇÃO MUSICAL DE ANTÓNIO SAIOTE

ATUA NA CAPELA DO PAÇO DUCAL DE VILA VIÇOSA

DIA 9 DE DEZEMBRO | 21H00 | ENTRADA LIVRE

descarregar.png

Sob a direção musical do internacionalmente aclamado maestro, clarinetista e pedagogo António Saiote, o Trio de Madeiras (clarinete, flauta e fagote), formação única no panorama musical português pela excelência dos músicos que a integram, apresenta dia 9 de dezembro, na Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa, um inesperado concerto com obras de compositores tão diversos como Beethoven, Poulenc, Françaix, Villa-Lobos, Koechlin e Kummer.

O Trio de Madeiras é formado por António Saiote, que escreveu a história do Clarinete em Portugal e desde 1998 desenvolve paralelamente uma profícua carreira de maestro tendo dirigido todas as orquestras portuguesas e orquestras em Espanha, Venezuela, França e Alemanha. Com um percurso profissional extenso, rico e único junta-se a Anabela Malarranha, na Flauta, que conta com atuações como solista em várias orquestras nacionais e atual membro da Orquestra Sinfónica Portuguesa. O Trio fica completo com Lurdes Carneiro no Fagote, desde 2017 na Orquestra Metropolitana de Lisboa como Fagote - Solista B, e desde 2018, no lugar de Solista A.

Os concertos da Fundação da Casa de Bragança acontecem sempre na última sexta-feira de cada mês, exceto o de Dezembro, que tem sempre lugar antes do Natal, na Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa, às 21h, com entrada livre.