Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Comemorações do Dia Nacional do Azulejo | Visitas e conferência sobre património azulejar do concelho de Palmela com o Dr. José Meco

 

 

Comemorações do Dia Nacional do Azulejo

Município de Palmela promove duas visitas/conferência temáticas sobre património azulejar

 

 

No âmbito das comemorações do Dia Nacional do Azulejo, assinalado a 26 de maio, o Município de Palmela promove duas visitas/conferência temáticas sobre o património azulejar de Palmela, orientadas pelo Dr. José Meco.

A conferência “A produção azulejar de Maria Keil para a Colónia de Férias da EDP, em Palmela” decorre às 10h30, na Colónia de Férias da EDP, em Palmela (Estrada Nacional 379) e, mais tarde, às 15h30, a antiga Estação Ferroviária de Pinhal Novo (em musealização) acolhe a conferência/visita “Os azulejos da antiga Estação de Caminhos de Ferro de Pinhal Novo, no contexto da épica e da arquitetura ferroviária”.

Com entrada gratuita, a participação nas visitas/conferência está sujeita a inscrição prévia, entre 21 e 24 de maio, através do e-mail patrimonio.cultural@cm-palmela.pt ou do telf. 212336640.

 

 

Festa do Património acontece em Tarouca | dias 18 e 19 maio | entrada livre

DIAS DO PATRIMÓNIO A NORTE

FADISTA ALDINA DUARTE É CABEÇA DE CARTAZ

 

Mosteiro de Santa Maria de Salzedas

18 e 19 maio 2018

 

image002.jpg

Aldina Duarte atua no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, no próximo dia 19 maio, pelas 21h30, naquele que será o espetáculo de encerramento do evento Dias do Património a Norte, em Tarouca.

 

Esta é a segunda iniciativa do Ciclo Dias do Património a Norte (cuja inauguração ocorreu em abril, no Mosteiro de Arouca), um evento em rede promovido pela Direção Regional de Cultura do Norte e que, ao longo de seis meses (de abril a setembro), vai transformar oito lugares patrimoniais da região Norte, em palcos de uma programação artística, cultural e gastronómica, desenhada com o traço da identidade singular de cada território.

 

A iniciativa é promovida pela Direção Regional de Cultura do Norte em parceria com os municípios locais, representando um investimento total de 400 mil Euros, cofinanciado pelo Programa Norte 2020, através do FEDER.

 

O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas é assim o segundo palco dos Dias do Património a Norte. O Mosteiro abre-se para proporcionar um dia de descobertas e experiências singulares. Fazemos uma visita com quem melhor conhece os seus recantos, estórias e memórias, conversamos sobre Paisagem Cultural – o resultado da interação do Homem com a Natureza, e a sua importância para a proteção do legado comum das comunidades.

 

Em jeito de piquenique, conhecemos, pelas mãos de um Chef que tem o foco do seu trabalho na riqueza dos produtos locais e sazonais, reinterpretações da Baga do Varosa (o conhecido sabugueiro). Em família, ouvimos uma história, vinda de longe, sobre a importância da água e da sustentabilidade dos recursos naturais. Duas das comunidades locais apresentam-nos uma performance musical e uma instalação visual. E, quando a noite se fizer chegar, ocupamos um dos claustros do Mosteiro para ouvir a inconfundível Aldina Duarte e o seu último trabalho, “Quando se ama loucamente”.

 

Assente na riqueza do passado, criamos memórias no presente e celebramos o nosso Património!

 

 

PROGRAMA

 

Sexta | 18 de maio

 

10:00 - Visita-Jogo ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas*

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho

dinamização: Juliana Sá

vários espaços do Mosteiro

* reservada às escolas

 

O mosteiro guarda segredos que nunca foram desvendados. Visitá-lo, conhecer a sua história e resolver os seus enigmas, revela-nos pistas cada vez mais interessantes e misteriosas, que nos levam a um surpreendente desfecho final.

 

 

Sábado | 19 de maio

 

 

10:30 - Visita-Jogo ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas

conceção: Ondamarela, OOF Design e Artur Carvalho

dinamização: Juliana Sá

vários espaços do Mosteiro

 

 

11:30 - Teatro para famílias | À Espera que Volte, Teatro da Serra do Montemuro

Claustro da Colação

 

O homem forte e bom que vem ao nosso encontro, é Piotor. Piotor não é português. Caiu de um avião de carga numa noite de temporal, numa serra árida onde depois de muito andar no escuro, encontra um cão. Esse cão é pastor e leva-o para junto do seu rebanho. O rebanho leva-o para a aldeia. Na aldeia há um teatro e o vazio que Piotor sentia preencheu-se.

Piotor trouxe consigo uma história sobre a água...sobre uma gota de água que ao cair do céu da Rússia, transforma as crianças que a querem ouvir, em pequenos russos que em vez de mãos, têm o poder de trazer a chuva e o dilúvio para dentro de casa.

Quando a história termina, as crianças só esperam que a gota de água volte a cair para refrescar os seus dedos...

 

Texto de Madalena Victorino e Paulo Duarte

Encenação de Madalena Victorino Assistente de Encenação Abel Duarte Cenografia e Figurinos de Sandra Neves Costureiras Capuchinhas CRL e Maria do Carmo Félix Direção Musical e Banda Sonora de Fernando Mota Cenários e Adereços Carlos Cal e Maria da Conceição Almeida Interpretação Piotor (Paulo Duarte) a sua Sombra (Maria da Conceição Almeida) e sete pequenos músicos russos Direção de Produção e Comunicação Paula Teixeira

Agradecimentos Maryana Bardashevska, Camila Correia, Carolina Correia e Frederico Duarte Vídeo e Fotografia de Lionel Balteiro

 

 

14:30 Visita Guiada por membros da comunidade | Os mosteiros e a reorganização do tempo

guias: Doutor Luís Sebastian e Mestre Humberto

ponto de encontro: entrada do Mosteiro

 

A história de um local não é apenas um conjunto de factos escritos ou estudados. Nesta visita cruzamos o conhecimento científico acerca do Mosteiro com um conjunto de outras dimensões. As histórias do Mosteiro e a sua relação com o conceito de tempo são o mote para que vivenciemos este espaço com um outro olhar. Uma visita guiada com pormenores únicos.

 

 

15:30 - Conversas | Paisagem Cultural

convidados: Professora Doutora Maria Alegria Marques, Doutora Natália Fauvrelle, Dr. Bruno Cardoso

Cadeiral da Igreja do Mosteiro

 

Reconhecida pela UNESCO como um bem cultural há pouco mais de duas décadas, a Paisagem Cultural define-se pelo resultado e processo de interação do Homem e a Natureza. À riqueza e singularidade social e ambiental, valor intrínseco de uma certa paisagem, soma-se o valor afetivo pela identificação e sentimento de pertença que inspira às respetivas populações. Num tempo de vertiginosas mudanças, marcado pela transitoriedade e pela “barbárie estética” e ética, cuidar da paisagem cultural é um imperativo para a salvaguarda do fundo comum das comunidades.

 

 

17:30 - Piquenique | Sabugueiro – O tempo e o produto

com o Chef Tiago Emanuel Santos

Claustro da Colação

 

Pelas mãos dos Monges de Salzedas, a Baga do Varosa, mais conhecida por Sabugueiro, é introduzida no território e assume papéis fundamentais para as mais variadas atividades humanas, principalmente na alimentação e produção de bebidas. Inspirado nos saberes ancestrais, o Chefe Tiago Emanuel Santos traz-nos uma proposta de redescoberta da tradição, do saber ancestral e do produto local desenvolvido através do tempo, da arguta e do engenho dos Monges de Salzedas. Partilhe connosco a toalha, a Cerveja, o Espumante, o Queijo, o Mel e o Pão desta localidade todos elaborados a partir da mesma origem, a Baga e a Flor de Sabugueiro.

 

 

18:30 - Performance musical e instalação visual

coordenação de Samuel Martins Coelho e Paulo Pimenta

com a participação de elementos da Sociedade Filarmónica de Salzedas e do Grupo Caminho da Esperança

Sala do Capítulo e outros espaços do Mosteiro

 

Esta é uma nova criação, desenhada com as comunidades de Salzedas que cruzará a fotografia e a música. Uma obra artística que reflete a identidade dos participantes, da sua música e da sua cultura. Os artistas Samuel Martins Coelho (músico, construtor de instrumentos)  e Paulo Pimenta (fotojornalista) constroem com um grupo muito diverso de pessoas um espetáculo único e irrepetível.

 

 

21:30 Concerto | Aldina Duarte

Claustro do Capítulo

 

Quando a forma faz jus ao conteúdo, temos um  disco escrito por  Aldina Duarte - “Quando Se Ama Loucamente”  -  um elogio da paixão, que nasce da oferta de um tema inédito de Manuel Cruz (Ornatos Violeta) a Aldina. Um tributo à escritora Maria Gabriela Llansol  e um encontro do fado com diversas artes: fotografia,  grafismo, pintura e literatura, tendo como convidados especiais, Hélia Correia, João Barrento, Maria do Rosário Pedreira e Pedro Cabrita Reis.

Aldina Duarte transportará todo este Universo para o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, com a certeza de que estaremos diante de um espetáculo único.

 

 

Casa da Memória de Guimarães celebra 2º aniversário a 25 de abril

2º aniversário da Casa da Memória de Guimarães assinala-se a 25 de abril com programação com entrada livre ao longo de todo o dia

 

97D81332-BD49-49A4-958A-ED197BBC7E79.png

 

 

 

No simbólico mês da liberdade, a Casa da Memória de Guimarães (CDMG) celebra o seu 2º aniversário de portas abertas a todos quantos queiram conhecer os cantos da Casa. No próximo dia 25 celebra-se para lembrar que a Casa da Memória está aberta ao mundo há dois anos e prossegue o seu caminho como espaço de lembrança, de inclusão e tolerância, de conhecimento e partilha, de pluralidade e diversidade. É desta forma que a CDMG se posiciona no território a que pertence e na comunidade que serve. É assim desde a sua abertura, assim promete continuar no ano que há de vir.

 

Neste dia comemorativo, a Casa da Memória propõe ao público uma série de atividades com entrada livre que promovem a experimentação, a visita, o intercâmbio e, claro, a memória. Com atividades em modo contínuo, durante a manhã e a tarde, a Casa oferece um vasto programa de visitas e oficinas (10h00-13h00 e 14h00-18h00) que estimula a descoberta, a pertença e a participação. Dos bordados à expressão plástica, da olaria ao movimento, da cozinha à música, da fotografia à narração. A entrada é livre e para todas as idades. O programa de visitas e oficinas disponíveis ao longo deste dia pode ser consultado em www.casadamemoria.pt.

 

Às 15h00 terá lugar uma conversa que tem como mote a pergunta “Onde estava no 25 de abril de 1974?”, juntando o público às convidadas Ana Maria Lopes, Joaquina Campos, Manuela Juncal, Milice Ribeiro dos Santos e Rosa Guimarães, numa conversa participada pela assistência e moderada por Matilde Seabra. A pergunta ficou célebre na caricatura de Herman José a Baptista Bastos. Agora, é tempo de lhe dar resposta na Casa, derivando do plano do humor para o vasto campo da memória. Onde estávamos a 25 de abril de 1974? O que fazíamos? O que lembramos? Pelo segundo ano consecutivo na CDMG, este encontro coletivo na sala do Repositório recebe memórias de um dia inesquecível.

 

As atividades deste dia incluem também a projeção do filme “Toute La Mémoire du Monde” (Alain Resnais, 1956, 21 min.). Apresentado por Eduardo Brito, o filme “Toda a Memória do Mundo” é tanto um olhar sobre o funcionamento interno da Bibliothèque Nationale de France em Paris como uma peça meditativa sobre a fragilidade da memória humana e as formas pelas quais tentamos fortalecê-la.

 

Volvidos dois anos desde a sua inauguração, a Casa da Memória projeta o futuro assegurando continuar, na sua exposição permanente, a receber interpretações do indivíduo ao grupo, da oficina à visita guiada; continuar com as suas atividades de mediação destinadas a todas as idades, continuar com o seu Repositório não só como espaço de reflexão e de lembrança (seja pelo acolhimento de debates, conferências e conversas, seja pela disponibilização em intranet e internet de acervos), mas também como lugar de onde saem projetos de investigação que unem a memória, nas suas múltiplas formas a Guimarães. O terceiro ano da CDMG promete acolher edições em torno da fotografia de e em Guimarães, bem como investigações sobre árvores-memória e à volta de uma certa marginália do Concelho.

 

Recordamos que a Casa da Memória se encontra aberta de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita. A programação pode ser consultada em www.casadamemoria.pt.

Moinho Nascente de Alburrica

 

Aberto para visitas | População em geral

 

convite_visitas_moinho1.jpg

 

 

O Moinho Nascente de Alburrica, localizado na orla ribeirinha do Concelho, irá estar aberto a visitas, para a população em geral, todos os meses, até final de junho de 2018. A próxima visita realiza-se no dia 17 de fevereiro, entre as 15h00 e as 17h00. As visitas são gratuitas, mas as inscrições obrigatórias e devem ser efetuadas junto do Posto de Turismo do Município (Terminal Rodo-Ferro-Fluvial do Barreiro - loja nº 10); Tel. 21 206 82 87; E-mail: postodeturismo@cm-barreiro.pt; Horário: 3ª a sábado, das 9h30 às 13h00 e das 14h30 às 18h00).

 

A calendarização proposta para os próximos meses é a seguinte:

17 de março, 7 e 8 de abril (no âmbito do Dia Nacional dos Moinhos), 19 de maio e 23 de junho de 2018.

 

O Moinho de Vento Nascente de Alburrica, de tipologia tradicional, foi reabilitado pela Autarquia do Barreiro de forma a readquirir as características funcionais originais, tendo para isso sido dotado de um engenho novo e necessário ao seu funcionamento.

No espaço de Alburrica, a atividade moageira esteve presente desde o séc. XV, primeiro através dos moinhos de maré que, por exigência dos tempos, foram dando lugar a moagens mais produtivas como o caso dos moinhos de vento. Em Alburrica, os três moinhos de vento foram mandados construir em 1852, um por José Francisco da Costa - o Moinho de vento Poente - e dois por José Pedro da Costa, o Moinho de vento Nascente e o Moinho Gigante, assim chamado por ser de tipologia inglesa.

De forma a poder fazer eco da sua importância enquanto Património histórico edificado e manter viva a memória de uma atividade tradicional, tão importante durante séculos, até ao aparecimento das moagens a vapor, este Moinho de vento Nascente, pode agora ser redescoberto nestas visitas guiadas.

 

 

CMB

Programa de Comemorações 35 Anos do Museu da Terra de Miranda e Centenário do Nascimento de António Maria Mourinho

image002.jpg

 

Por ocasião da comemoração dos 100 anos do nascimento de António Maria Mourinho e, simultaneamente, os 35 anos da criação do Museu da Terra de Miranda, a Direção Regional de Cultura do Norte e o Museu da Terra de Miranda preparam um programa evocativo da efeméride, a realizar nos dias 18 de maio (Dia Internacional dos Museus) e 20 de maio (Noite dos Museus).

 

Programa

18 maio (Dia Internacional dos Museus)

16h00 Inauguração da Exposição «António Maria Mourinho - Memórias de uma Vida»

(em colaboração com o Município de Miranda do Douro e com o espólio de Ilídio Cristal)

17h00 Lançamento de Vinho Comemorativo: 35 anos do Museu da Terra de Miranda e 100 anos do Nascimento de António Maria Mourinho

(com a colaboração dos vinhos José Preto)

 

20 maio (Noite dos Museus)

Visitas Guiadas à Exposição de António Maria Mourinho

21h00 Fiadouro, representado pela Associação Cultural e Recreativa Duas Igrejas

22h00 Reabilitação da «Dança das Flores», realizada pelo grupo de Duas Igrejas

22h30 Dança das Fitas, realizada pelo grupo de Sendim

23h00 Atuação do Grupo de Pauliteiros de Malhadas

(abertura do Museu até às 24h00)

 

O Museu da Terra de Miranda está situado no centro histórico de Miranda do Douro, instalado na antiga Domus Municipalis da cidade, edifício do século XVII. Fundado em 1982, o museu evoca o tempo longo do planalto mirandês. A visita permite descobrir traços característicos da vida social e cultural de uma região cuja forte identidade, manifesta na presença da língua mirandesa (segunda língua oficial da República Portuguesa desde 1999) e ancorada na agricultura, na pecuária e no comércio de fronteira, passa hoje por evoluções profundas e rápidas.

 

António Maria Mourinho (14 de fevereiro de 1917 - 13 de julho de 1996) foi padre, professor, historiador, etnógrafo e folclorista.

A etnologia e a arqueologia foram áreas de conhecimento que o apaixonaram e às quais se dedicou com entusiasmo e afeição em grande parte da sua vida, podendo colocar a criação do museu como um marco do seu trabalho, e, num dos seus maiores sonhos e ambições. Sonho este, que começa a ganhar forma, através de uma recolha sistemática, pensada para o efeito e orientando também a ideia de preservar toda uma riqueza arqueológica, e etnográfica, orgulho de toda esta região, tão rica em história e em arte, e que se encontrava dispersa deficientemente protegida ou mesmo em vias de destruição. Por fim, concretizando um desejo de longa data no dia 18 de maio (Dia Internacional dos Museu) de 1982 é inaugurado o Museu da Terra de Miranda ficando instalado no antigo edifício da Câmara Municipal, e antiga cadeia comarcã, já adaptados para o efeito.

António Maria Mourinho era apaixonado pela sua terra, pela sua cultura e pelas suas gentes, trabalhou intensamente para o fortalecimento da identidade da Terra de Miranda pela via da etnografia e da antropologia. Tinha uma visão aberta para o seu tempo, sempre com a preocupação de compreender a sociedade da sua época.

 

Parques de Sintra associa-se às comemorações do 25 de abril com abertura gratuita do Palácio Nacional de Queluz

Palacio_Nacional_de_Queluz_creditos_PSML_Wilson_Pe

 

A Parques de Sintra associa-se às comemorações do 25 de abril, Dia da Liberdade, com a abertura gratuita, até às 14h30, do Palácio Nacional e Jardins de Queluz.

 

A última entrada será às 14h00, já que o monumento encerra ao público às 14h30 devido à realização de eventos oficiais.

 

EPAL assinala Dia Mundial da Água com visitas gratuitas ao Museu da Água

Outdoors_FILLFOREVER_2017_MDA_aqueduto.jpg

 

Para comemorar o Dia Mundial da Água, que se assinala no dia 22 de março, a EPAL está a promover um conjunto de iniciativas no âmbito da sua nova campanha: “EPAL Faz Parte da História da Água em Lisboa”. A par das visitas gratuitas ao Museu da Água, que se realizará durante uma semana serão realizadas ações com aguadeiros que oferecerão água da torneira nas ruas de Lisboa, para assinalar esta efeméride.-

No dia 22 de Março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água, a EPAL lança a campanha “EPAL FAZ PARTE DA HISTÓRIA DA ÁGUA EM LISBOA”. Esta campanha, com enfoque no singular património museológico da empresa, pretende promover e valorizar os diversos Núcleos do Museu da Água, parte indissociável da história do abastecimento de água à cidade, e um legado único da nossa arquitetura, cultura e saber.

Esta iniciativa da EPAL pretende convidar os munícipes, visitantes da capital e turistas a conhecerem estes espaços magníficos, com a abertura gratuita a toda a população durante a semana de 22 a 29 de Março.

A nova campanha conta ainda com uma campanha de ativação de rua, a ocorrer no Dia Mundial da Água, com a presença de aguadeiros que, uma vez mais, saem à rua para oferecer água da torneira de excelente qualidade, bem como, materiais informativos sobre os núcleos do Museu da Água. Esta ação de rua terá lugar na Av. da Liberdade, no Parque Eduardo VII e nos jardins envolventes ao Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras e do Reservatório da Patriarcal.

Sobre a campanha:

“EPAL FAZ PARTE da SUA HISTÓRIA” evidencia o percurso da água através das infraestruturas históricas de transporte, armazenamento e distribuição deste bem essencial para consumo pelos habitantes da capital, ao longo de eras e gerações, fator condicionante do progresso da cidade e parte integrante das vivências dos seus habitantes.

Esta campanha, enquadrada nas comemorações Dia Mundial da Água, pretende atrair a cidade, os clientes e munícipes, para a o grande evento do próximo ano - a celebração dos 150 anos da EPAL.


Informações adicionais:

 

Bernardo Pessanha | Tlm. 963 432

Percursos pela história da arte e dos símbolos no Museu do Oriente

Visitas orientadas, workshop e conferência

 

Percursos pela história da arte e dos símbolos no Museu do Oriente

 

Índia Ritual.jpg

 

 

Explorar a história da arte e suas simbologias, fazendo a ponte entre ocidente e Ásia, é a sugestão do Museu do Oriente através de conferências, visitas orientadas às colecções e workshops, que se realizam até ao final do ano.

 

“Deusas e devotas: o hinduísmo no feminino” é o tema da conferência da próxima terça-feira, dia 25 de Outubro, com entrada livre, integrada no ciclo de conferências ‘A Índia Ritual’. Juntando as perspectivas da antropologia com o universo museológico, os temas apresentados são ilustrados com peças do Museu, enquadrando-as nos contextos sociais, culturais e religiosos da Índia.

 

O ciclo termina no dia 22 de Novembro, com a conferência “Nossa Senhora da Conceição, Ganesh e Ghumat”, também de entrada livre, que foca os cruzamentos entre catolicismo e hinduísmo em Goa.

 

No dia 28 de Outubro, a visita orientada “Que China a de Camilo Pessanha?”, dá a conhecer as viagens e vivências deste grande poeta da língua portuguesa, através dos objectos que colecionou, para ver na exposição permanente Presença Portuguesa na Ásia. Fruto do fascínio pela cultura chinesa, com a qual contactou directamente em Macau, Camilo Pessanha adquiriu vários objectos e obras de arte, incluindo álbuns de pintura, rolos de caligrafia e trajes. Esta colecção encontra-se exposta no Museu do Oriente, em depósito do Museu Nacional Machado de Castro (Coimbra).

 

No sábado, 29 de Outubro, o workshop “Linguagem secreta da arte: símbolos e códigos na arte ocidental e oriental” propõe uma introdução aos significados, muitas vezes ‘ocultos’, da arte.  Serão abordadas algumas das fórmulas e simbologias mais recorrentes ao longo da história da arte, fazendo a ponte entre Ocidente e Oriente, e das apropriações e assimilações entre culturas, artistas e artífices.

 

O mês de Novembro começa com uma visita orientada, na quinta-feira, dia 3, direccionada a todos os interessados no processo de xilogravura na Ásia. Durante duas horas, as reservas do museu abrem-se para mostrar inúmeros exemplares de xilogravuras da China, Japão e Vietname, pertencentes à colecção Kwok On, explorando a história, técnicas e temas dos primórdios da impressão.

 

Ciclo de conferências “A Índia Ritual”

18h30

Entrada livre

25 de Outubro: “Deusas e devotas: o hinduísmo no feminino”

por Inês Lourenço | CRIA-ISCTE / IUL

22 de Novembro: “Nossa Senhora da Conceição, Ganesh e Ghumat”

por Claudia Pereira | CIES ISCTE/IUL

 

Visita orientada temática “Que China a de Camilo Pessanha?”

28 de Outubro

19.00-20.00

Público-alvo: M/16

Participantes: mín. 6, máx. 25

Preço: € 6,50

 

Workshop Linguagem secreta da arte: símbolos e códigos na arte ocidental e oriental”

29 de Outubro

10.00-13.00

Participantes: mín. 10, máx. 15

Preço: € 8,00

 

Visita orientada temática “A xilogravura na colecção Kwok On”

3 de Novembro

15.00-17.00

Público-alvo: M/16

Participantes: mín. 10, máx. 12

Preço: € 12

 

Museu do Oriente, Avenida Brasília | Doca de Alcântara (Norte) | 1350-362 Lisboa

www.museudooriente.pt

 

Visita à cidade Templária de Tomar (sábado, 5/3) | O Mistério Templário desde a Formação de Portugal ao Projecto dos Descobrimentos | pelo historiador Paulo Loução

image002.jpg

 

VISITA À CIDADE TEMPLÁRIA DE TOMAR

O Mistério Templário desde a Formação de Portugal ao Projecto dos Descobrimentos

pelo historiador Paulo Loução | Sábado, 5 de Março

 

Programa:

. 8h00 – Saída do Palácio Marquês de Pombal, em Oeiras;

. 8h30 – Paragem em Lisboa, junto à Faculdade de Direito, na Cidade Universitéria;

. 10h30 – Visita à igreja templária de Santa Maria do Olival, primitivo templo da Ordem em Tomar, panteão dos seus mestre, e no tempo da Ordem de Cristo foi igreja matriz de todas as paróquias de além-mar.

. 12h30 – Visita à Igreja de São João Baptista, onde se encontra o enigmático óleo de Gregório Lopes, «Melquisedeque e Abraão»;

. 13h30 – Almoço;

. 15h00 – Visita ao Castelo templário e ao Convento de Cristo. Destaca-se explicação do simbolismo do Pórtico Sul, da Charola, da famosa janela manuelina, dos enigmáticos símbolos das estelas templárias e da Ordem de Cristo (a maior colecção de estelas templárias do mundo), e da pedra de fundação da Torre de Menagem, de origem romana e dedicada ao espírito do lugar;

. 18h00 – regresso a Lisboa e Oeiras. Chegada prevista por volta das 20h30-21h00.

image001.jpg

 

 

Paulo Alexandre Loução é o autor das obras «Os Templários na Formação de Portugal», «Portugal – Terra de Mistérios» e «Dos Templários à Nova Demanda do Graal» e é um dos historiadores convidados pela Canal História para diversos documentários, entre eles o dedicado aos Templários na Península Ibérica. Algumas referências nos media:

Revista UP da TAP sobre a visita a Tomar,

http://upmagazine-tap.com/pt_artigos/tomar-cidade-templaria/

 

no Público sobre o Portugal a (re)descobrir, com alma:

http://fugas.publico.pt/Viagens/299147_ha-um-portugal-magico-para-redescobrir?pagina=-1

 

e no ABC de Espanha:

http://www.abc.es/internacional/20131117/abci-templarios-portugal-tomar-201311152016.html

 

Valor da participação: 60 € (45 € para Membros da Nova Acrópole), inclui transporte, almoço, entradas nos monumentos e envio de documentação sobre o tema da viagem. Valor sem transporte: 45 € (encontro às 10h30 junto à entrada da Igreja de Santa Maria do Olival, em Tomar); Pagamento antecipado por transferência.