Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Castelo e Centro Histórico de Palmela aguardam a sua visita!

Visitas Guiadas.jpg

 

Se tem curiosidade em saber mais sobre a história e conhecer os encantos do Castelo e Centro Histórico de Palmela, participe, a 12 de outubro, nas Visitas Guiadas, organizadas pela Câmara Municipal de Palmela e de frequência gratuita.

Às 10h00, terá lugar a Visita Guiada ao Castelo de Palmela, monumento nacional e antiga sede da Ordem de Santiago, com ponto de encontro junto à Igreja de Santiago, que dará às/aos participantes a possibilidade de saberem mais sobre um dos mais belos castelos do nosso país e apreciarem a paisagem circundante, por entre serras e mar. À tarde, a partir das 14h30, é a vez da Visita Guiada ao Centro Histórico da vila, que parte junto ao Chafariz de D. Maria I, dando a percorrendo jardins, miradouros típicos e edifícios com interesse patrimonial.

Realizadas no primeiro sábado de cada mês, estas visitas, com duração de uma hora e meia, são orientadas por um voluntário do Museu Municipal de Palmela. Cada visita tem um limite de 15 inscrições, que deverão ser efetuadas até às 12h00 de dia 10 de outubro, através dos contactos patrimonio.cultural@cm-palmela.pt ou 212 336 640.

 

Castelo e Centro Histórico: Visitas Guiadas gratuitas a 2 e 23 de novembro

Visitas Guiadas - 23 de novembro.jpg

Visitas Guiadas -2 de novembro.jpg

 

Em novembro, a Câmara Municipal de Palmela proporciona a todas/os as/os interessadas/os uma dupla oportunidade para saber mais sobre a história e conhecer os encantos do Castelo e do Centro Histórico de Palmela, com Visitas Guiadas gratuitas nos dias 2 e 23.

Às 10h00, terá lugar a Visita Guiada ao Castelo de Palmela, monumento nacional e antiga sede da Ordem de Santiago, com ponto de encontro junto à Igreja de Santiago, que dará às/aos participantes a possibilidade de saberem mais sobre um dos mais belos castelos do nosso país e apreciarem a paisagem circundante, por entre serras e mar. À tarde, a partir das 14h30, é a vez da Visita Guiada ao Centro Histórico da vila, que parte junto ao Chafariz de D. Maria I, percorrendo jardins, miradouros típicos e edifícios com interesse patrimonial.

As visitas, com duração de uma hora e meia, são orientadas por um voluntário do Museu Municipal de Palmela. As inscrições (limite de 15 em cada dia) deverão ser efetuadas até às 12h00 da antevéspera de cada visita, através dos contactos patrimonio.cultural@cm-palmela.pt ou 212 336 640.

 

Município de Reguengos de Monsaraz organiza visita ao “Palácio Assombrado” no Halloween

Visita ao Palácio Assombrado no Halloween (9).jpg

 

O Halloween em Reguengos de Monsaraz vai ter como tema uma visita ao “Palácio Assombrado”. A iniciativa que assinala a noite das bruxas vai decorrer na quinta-feira, dia 31 de outubro, a partir das 21h, no Palácio Rojão, local onde funciona a Biblioteca Municipal de Reguengos de Monsaraz.

 

A autarquia propõe uma visita histórica em família até ao ano de 1422. Nesse ano, D. Nuno Álvares Pereira decidiu entrar para a vida monástica e doou Monsaraz ao seu neto D. Fernando, Conde de Arraiolos, ficando juridicamente incorporada no património da Casa de Bragança.

 

Os participantes poderão apresentar-se vestidos de acordo com o Halloween e vão ter um percurso assustador no edifício, decorado para a noite das bruxas. As inscrições para esta iniciativa para maiores de seis anos de idade são gratuitas e devem ser efetuadas até ao dia 28 de outubro na biblioteca municipal.

 

O Palácio Rojão foi construído na primeira metade do século XIX para residência urbana da família Papança. Uma obra considerada arrojada para a época, pois, para além da inspiração que foi buscar ao estilo romântico, que na altura ditava a linha de construção dos grandes edifícios, denota também, ao nível da fachada, elementos de conceção mourisca.

 

Jornadas Europeias do Património no Museu Nacional da Música (27 de Setembro) e Dia Mundial da Música (1 de Outubro)

jornadas museu.jpg

 

 

#EntradaLivre
27 de setembro


às 10h30
Visita à Colecção do Museu Nacional da Música inserida nas Jornadas Europeias do Património

às 14h30
Visita à Colecção do Museu Nacional da Música inserida nas Jornadas Europeias do Património

às 19h
Apresentação do CD Solitude do pianista Daniel Cunha pelo compositor Alexandre Delgado
Obras do compositor Alfredo Napoleão

Apresentação do CD Solitude do pianista Daniel Cunha pelo compositor Alexandre Delgado.
Obras de Alfredo Napoleão | 19h #EntradaLivre

Daniel Cunha é um pianista portuense. No ano passado gravou um CD com a obra para piano do compositor portuense Alfredo Napoleão (1852-1917), com o título "Solitude - Piano works by Alfredo Napoleão" para a nova editora discográfica alemã de música clássica Decurio. O projecto teve o apoio da Fundação GDA e o lançamento mundial do álbum aconteceu em Paris, em 2018, na Casa de Portugal. Desta vez o pianista dará um concerto no Museu Nacional da Música. O CD contará com a apresentação do compositor Alexandre Delgado.

"As obras de Alfredo Napoleão que foram gravadas são inéditas. A sua obra para piano é valiosa e fez grande sucesso no seu tempo em Portugal e em outros países por onde Napoleão viajou, como o Brasil, Argentina e em cidades europeias, como Londres e Paris. A sua música faz parte da herança histórica portuguesa do séc. XIX e merece ser redescoberta."
Daniel Cunha


PROGRAMA
Recital de apresentação do CD "Solitude" - Obras para piano de Alfredo Napoleão
(1852-1917)

Soupirs du Tage (Suspiros do Tejo), étude-caprice. op 38
Prelúdio e Fuga op. 41
Rondo op. 47
Lenda da Beira op. 39
Andante et Polonaise op. 27, versão para piano solo


____________________________________
 
MAIS EVENTOS:
DIA MUNDIAL DA MÚSICA, 1 de OUTUBRO
às 10h30
Visita à Colecção do Museu Nacional da Música inserida no Dia Mundial da Música

às 14h30
Visita à Colecção do Museu Nacional da Música inserida no Dia Mundial da Música

UM MÚSICO, UM MECENAS 
18H #EntradaLivre
KETIL HAUGSAND no CRAVO TASKIN DE 1782
inv. nº MNM 1096
Pelas 18H
#EntradaLivre

 

ketil.jpg


SOBRE O INSTRUMENTO MUSICAL:

O cravo da autoria de Pascal-Joseph Taskininv. (inv. nº MNM 1096), construído em 1782 e classificado como Tesouro Nacional, é um dos instrumentos musicais mais conhecidos da coleção do MNM. Distingue-se pela riqueza da construção, por ser uma encomenda do rei Louis XVI de França e por ter pertencido a membros da realeza e nobreza europeias.
Apesar de serem poucos os instrumentos Taskin que chegaram aos nossos dias, o do MNM está em bom estado de conservação, após uma intervenção delicada e complexa, concluída com sucesso no ano transacto. Em 2019, o instrumento musical recebeu o prémio APOM (Associação Portuguesa de Museus) na Categoria Conservação e Restauro.

Mais sobre o cravo Taskin:

https://glosas.mpmp.pt/museu-nacional-da-musica-premiado-apom/

Um Músico, Um Mecenas é um ciclo de concertos de entrada livre organizado pelo Museu Nacional da Música e que vai já no seu sétimo ano. Os concertos destas temporadas são autênticas viagens à colecção, conduzidas por grandes intérpretes nacionais e internacionais, que actuam pro bono e dão a conhecer os instrumentos através de concertos comentados e de uma contextualização histórica estendida, muitas vezes, ao repertório escolhido. A interpretação, a necessária manutenção dos instrumentos musicais e a comunicação da história de cada um deles são factores intimamente relacionados e que resultam numa acção concertada entre o Museu Nacional da Música e os Mecenas do ciclo (músicos, construtores / restauradores e outros parceiros).

 

KETIL HAUGSAND, professor emérito de cravo na Hochschule für Musik em Colônia, é uma das importantes personalidades da música antiga de hoje, estando presente em vários festivais e concertos de prestígio na maioria dos países europeus, EUA, Israel e Extremo Oriente. Actua como recitalista, em música de câmara, como solista ou maestro do cravo. Colabora com a Orquestra Barroca da Noruega, a Orquestra de Rádio Norueguesa, a Orquestra Sinfônica de Stavanger, a Orquestra Sinfônica de Stavanger, a Orquestra Barroca de Lyra, a Orquestra Barroca de Lyra, o Conjunto Arte Real e o Komischer Oper Berlin. Parceiros importantes da música de câmara foram, por exemplo, Laurence Dreyfus, Wieland Kuijken, Richard Gwilt e Peter Holtslag.
As suas gravações em CD com obras de Jean-Babtiste Antoine Forqueray, Jean-Philippe Rameau, Louis Marchand, Carlos Seixas, João Sousa Carvalho e outros, para a Simax Classics, Virgin Veritas e Linn Records ganharam aclamação internacional significativa - e as suas interpretações de JS Bach, especialmente as Variações Goldberg, foram apontados como performances de destaque, originais e marcantes.
O músico norueguês estudou com Gustav Leonhardt no Conservatório de Amsterdão, onde recebeu o cobiçado Prix d'Excellence em 1975. Mais tarde, foi premiado em competições internacionais de cravo em Paris e Brûges e ocupou o cargo de professor de cravo e música de câmara da Academia de Música, em Oslo, entre 1974 e 1995.
Como professor, ofereceu regularmente cursos de verão, nomeadamente em Portugal e, presentemente, na Noruega e Itália. É frequentemente convidado como membro de júri em competições internacionais de cravo.

 

PROGRAMA

 

Louis Marchand Suite ré mineur – du 1ére livre (1702)

Prèlude

Allemande

1ére Courante

2e Courante

Sarabande

Gigue

Chaconne

 

 

Jean-Philippe Rameau Pieces de Clavecin

La Joyeuse

L’Entretien des Muses

Les Tourbillons

Les Triolets

La Dauphine

 

 

Antoine Forqueray Pieces de Viole mises en Pieces de Clavecin

La Bouron, Vivement & détaché

Sarabande, La D'aubonne

La Leclair, tres Vivement & détaché

 

 

 

 

Johann Sebastian Bach Sonate G-Dur – Gustav Leonhardt, transcription

Adagio (BWV 968)

Fuga (BWV 1005)

Largo

Allegro Assai

 

Metro de Lisboa promove Jornadas Europeias do Património 2019

Iniciativas culturais levam clientes a perspetivar os transportes públicos

como transportadores de arte e difusores de cultura

 

A CP – Comboios de Portugal, a Infraestruturas de Portugal e o Metropolitano de Lisboa, associaram-se à Direção Geral do Património Cultural, com vista à promoção e desenvolvimento de um vasto programa de ações culturais integradas nas Jornadas Europeias do Património (JEP) 2019 dirigidas ao público e à comunidade em geral.

As JEP são uma iniciativa promovida pela Comissão Europeia a que vários países, incluindo Portugal, têm aderido em anos transatos. Subordinadas, no corrente ano, à temática nacional “Artes, Património e Lazer”, as JEP decorrerão nos dias 27, 28 e 29 de setembro.

Esta iniciativa permite aos participantes passarem a perspetivar os transportes públicos ferroviários não só como forma de deslocação entre locais de partida e destino mas também como meios de acesso às Estações Ferroviárias e do Metropolitano de Lisboa que, cada vez mais, se constituem como espaços artísticos e culturais acessíveis a qualquer público.

No dia 27 de setembro, o programa conta com várias iniciativas, nomeadamente a realização de visitas guiadas às Estações Ferroviárias da IP e do Metropolitano de Lisboa, ações culturais e de animação nessas estações e, ainda, a possibilidade de assistir a uma conferência subordinada ao tema “A Ferrovia e a Cultura”, que conta com a presença de vários oradores internacionais e em que irá abordar a temática da utilização das Estações Ferroviárias e os transportes públicos como espaços de promoção e divulgação artística.

No dia 28 de setembro, os inscritos poderão realizar um sonho antigo de viajar nas duas primeiras carruagens históricas do Metro de Lisboa (datadas de 1959), viajar nos comboios da CP até ao Entroncamento, e por fim, visitar o histórico Museu Nacional Ferroviário.

No último dia, 29 de setembro, é dada a oportunidade aos participantes de acompanhar uma visita guiada à Estação Ferroviária da IP Lisboa-Oriente assim como à linha Vermelha do Metro de Lisboa.

As inscrições para as iniciativas das Jornadas Europeias do Património tiveram início no dia 26 de agosto p.p., nos sites das empresas organizadoras, tendo esgotado em poucos dias.

O Metropolitano de Lisboa, a CP- Comboios de Portugal e a Infraestruturas de Portugal contribuem, assim, para a promoção efetiva da cultura e do património, bem como para o reconhecimento da sua importância e do seu caráter transversal, designadamente no setor dos transportes, da mobilidade e sustentabilidade urbana.

                                                     

Programa

 

27 de setembro

15h00 | Visita guiada ao Interface dos Restauradores e Estação Ferroviária de Lisboa-Rossio

16:30  | Conferência “A Ferrovia e a Cultura” (Estação Ferroviária de Lisboa-Rossio, Sala do Rei)

18:30  | Lançamento do livro “O comboio do Papa - A última viagem do comboio pontificio-frosinone 1863” – Costantino  Jadecola

 

28 de setembro

10:00 | Viagem no comboio histórico ML7 do Metropolitano de Lisboa

11:00 | Visita guiada à estação Ferroviária e do Metropolitano de Lisboa de Santa Apolónia

13:00 | Viagem até ao Entroncamento e visita guiada ao Museu Nacional Ferroviário

18:30 | Animação na estação ferroviária do cais de Sodré – Tango na Rua

 

29 de setembro

10:30 | Visita guiada à estação Ferroviária e do Metropolitano de Lisboa do Oriente e à linha Vermelha do Metropolitano de Lisboa             

12:00 | Animação na estação ferroviária de Lisboa-Oriente – Quorum Ballet

 

Percursos em Rede para a Inclusão Ativa: “Visita com memórias” à cidade de Setúbal

Casa_Baía.jpg.png

 

 

“Visita com memórias - Território Arrábida” é o título da viagem à exposição “O Calafate” e ao centro histórico de Setúbal, que se realiza a 20 de setembro, pelas 9h30.

 

Nesta atividade vai ser possível conhecer o Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, passear pelo típico Bairro do Troino e visitar a Casa da Baía, em Setúbal.

Esta é uma iniciativa destinada à população do concelho de Palmela com mais de 55 anos, que integra a operação Percursos em Rede para a Inclusão Ativa IDADE +.

 

A participação é gratuita, mediante inscrição prévia.

 

Recorde-se que os concelhos de Palmela, Sesimbra e Setúbal, que partilham a gestão da Arrábida, estão, desde de 29 de maio deste ano, unidos por uma marca comum, destinada a promover um conjunto alargado de projetos com forte impacto no desenvolvimento social, económico e ambiental da região.

 

“Território Arrábida – Património Partilhado” é a marca que unifica a política de implementação dos projetos intermunicipais, com áreas de atuação que vão da mobilidade urbana à inclusão social, passando pelo desenvolvimento do turismo sustentável.

 

Esta marca surge como um catalisador lógico da Declaração de Compromisso, documento firmado em 2017 para a concretização destes projetos e respetivas ações, candidatados a apoios comunitários e que, entretanto, já estão concluídos ou se encontram a decorrer.

 

Organização: Câmara Municipal de Palmela, com a parceria do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal e da Associação de Municípios do Distrito de Setúbal

 

Informações e inscrições: 21 233 66 06

 

Jardim da Amália

52fbb99e-7790-410a-a76c-19a836497d35.jpg

A magia e emoção do fado estão de volta à casa onde a eterna Amália Rodrigues viveu durante mais de 40 anos. Todas as terças e sextas-feiras, o jardim secreto da sua casa enche-se de música num concerto único de voz, guitarra portuguesa e viola de fado.

7fea86d9-babc-4154-a26b-b2a2bc4b06a7.jpg

Os espetáculos acontecem sempre a partir das 18h00, mas podem ser antecedidos por uma vista guiada à casa (17h00), situada na Rua de São Bento nº 193.

Transformada em museu, dá a conhecer os espaços e objetos (como vestuário, peças de arte e mobiliário) que marcaram a vida e obra da cantora, considerada “a Rainha do Fado”.

Depois da visita à casa, é tempo de conhecer e desfrutar do jardim, um segredo bem guardado no coração de Lisboa, onde têm lugar os concertos, todas as terças e sextas-feiras.

Estes estão a cargo das fadistas Matilde Cid e Ana Sofia Varela, ambas acompanhadas por Guitarra Portuguesa e Viola de Fado.

 

7fea86d9-babc-4154-a26b-b2a2bc4b06a7.jpg

 

A magia e emoção do fado estão de volta à casa onde a eterna Amália Rodrigues viveu durante mais de 40 anos. Todas as terças e sextas-feiras, o jardim secreto da sua casa enche-se de música num concerto único de voz, guitarra portuguesa e viola de fado.

Os espetáculos acontecem sempre a partir das 18h00, mas podem ser antecedidos por uma vista guiada à casa (17h00), situada na Rua de São Bento nº 193.

Transformada em museu, dá a conhecer os espaços e objetos (como vestuário, peças de arte e mobiliário) que marcaram a vida e obra da cantora, considerada “a Rainha do Fado”.

Depois da visita à casa, é tempo de conhecer e desfrutar do jardim, um segredo bem guardado no coração de Lisboa, onde têm lugar os concertos, todas as terças e sextas-feiras.

Estes estão a cargo das fadistas Matilde Cid e Ana Sofia Varela, ambas acompanhadas por Guitarra Portuguesa e Viola de Fado.

Tudo isto num ambiente intimista e recatado que é, ao mesmo tempo, uma homenagem sentida a Amália Rodrigues. Sempre teve como um dos maiores desejos ajudar a promover esta arte tão portuguesa. 


Em Outubro assinala-se 20 anos do seu desparecimento e em 2020 completaria 100 anos. 
 

Cumpra-se o sonho… cante-se o fado!

2cf58f0f-6ea6-40fa-8e26-6f60438903e0.jpg

 

 

 

 

Dia Aberto no complexo arqueológico dos Perdigões com várias atividades para os visitantes

Achados recentes (2).jpg.png

 

O complexo arqueológico dos Perdigões, em Reguengos de Monsaraz, vai abrir as portas no dia 20 de julho para visitas. O povoado dos Perdigões foi classificado no início deste ano como sítio de interesse nacional, tendo-lhe sido atribuída a designação de monumento nacional.

 

O programa do Dia Aberto nos Perdigões inicia-se às 9h com a partida de todos os interessados desde a Praça da Liberdade para o complexo arqueológico em transporte oferecido pelo Município de Reguengos de Monsaraz. Pelas 9h30 será a visita à escavação arqueológica e às 11h ao Museu dos Perdigões.

 

A partir das 13h haverá um almoço neolítico/atelier de cozinha pré-histórica acompanhado por uma seleção de vinhos do Esporão, seguindo-se às 16h, na Torre do Esporão, uma palestra do arqueólogo António Valera, Diretor do Núcleo de Investigação Arqueológica da Era Arqueologia, sobre “O Recinto Pré-Histórico dos Perdigões: 20 anos a “construir” um monumento nacional”. No Dia Aberto nos Perdigões, iniciativa organizada pelo Esporão, pela Era Arqueologia e pelo Município de Reguengos de Monsaraz, todas as atividades são gratuitas, exceto o Atelier de Cerâmica Pré-histórica, que decorre às 16h30 e tem o custo de cinco euros por pessoa.

 

O povoado dos Perdigões situa-se a cerca de um quilómetro da cidade de Reguengos de Monsaraz e é um complexo arqueológico composto por vários recintos delimitados por grandes fossos, que inclui uma área de necrópole e um cromeleque ou recinto megalítico cerimonial definido por vários menires, ocupando uma área superior a 20 hectares. Iniciado no Neolítico Médio, há cerca de 5.500 anos, prolongou-se durante toda a Idade do Cobre e chegou ao início da Idade do Bronze, há 4.000 anos, altura em que ocorreram profundas mudanças sociais e cosmológicas que levaram ao seu abandono.

 

O local terá assumido desde o início um importante papel para as comunidades que habitavam aquela zona na Pré-História Recente e seria, provavelmente, um sítio aglutinador de populações de várias regiões, tal como um santuário, que aí se reuniam para a prática de cerimónias rituais, algumas delas relacionadas com o culto dos mortos e dos antepassados.

 

A Era Arqueologia iniciou as campanhas de escavações arqueológicas em 1997 e desde esse ano foram intervencionadas várias áreas, tendo sido descobertos sepulcros de inumações secundárias e de inumações primárias ou depósitos de restos de cremações humanas com cerca de 4.500 anos, que eram pouco comuns nessa época. Associado a estes contextos de cremações humanas, foi encontrado pela primeira vez em Portugal um conjunto de estatuetas antropomórficas em marfim, de grande naturalismo e beleza estética, que podem representar divindades, pessoas ou estatutos sociais concretos, ou grupos de identidade ou parentesco.

 

Município promove “Visitas com Memórias” para população de idade maior

 

A Câmara Municipal de Palmela promove, no dia 9 de julho, às 10h00, no Espaço Fortuna  - Artes & Ofícios, em Quinta do Anjo, a iniciativa “Visitas com Memórias”. A atividade, destinada à população de idade maior, consiste numa visita orientada ao referido espaço, com pintura de uma peça em cerâmica, onde cada participante partilha e leva novas memórias.

As/os interessadas/os em participar na atividade deverão levar calçado confortável e chapéu. A participação é gratuita, mediante inscrição prévia, através do telef. 212336606.

 

 

Castelo e Centro Histórico de Palmela: Próxima visita guiada realiza-se a 6 de julho

Visita.jpg

 

No dia 6 de julho, realiza-se uma visita guiada ao Castelo e ao Centro Histórico de Palmela, iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Palmela.

 

Às 10h00, tem início a visita guiada ao Castelo de Palmela, monumento nacional e antiga sede da Ordem de Santiago, com ponto de encontro junto à Igreja de Santiago.  A visita guiada ao Centro Histórico da Vila, que parte junto ao Chafariz de D. Maria I, decorre a partir das 14h30, dando a conhecer jardins, miradouros e edifícios com interesse patrimonial.

 

Com participação gratuita, as visitas têm a duração de uma hora e meia e são orientadas por António Lameira, voluntário do Museu Municipal. Cada visita tem um limite de 15 inscrições, que deverão ser efetuadas até às 12h00 de dia 4 de julho, através dos contactos patrimonio.cultural@cm-palmela.pt ou 212 336 640.