Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

OPEN CALL | workshop WATERY BORDERS: APPROPRIATING TOXICITY || Odete convida MARY MAGGIC 🔮

 

descarregar (2).jpg

ODETE convida MARY MAGGIC 
WATERY BORDERS : APPROPRIATING TOXICITY
[TRILOGIA DA LUA-FOICE - uma série de amuletos performativos]

29 e 30 de ABRIL 2022 - sexta e sábado
ENTRADA LIVRE [mediante inscrição]

☞ INSCRIÇÕES ☜

SOBRE O WORKSHOP

Somos todos co-produzidos por moléculas. Elas amalgamamam-nos tanto como nós as amalgamamos a elas. Mesmo no nosso sublime mar de moléculas tóxicas, continua a ser um mar de co-matéria. Neste mar tóxico, que tipos de conhecimentos podemos reunir com as nossas ferramentas extractivas? Que novos mundos são gerados a partir destes conhecimentos? E podemos transmutar os traumas do velho mundo para o novo? Este espectáculo colectivo em 2 partes e oficina investiga todas as formas como os nossos corpos são hackeados por moléculas, e como podemos coexistir com as contradições ecológicas dos nossos tempos tóxicos.
Na primeira parte do workshop, iremos reunir materiais representativos do motor consumista capitalista que conduziu o nosso planeta ao seu estado actual de ruína, pensando em como algo tão menial como o seu champô é cúmplice das múltiplas camadas de alienação ecológica. Na segunda parte, participaremos num desempenho de "génese mundial" utilizando os materiais tóxicos que recolhemos e mutando o seu significado simbólico. Finalmente, executaremos um protocolo de extracção de moléculas hormonais da nossa própria urina.



SOBRE MARY MAGGIC

Mary Maggic (1991), nascide em Los Angeles, é ume artista não-binárie sino-americane que concluiu um mestrado no MIT Media Lab (Design Fiction research group) e está agora sediade em Viena, Áustria. O seu trabalho abrange a ciência amadora, a oficina pública, performance, instalação, filme documentário e ficção especulativa.
Desde 2015, a investigação de Maggic tem-se centrado na biopolítica hormonal e na toxicidade ambiental, e na forma como o ethos e as metodologias de biohacking podem servir para desmistificar linhas invisíveis de (bio)poder molecular. Em 2017, o projecto Maggic’s Open Source Estrogen recebeu uma Menção Honrosa no Prix Ars Electronica Hybrid Arts, e em 2019 completou uma residência Fulbright de dez meses em Yogyakarta (Indonésia), investigando o papel do misticismo javanês na crise da poluição plástica. Maggic é membro actual da rede em linha Hackteria: Open Source Biological Art e o colectivo de teatro de laboratório Aliens in Green.

Workshop de Iniciação ao Macramé na Biblioteca do Vale da Amoreira

macrame.jpg

 

A Biblioteca Municipal do Vale da Amoreira recebe, no dia 15 de janeiro, das 9:00h às 13:00h, o Workshop de Iniciação ao Macramé, dirigido a jovens e adultos. Ministrado por Ana Rita Ribeiro Correia, este Workshop é de participação gratuita e visa ensinar as técnicas básicas através do conhecimento dos materiais que se utilizam nesta técnica, preparar a estrutura para a execução da peça e efetuar os nós básicos. Todos os participantes receberão uma peça finalizada: um suporte de vaso.

Ana Rita Correia frequentou um ano de design gráfico na ARCO, em Lisboa, e licenciou-se em artes plásticas na Escola Superior de Artes e Design, nas Caldas da Rainha, iniciando então as primeiras experiências na área do som, criando bandas sonoras e sons experimentais. Reside na Moita desde 2017, realizando, através do Programa Moita Património, o projeto “Percursos Sonoros”, uma edição em CD com ilustrações, recolhas de campo na área fluvial e criação de composições a partir dessas recolhas.
Iniciou, posteriormente, ilustrações com pirogravuras, incorporando outras técnicas, como a modelação e aguarelas, abordando referências locais e tradicionais.
Realizou, em 2019, na Biblioteca do Vale da Amoreira, uma exposição de Pirogravura, intitulada “Pironarrativas”.

Mais informações em https://anaritacorreia.wordpress.com/pinturas-azulejos/

 

Mandarim ou japonês? Museu do Oriente lança novos desafios para 2022

Caligrafia Japonesa (5)-min.jpg

 

Conhecer uma nova cultura e aprender a sua língua e escrita é um dos desafios do Museu do Oriente para 2022. O ano inicia-se com um Workshop de Mandarim, que se realiza aos sábados durante o mês de Janeiro, e uma oficina de Caligrafia Japonesa, no dia 11.

 

Dividido em quatro sessões – aos sábados, nos dias 8, 15, 22 e 29 de Janeiro, entre as 10.00 e as 13.00 -, o Workshop de Mandarim dá a conhecer os princípios básicos deste idioma para negócios e lazer. O objetivo é que os participantes adquiram vocabulário e recursos gramaticais fundamentais para conseguirem compor frases elementares de comunicação em situações regulares do dia-a-dia.

 

No dia 11 de Janeiro, terça-feira, o Museu do Oriente dá a conhecer, na oficina de Caligrafia Japonesa Kakizome-Taikai, um costume japonês para assinalar o novo ano.

 

Kakizome é a primeira caligrafia do ano. No segundo dia de Janeiro, os que observam a tradição usam pincel e tinta para escrever algo auspicioso: uma resolução de ano novo ou um verso de poesia evocativo da data.

 

A palavra kakizome é escrita com os caracteres “escrever” e “primeiro” e, no Japão, é comum as escolas organizarem um evento especial de caligrafia no início de Janeiro, intitulado kakizome taikai. Assim, organizados por ano ou classe, e um a seguir ao outro, os alunos juntam-se nos ginásios das escolas, dispõem os seus materiais no chão - todos na mesma direcção - e utilizam um pincel espesso, especial para a ocasião. Esta oficina procura recriar o espírito do kakizome, convidando os participantes a saudar o novo ano com um exercício de caligrafia em torno de uma mensagem auspiciosa.

 

Workshop de Mandarim

Com Gao Hengyu

Formato presencial

8, 15, 22 e 29 Janeiro – Sábados

Horário: 10.00-13.00

Participantes: mín. 10, máx. 20

Preço: 60 €

 

Caligrafia Japonesa Kakizome-Taikai

Com Yuko Kase

Formato presencial

11 Janeiro, terça-feira

Horário: 14.00-16.30

Participantes: máx. 16

Preço: 35€

 

Mais informações em foriente.pt

Fins-de-semana para toda a família no Museu do Oriente

Para o mês de Novembro, o Museu do Oriente preparou um conjunto de oficinas que são verdadeiros desafios à imaginação. Um convite a divertidos momentos em família, nos fins-de-semana de Outono em que a chuva e o frio já espreitam lá fora.

 

Uma panóplia de papéis, coloridos, brilhantes, opacos, transparentes, macios ou ásperos, é o que os bebés até aos 12 meses vão descobrir na oficina “Papelada”, no sábado, dia 6 de Novembro, às 11.00. Com a ajuda dos pais, vão descobrir como transformar, dobrando, e explorar os sons, rasgando e amachucando os papéis, nesta oficina de estimulação visual, sonora e táctil.

 

No domingo, dia 7, às 11.00, “Histórias com… Pintura” revela “A lenda da deusa A-Má”, numa oficina para famílias com crianças maiores de cinco anos, que as desafia a explorar o seu lado mais artístico e criativo.

 

O fim-de-semana seguinte começa com uma sugestão para bebés entre os 12-36 meses, “Mãos que falam” (13 Novembro, 11.30), que mostra como as mãos também podem falar, pois afinal, levantamos a mão para chamar alguém, o dedo para perguntar e batemos palmas em sinal de alegria. Para os mais velhos, a partir dos seis anos, a sugestão é uma “Conversa com as peças!” (14 Novembro, 11.30), mais particularmente, com o Cavalo de Timor, em exposição no Museu do Oriente, ao qual poderão perguntar todas as questões que os inquietam a propósito deste curioso objecto.

 

No sábado, 20 de Novembro, são duas as sugestões para entreter os mais novos. De manhã, às 11.30, crianças entre os três e os cinco anos vão explorar a simbologia por detrás de um dos animais mais venerados no Oriente, na oficina “Aqui há gato!”. Da parte da tarde, a partir das 15.00, são os jovens entre os 7 e os 12 anos que vão descobrir “Quem foi Buda?”, numa oficina que integra uma vertente prática e criativa que estimula a assimilação e partilha dos conhecimentos.

 

Oficina “Papelada!”

Tapete Encantado

papelada.jpeg

 

6 Novembro

Horário: 11.00-11.30

Público-alvo: bebés até 12 meses, acompanhados por um ou dois adultos

Preço: 4,5 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: máx. 10

 

Oficina “Histórias com… Pintura – A lenda da deusa A-Má”

7 Novembro

Horário: 11.00-12.30

Público-alvo: M/ 5 anos (acompanhados por um adulto)

Preço: 6 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: máx. 10

 

Oficina “Mãos que falam”

Primeiros Passos

maos_falam2.jpg

 

13 Novembro

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: bebés 12-36 meses, acompanhados por um adulto 
Preço: 4,5 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: máx. 10

 

Oficina “Em conversa com as peças! – Cavalo de Timor”

14 Novembro

cavalo_timor_conversa.jpg

 

Horário: 11.30-12.00

Público-alvo: M/ 6 anos

Preço: 4,5 €/ participante

Participantes: máx. 10

 

Oficina “Aqui há gato!”

Primeiras Descobertas

aaquihagato2-min.jpg

 

20 Novembro

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: 3-5 anos, acompanhadas por um adulto

Preço: 4,5 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: máx. 10

 

Oficina “Quem foi Buda?”

20 Novembro

Horário: 15.00-17.00

Público-alvo: 7-12 anos

Preço: 5 €/ participante (requer número mínimo)

Filosofias orientais para descobrir com o Museu do Oriente :: Tai Chi, Leitura Facial e Wabi Sabi

Tai Chi, Leitura Facial e Wabi Sabi

 

Filosofias orientais para descobrir com o Museu do Oriente

 

Wabi sabi.jpg

 

As tradições chinesas de Tai Chi Chuan e de Leitura Facial, e a arte japonesa de Wabi Sabi, são dadas a conhecer pelo Museu do Oriente em oficinas práticas que se realizam ao longo das próximas semanas.

 

Com o objectivo de desenvolver o ensino do Tai Chi como disciplina de meditação e de equilíbrio físico e mental, à luz da tradição clássica chinesa, o Seminário de Tai Chi Chuan é composto por 4 sessões, de 3 horas cada, nos domingos, dias 24 e 31 de Outubro, 7 e 14 de Novembro. Além da abordagem teórica, os participantes têm a oportunidade de experimentar práticas corporais e meditativas oriundas da escola de Tai Chi da família Yang, tal como foi introduzida no Ocidente, em meados da década de 1960, pelo Professor Cheng Man Ch’ing.

 

No sábado, dia 30 de Outubro, é a uma arte chinesa com cerca de dois mil anos que se dedica o workshop de Leitura Facial. Durante a sessão, realizada em formato online, os participantes vão aprender a ler as mensagens que o seu próprio rosto, e os rostos dos outros, comunicam, usando a linguagem Yin-Yang e as 5 Transformações/Elementos.

 

A arte japonesa Wabi Sabi é dada a conhecer através de um workshop online, no dia 28 de Novembro. Esta filosofia traduz a beleza transitória, captada por um olhar humilde ou agradecido, e explora o modo como apreciamos a mudança, e como a mudança se pode tornar ponto de atenção e meditação. A sessão aborda a história e os princípios desta tradição, propondo exercícios práticos que incluem meditação do chá, observação, exercícios de escrita, poesia e de como aplicar conceitos de Wabi Sabi na própria casa.

 

Mais informações em foriente.pt.

 

Seminário Tai Chi Chuan

24 e 31 de Outubro, 7 e 14 Novembro, domingos

Com José Augusto Martins

Horário: 10.00-13.00

Público-alvo: Maiores de 12 anos, praticantes ou não de Tai Chi

Participantes: máx. 12

 

Workshop Leitura Facial

Online

30 Outubro, sábado

Horário: 10.00-13.00

Preço: 32 €

Participantes: mín. 5, máx. 20

Nota: a sessão é conduzida em inglês (com possibilidade de tradução)

 

Workshop Wabi Sabi

Online

28 Novembro, domingo

Horário: 10.00-13.00

Preço: 32€

Participantes: mín. 5, máx. 20

Nota: a sessão é conduzida em inglês (com possibilidade de tradução)

 

Arte da escrita japonesa em destaque no Museu do Oriente

Caligrafia Japonesa (5).jpg

 

Consideradas das artes mais tradicionais do Japão, a caligrafia japonesa e o Haiku são dadas a conhecer através de dois workshops que o Museu do Oriente organiza nos dias 19 e 20 de Outubro.

 

Introduzida no Japão, vinda da China, no século V, a escrita de ideogramas ainda hoje faz parte das disciplinas ensinadas no Japão desde o primeiro ano de escolaridade. No dia 19 de Outubro, o workshop de Caligrafia Japonesa inicia os participantes na aprendizagem desta arte, numa sessão orientada por Yuko Kase, docente do curso de Língua Japonesa na Universidade Católica.


Em duas sessões, nos dias 20 e 27 de Outubro, os participantes vão descobrir “O que é o Haiku?” num workshop orientado por Leonilda Alfarrobinha, licenciada em Filologia Românica e com uma pós-graduação em Estudos Orientais Gerais. Mais do que uma forma poética, o haiku está para além da Literatura como um estilo de vida, um meio de autoconhecimento, uma possibilidade de cura e um caminho para a Natureza. Durante o workshop os participantes têm a oportunidade de aprofundar os conhecimentos sobre poesia japonesa, ler e interpretar poemas haiku, clássicos e modernos, e tentar a experiência da escrita desta forma poética.

 

Workshop Caligrafia Japonesa

19 de Outubro

Com Yuko Kase

Horário: 14.00-16.00

Preço: 20 €

Participantes: máx. 15

 

Workshop “O que é o Haiku?”

20 e 27 de Outubro

Com Leonilda Alfarrobinha

Horário: 15.00-17.00

Preço: 30 €

Participantes: máx. 10

 

 

Artes tradicionais do Japão para descobrir no Museu do Oriente :: Workshops de técnicas artísticas

Caligrafia Japonesa (5).jpg

 

Em Setembro e Outubro, o Museu do Oriente destaca um dos países de estética e cultura mais marcantes da Ásia – o Japão – através de workshops dedicados às artes do Bonsai, Ikebana, Caligrafia, Furoshiki e Mizuhiki.

 

No dia 18 de Setembro, sábado, realiza-se o “Workshop de Bonsai”, com um programa que passa pela história do bonsai, os seus estilos e características, como fazer um bonsai, técnicas de manutenção, composição, tipos e misturas de solo e, ainda, doenças e pragas. Cada participante leva para casa uma árvore para aplicar as técnicas ensinadas. A sessão será ministrada por Mário Meruje, que se dedica em exclusivo à arte bonsai em Portugal, com o seu projecto profissional Kensho Bonsai Studio.

 

Quarta-feira, 22 de Setembro, é a vez de conhecer Ikebana, arte japonesa do arranjo floral, também conhecida como o “caminho das flores”. A formadora Yuko Kase desvenda os segredos de como, a partir de elementos naturais como flores, ramos e plantas, se cria uma harmonia de formas, linhas, cor, ritmo e simplicidade que contrasta com os arranjos florais dos países ocidentais. Na sua origem, que remota ao século VI, o Ikebana era um ritual de oferenda feito nos templos budistas do Japão, evoluindo até conquistar o estatuto de prática artística generalizada, pelo requinte e apurado sentido estético.

 

A rematar o mês de Setembro, no dia 24, realiza-se o workshop “Furoshiki para o Dia a Dia – Embalagens Tradicionais Japonesas”. Versátil, simples e amiga do ambiente, a prática do Furoshiki consiste em criar invólucros para transporte e embalagem, a partir de um único quadrado de tecido. Com algumas dobras e nós, este pode ser adaptado a inúmeras formas, numa alternativa aos sacos de plástico. O workshop está a cargo de Susana Domingues, que desde 2011 se dedica às artes tradicionais japonesas com o projecto Hands On HeArts.

 

Susana Domingues é também a responsável pelo workshop “Mizuhiki – Nós Japoneses”, que acontece a 13 de Outubro. Fios especiais de papel de arroz são entrelaçados e combinados para formar nós decorativos, usados em presentes ou envelopes, como prova de afecto ou união.

 

A 19 de Outubro, o workshop “Caligrafia Japonesa” aborda uma das formas de arte mais veneradas no Japão, sob a orientação de Yuko Kase, docente de língua e cultura japonesas na Universidade Católica, que orienta.

 

Também conhecida como “shodō”, o caminho da escrita, foi introduzida no Japão vinda na China, no século V, e permanece viva e relevante até hoje, fazendo mesmo parte do currículo escolar. A partir de um enquadramento histórico, este workshop convida a desenhar alguns caracteres com os materiais tradicionais papel de arroz, tinta-da-china e pincel.

 

Os workshops realizam-se em formato presencial. Os programas detalhados podem ser consultados em foriente.pt e os bilhetes podem ser adquiridos em bol.pt.

 

Workshop de Bonsai

Workshop

18 Setembro, sábado

Horário: 10.00-18.00

Preço: 60 € (inclui oferta de bonsai)

Participantes: mín. 8 e máx. 18

 

Ikebana com Kensan

Workshop

22 Setembro, 4ªfeira

Horário: 13.30 - 15.30

Preço: 65 € (inclui flores, jarra e kensan)

Participantes: máx. 12

 

Furoshiki para o Dia a Dia – Embalagens Tradicionais Japonesas

Workshop

24 Setembro, 6ªfeira

Horário: 10.30-12.30

Preço: 25 €

Participantes: máx. 10

 

Mizuhiki – Nós Japoneses

Workshop

13 Outubro, 4ªfeira

Horário: 10.30-12.30

Preço: 25 €

Participantes: máx. 10

 

Caligrafia Japonesa

Workshop

19 Outubro (3ªfeira) ou 24 Novembro (4ªfeira)

Horário: 14.00-16.00

Preço: 20 €

Participantes: máx. 12

SERRALVES // SERRALVES EM LUZ // 12,13 & 14 AGOSTO - VISITAS GUIADAS // 13 AGOSTO - WORKSHOP FOTOGRAFIA NOTURNA

VISITAS GUIADAS À GRANDE EXPOSIÇÃO NO PARQUE

12, 13 & 14 agosto

&

WORKSHOP DE FOTOGRAFIA NOTURNA

13 agosto

 

SERRALVES EM LUZ

 

  • Quinta-feira, dia 12, sexta-feira, dia 13 e sábado, 14 de agosto, pelas 21h00, realizam-se na no Parque de Serralves visitas guiadas à exposição.
  • No dia 13, sábado, o fotógrafo Filipe Braga dirige um workshop de fotografia noturna.
  • O Serralves em Luz, transforma pela primeira vez todo Parque de Serralves numa impactante exposição de luz, proporcionando a fruição noturna deste magnífico espaço através de uma experiência surpreendente.

 

SERRALVES EM LUZ

Parque

De 29 JUL a 17 OUT 

Todos os dias, das 21:00 às 22:30

 

Com desenho de luz de Nuno Maya em articulação com a equipa do Parque de Serralves, esta grande exposição ao ar livre apresenta-se numa enorme dinâmica de luz e cor, criando uma atmosfera mágica que se estende a todo o Parque de Serralves, dando a descobrir deslumbrantes novas perspetivas em torno deste notável património natural e arquitetónico.

 

Recorrendo a variadas fontes de luz, como o LED, o halogénio, o hmi, o laser ou o vídeo, são criadas ambiciosas experiências visuais e sensoriais que transportam o visitante em diferentes percepções entre o real e o imaginário, construindo-se diálogos estáticos ou em movimento, através de 24 instalações ao longo de um percurso de 3km que atravessa todo o Parque.

A introdução da cor, do som e de inovadores efeitos visuais permitem ao público vivenciar o Parque de uma forma muito distinta do seu estado habitual. As instalações luminosas transformam o espaço em ambientes imersivos que nos transportam para as diferentes estações do ano, que permitem a conexão com diversos elementos naturais do Parque – como a água ou a vegetação - e que nos levam a experienciar, de uma forma original, manifestações luminosas da natureza como o sol, a lua, os reflexos, o arco-íris ou as auroras boreais.

 

O surpreendente percurso de iluminações está pensado num formato de sentido único, passando por diversos pontos de interesse do Parque e oferecendo ao público uma viagem sensorial muito variada, completa e segura.

 

Em paralelo a esta grande exposição noturna e ao ar livre, decorre um programa de visitas orientadas e de workshops de fotografia, que complementa e realça a vivência das diferentes dimensões em presença: luz, natureza, arte e arquitetura.

 

VISITAS NOTURNAS ORIENTADAS AO SERRALVES EM LUZ

Parque

30 JUL - 16 OUT 2021

Quintas, Sextas e Sábados

Horário: 21:00 (duração: 1h30)

 

A Grande Exposição Serralves em Luz convida à contemplação do património natural, paisagístico e arquitetónico existente no Parque de Serralves através da experienciação de um conceito criativo assente num ambicioso jogo de luz.

 

A programação específica de visitas orientadas potencia novas perspetivas sobre o Parque, numa simbiose única vivenciada in loco, enriquecida por uma dinâmica de luz e cor que resulta numa narrativa impactante através de diversas atmosferas. Recorrendo a variadas fontes de luz são criadas novas experiências visuais e sensoriais que transportam o visitante em diferentes perceções entre o real e o imaginário, construindo-se diálogos estáticos ou em movimento com 24 instalações ao longo de um percurso de 3km que atravessa todo o Parque.

 

Acesso (acresce ao bilhete Serralves em Luz): 2,50€

Lotação máxima: 20 participantes

 

Datas:

Ago –12, 13, 14, 19, 20, 21, 26, 27 e 28

Set – 2, 3, 4, 9, 10, 11, 17, 18, 24 e 25

Out – 1, 2, 8, 9, 15 e 16

 

WORKSHOP DE FOTOGRAFIA NOTURNA NO PARQUE

Parque

13 AGO

Formador: Filipe Braga

A Grande Exposição Serralves em Luz constitui uma oportunidade única para obter belas e singulares fotografias do Parque de Serralves. A luz, ou a ausência desta, são poderosas ferramentas de criação que permitem mostrar uma versão da realidade de uma forma encantadora e misteriosa.  Fazer uma fotografia de paisagem durante a noite pode ser um desafio, mas, aprendendo as técnicas adequadas, é possível um interessante e surpreendente resultado.

 

Os participantes devem estar munidos de uma câmara fotográfica digital - que permita o controlo manual da exposição, da focagem, da sensibilidade e da temperatura de cor - e de um tripé. Não sendo obrigatório, recomenda-se o uso de um cabo disparador ou disparador remoto e as baterias carregadas.  

 

Inscrição: 30€        

Amigos de Serralves: 27€

 

Ponto de encontro: receção do Museu                       

Lotação máxima: 15 adultos                       

Lotação mínima para realização: 8 adultos

Próxima data:                                                                  

15 out

 

 

 

SERRALVES // 28 E 29 JUN // CELEBRAÇÃO DO 50º ANIVERSÁRIO DO PROGRAMA UNESCO - MAN AND THE BIOSPHERE // RESERVAS DA BIOSFERA, TERRITÓRIOS SUSTENTÁVEIS, COMUNIDADES RESILIENTES – DIÁLOGOS LUSÓFONOS

RESERVAS DA BIOSFERA

TERRITÓRIOS SUSTENTÁVEIS, COMUNIDADES RESILIENTES – DIÁLOGOS LUSÓFONOS

 

28 - 29 JUN 2021

 

CONFERÊNCIA + WORKSHOP

Evento híbrido (presencial e online) de acesso gratuito, com inscrição obrigatória em www.serralves.pt

 

A Conferência “Reservas da Biosfera: territórios sustentáveis, comunidades resilientes - Diálogos lusófonos”, a realizar nos dias 28 e 29 de Junho na Fundação de Serralves constitui o evento oficial das celebrações do programa global UNESCO MAB - 50º Aniversário, que tem como objetivo apresentar o conjunto das Reservas da Biosfera Lusófonas[1], a sua relevância patrimonial e valioso contributo para o desenvolvimento dos territórios.

 

A abertura contará com as intervenções de Francisco AndréSecretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, doDiretor da Divisão de Ciências Ecológicas e da Terra da UNESCO,Miguel Clüsener-Godt, e de Anabela Trindade, Presidente do Comité MAB de Portugal, para além da Presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho.

 

PROGRAMA: AQUI

 

A conferência constituirá uma oportunidade para dar a conhecer o património natural e cultural das Reservas da Biosfera, mas também as vivências que as tornam singulares. A conservação dos valores naturais em harmonia com as atividades humanas, tendo em vista a prosperidade e o bem-estar das comunidades residentes, é o desígnio que levou a UNESCO à criação do Programa MaB – Man and the Biosphere - há exatamente 50 anos.

 

“Reservas da Biosfera: territórios sustentáveis, comunidades resilientes - Diálogos lusófonos” assinalará um momento de celebração deste aniversário do Programa MaB, congratulando a decisão histórica e visionária da UNESCO ao afirmar uma estratégia de desenvolvimento pioneira na senda da sustentabilidade planetária. O Programa MaB está na base da constituição das 714 Reservas da Biosfera classificadas à escala global, territórios justamente considerados laboratórios vivos de sustentabilidade. A sua salvaguarda é parte de uma vontade/motivação universal para a conservação dos ecossistemas naturais e dos serviços que prestam à humanidade, integrando as comunidades e a atividade económica, numa coexistência dialogante e inclusiva com vista ao bem-estar e à prosperidade sustentável dos territórios em que se inserem.

 

 

[1] Castro Verde, Corvo, Gerês-Xurês, Graciosa, Fajãs de São Jorge, Flores, Transfronteiriça Meseta Ibérica, Paúl do Boquilobo, Santana Madeira, Transfronteiriça Tejo/Tajo Internacional, Berlengas Peniche e Porto Santo

 

WORKSHOP: AQUI

 

O segundo dia será preenchido por um workshop que recorrendo às metodologias da história oral e da investigação colaborativa, fará a integração de diferentes agentes e protagonistas da história, numa dinâmica transgeracional, de forma a valorizar as histórias de vida de cada um, acreditando que todos têm algo para contar e acrescentar à História. Uma dinâmica desenvolvida em colaboração com outras áreas científicas como a psicologia, o turismo, a biologia, a ecologia, ciências da comunicação e da informação de modo a podermos realizar leituras transversais do património e da história.

 

Um processo de colaboração na construção de espaços dedicados à partilha e preservação da memória local e das comunidades, transmitindo as ferramentas da investigação histórica a todos aqueles que partilhem esta missão.

 

Este workshop surge integrado num conjunto de iniciativas e atividades dedicadas ao estudo, identificação e organização do património material e imaterial e da memória, contando com a iniciativa e colaboração de quem protagonizou a história. A preservação da memória de todos, para todos, numa estrutura aberta de investigação e de produção do conhecimento numa construção colaborativa, sem barreiras etárias, onde a experiência de cada um conta.

 

ORADORES:

 

FRANCISCO ANDRÉ,Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, nasceu em Leiria, em 1976. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (2000), na menção jurídico-económicas, e iniciou a sua carreira profissional como advogado em 2003. Foi chefe do Gabinete do Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros do XVII Governo Constitucional entre 2005 e 2008 e Conselheiro na Representação Permanente de Portugal (REPER) junto da União Europeia, entre 2009 e 2013. Foi chefe do Gabinete do Primeiro-Ministro dos XXI e XXII Governos Constitucionais, desde outubro de 2018 até agosto de 2020. Exerceu ainda funções como Conselheiro técnico principal na Representação Permanente de Portugal junto da OCDE entre setembro e dezembro de 2020.

 

ANA PINHO, Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da Fundação de Serralves, Administradora da REN, SGPS, SA, Gerente da Arsopi Lda., Administradora da Tecnocom SA e Administradora da ATP – Associação do Turismo do Porto e Norte. Foi Administradora da TAP SGPS, S.A., CEO da UBS Portugal e membro da Comissão Executiva da UBS España tendo, antes disso, exercido vários outros cargos na UBS AG. Anteriormente, foi Equity Analyst na Schroder Securities, em Londres e Analista Financeira no Banco Português de Investimentos, no Porto. Licenciada em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto, detém um MBA pela Cass Business School, London e um Corporate Finance Executive Programme pela London Business School. Frequentou vários cursos de história de arte na Fundação de Serralves Porto, na Sociedade Nacional de Belas Artes Lisboa, na Christie’s Education London e no Sotheby’s Institute London.

 

ANABELA TRINDADE, bióloga, com pós graduação em Managing Nature in Protected Areas, pela Universidade de Évora e pelo University College London (1995)e mestrado em Conservação da Biodiversidade Animal da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, ingressou, no agora, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) em 1985. Desde aí, esteve sempre ligada ao Ministério do Ambiente entre o ICNF, os gabinetes ministeriais e a Agência Portuguesa do Ambiente, assumindo várias funções de direção e participando em variadíssimos fóruns, projetos e ações, de âmbito nacional e internacional, sempre relacionados com áreas classificadas e conservação da natureza e da biodiversidade. Atualmente é assessora do Conselho Diretivo do ICNF e Presidente do Comité Nacional do Programa Man and the Biosphere (MaB) da UNESCO, um desafio que lhe foi lançado em 2014.

 

ANTÓNIO DOMINGOS ABREU, Biólogo, doutorado em Biologia Marinha, investigador e gestor na Cátedra UNESCO em biodiversidade e conservação para o Desenvolvimento Sustentável e do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra. Possui uma extensa experiência de trabalho internacional, tendo trabalhado nos últimos 20 anos para a UNESCO; Banco Africano de Desenvolvimento, Banco Mundial, IFAD, e outras agências e governos de diferentes países em África, Ásia, América do Sul e Europa.

Em particular relativamente ao programa MAB e às Reservas da Biosfera da trabalhou na UNESCO como Especialista de Programa na Divisão de Ciências Ecológicas e da Terra e foi membro do Comité MAB Nacional. Tem coordenado diversas candidaturas, processos de revisão periódica e avaliação de Reservas da Biosfera em Portugal e no estrangeiro e integrou o Grupo de Peritos responsável pela Revisão da Estratégia do Programa MAB. É o Coordenador geral do projeto EEAGrants: Reservas da Biosfera portuguesas- territórios sustentáveis comunidades resilientes.

É Vice-Presidente da Rede Europeia de Conselhos de Ambiente em representação do Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

 

CLAYTON FERREIRA LINO, Arquiteto formado na brasileira Universidade Mackenzie, com especialização em Patrimônio Ambiental Urbano na USP e Manejo de Áreas Protegidas (Costa Rica/1986 e Estados Unidos/1989). É fotógrafo e espeleólogo, com vários livros e textos técnico e científicos publicados sobre Cavernas, Vale do Ribeira, Mata Atlântica, Áreas Protegidas e manejo de recursos naturais, no Brasil e exterior. 

Foi Diretor Geral do Instituto Florestal de São Paulo e de vários outros órgãos governamentais.

Foi presidente da Sociedade Brasileira de Espeleologia, fundador e vice-presidente da Fundação SOS Mata Atlântica e membro de diversas ONGs na área de meio ambiente e pesquisa.

É presidente do Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e representante da América Latina e Caribe na Comissão Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO. 

 

HELENA FREITAS doutorou-se em Ecologia pela Universidade de Coimbra, em colaboração com a Universidade de Bielefeld, Alemanha, em 1993, e realizou um pós-doutoramento na Universidade de Stanford, EUA, entre 1994 e 1996. É Professora Catedrática na área da Biodiversidade e Ecologia da Universidade de Coimbra desde 2003, e detentora da Cátedra Unesco em Biodiversidade e Conservação para o Desenvolvimento Sustentável desde 2014.

Atualmente, é Coordenadora da unidade de investigação Centre for Functional Ecology – science for people and the planet (cfe.uc.pt), Coordenadora científica do FitoLab - Laboratório de Fitossanidade do Instituto Pedro Nunes, e integra o Conselho Científico do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra. Em Julho de 2019 integrou o comité europeu para a adaptação às alterações climáticas, incluindo a transformação societal. Desde Agosto de 2019 representa Portugal no IPBES.

As áreas científicas de especialidade relacionam-se com : Ecologia; Ecossistemas Mediterrânicos; Floresta e Agricultura; Ecologia e Gestão de espécies exóticas e invasoras; Conservação da Natureza, Biodiversidade; Fisiologia da árvore; Diversidade de Plantas e Fungos; Tolerância ao Stress e Bioremediação; Política ambiental; Bioenergia; Conservação da Natureza; Ecologia microbiana; Ecologia e Sociedade. Foi coordenadora ou participante em vários projetos e consórcios nacionais e internacionais, incluindo o Millennium Ecosystem Assessment. Orientou ou coorientou 20 dissertações de mestrado e 34 teses de doutoramento.

É autora em mais de 300 publicações científicas internacionais indexadas e várias obras de promoção e divulgação da ciência. Publica regularmente na imprensa nacional e regional, em particular sobre ambiente, territórios e sociedade, planeamento e políticas de desenvolvimento com base no conhecimento. Em março de 2000 foi-lhe atribuída a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique pelo Presidente da República Portuguesa Jorge Sampaio.

 

JOSÉ CARDOSO DOS RAMOS CASSANDRA, Engenheiro de formação. É, atualmente, Presidente da Associação dos Amigos das reserva da Biosfera da Ilha do Príncipe - AARBIP. Foi Presidente do Governo da Região Autónoma da Ilha do Príncipe, República Democrática de São Tomé e Príncipe tendo promovido e liderado o processo de candidatura da Reserva da Biosfera da Ilha do Príncipe, aprovada pela UNESCO em 2012. Nesse contexto tem participado ativamente em projetos e programas internacionais no domínio da biodiversidade, alterações climáticas e desenvolvimento sustentável, no Programa MAB da UNESCO; na Rede Mundial de Reservas da Biosfera em Ilhas e zonas costeiras, no Small Islands Development States, Convenção das Nações Unidas para as Alterações Climáticas, entre outros. Atualmente colabora com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas.

 

MARIA FERNANDA ROLLO, Historiadora. Doutorada e Agregada em História Contemporânea. Professora catedrática da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Coordenadora do Doutoramento em História e da Pós-Graduação em Políticas e Gestão de Ciência e Tecnologia. Investigadora e coordenadora de História, Territórios e Comunidades - CFE NOVA FCSH. Membro do Research Council do Instituto Europeu de Florença.

 

MIGUEL CLUSENER-GODT, de nacionalidade alemã e possui um Ph.D. em Biologia / Ecologia pela Universidade de Osnabrück na Alemanha. Em 2009, foi lhe atribuído o Doutoramento Honoris Causa pela Universidade do Pará, Belém, Brasil. Atualmente exerce funções como Diretor da Divisão de Ciências Ecológicas e da Terra da UNESCO em Paris e como Secretário do Programa o Homem e a Biosfera (MAB), que gere a Rede Mundial de Reservas da Biosfera (714 Reservas da Biosfera em 129 países, 21 delas transfronteiriças). Supervisiona o Programa de Geoparques Globais da UNESCO (161 geoparques em 44 países) e a Unidade de Redução de Risco de Desastres. Iniciou funções como Especialista Associado (P2) na UNESCO, em 1990 e durante as mesmas, publicou um grande número de publicações, como o Atlas Mundial de Manguezais, em cooperação com FAO, ISME, ITTO, UNESP / WCMC, UNU / INWEH e TNC em 2010. Coautor do Policy Brief sobre “Protegendo o Futuro dos Manguezais” e da Springer Book Series on Sabkha Ecosystems. Em março de 2016, organizou em Lima, em cooperação com o Governo do Peru, o 4º Congresso Mundial de Reservas da Biosfera, do qual surgiu a Declaração de Lima do Programa MAB e o Plano de Ação de Lima para o Programa MAB e a Rede Mundial de Reservas da Biosfera 2016 -2025.

Em dezembro de 2017, recebeu a Cruz de Oficial da Ordem do Mérito Civil do Reino de Espanha.