Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Teatro Experimental de Cascais estreia “Camino Real” de Tennessee Williams ao ar livre

Teatro Experimental de Cascais estreia “Camino Real” de Tennessee Williams ao ar livre 

Em cena de 7 a 20 de Agosto | 3ª feira a Domingo, às 18h00  

CAMINO REAL é uma das peças mais controversas de Tennessee Williams, não só pela estética do seu texto cénico, como também devido à critica nele implícita à ideologia dominante do imperialismo., Graça P. Corrêa – versão e dramaturgia da produção.

 

Créditos: Ricardo Rodrigues.

 

 

Elenco: Francisco Monteiro Lopes, João Pecegueiro, Leando Paulín, Luiz Rizo, Renato Pino, Rodrigo Cachucho, Sérgio Silva, Teresa Côrte-Real e os alunos finalistas da Escola Profissional de Teatro de Cascais (ver elenco completo no fim do texto) 

Outlook-i50kkff2.png

 

Com uma reinvenção e adaptação constantes a esta nova fase de pandemia mundial, o Teatro Experimental de Cascais estreia a sua segunda produção em menos de um mês, desta feita com uma proposta num palco diferente, para um programa de fim de tarde de Verão em total segurança e ao ar livre. “Camino Real”, de Tennessee Williams, estará em cena de 7 a 20 de Agosto, no Anfiteatro do Parque Marechal Carmona, em Cascais, com entrada de público pelo portão da Casa Museu Condes de Castro Guimarães. É também aqui que funcionará a bilheteira, de Terça-feira a Domingo, das 15h00 às 18h00. Esta produção conta, no elenco, com a participação de 40 alunos da Escola Profissional de Teatro de Cascais, 33 deles finalistas. 

Embora o tempo histórico de Camino Real nunca seja enunciado pelo autor, “torna-se evidente que a peça alude à sociedade ferozmente capitalista dos EUA” (algures nos anos 30), começa por explicar Graça P. Corrêa. A acção acontece “numa atmosfera opressiva de uma pequena aldeia sob um regime militar autoritário, [com] personagens como Marguerite Gautier (do romance e peça de teatro A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho), Dom Quixote e Sancho Pança (do romance de Cervantes), a cigana Esmeralda (do romance Notre-Dame de Paris, de Victor Hugo) e o Barão de Charlus (do romance Em Busca do Tempo Perdido de Marcel Proust)” a interagir com “figuras históricas reais, tais como o poeta Romântico Lord Byron e o famoso libertino Giacomo Casanova.”, contextualiza. 

Desta forma, torna-se desafiante definir o género do texto, que foge ao drama psicológico convencional de Tennessee Williams. Quem o diz é Graça P. Corrêa, que o enquandra como uma obra “permeada de um onirismo poético muitas vezes próximo do surrealismo, do absurdo e do expressionismo”. Nesta produção do Teatro Experimental de Cascais, como versão base é usada a segunda do dramaturgo, publicada em 1953 (Camino Real havia tido uma primeira composição em 1946), em que os elementos ficcionais do primeiro texto surgiram mais completos e encorajados. 

“Todos os anos apresentamos uma produção com os finalistas da Escola Profissional de Teatro de Cascais, e este não poderia fugir à regra. Fazêmo-lo ao ar livre, mais tarde do que o habitual, mas com a certeza, desde o início, de não deixar para trás esta tradição anual. É muito importante o regresso e o apoio de todos nesta nova fase e, por isso mesmo, também adaptámos o contexto e apresentamos este “Camino Real” numa atmosfera completamente diferente e também desafiante para todo o elenco e produção, para podermos também oferecer uma proposta diferenciada ao público. Neste momento, e em ensaios há várias semanas, estamos ansiosos por mais esta estreia, a segunda em menos de um mês, que conta com verdadeiras revelações dos nossos alunos, ao lado de um elenco experiente que aporta muito valor ao resultado final”, refere Fernando Alvarez, responsável de Programação, Cenografia e Figurinos do Teatro Experimental de Cascais.  

Com encenação de Carlos Avilez, e versão de Graça P. Corrêa, esta história garante um programa familiar diferente, numa proposta cultural descontraída e extremamente enriquecedora para todas as idades. 

Ideal para um final de tarde em família, esta peça é recomendada para maiores de 12 anos e estará em cena, no Parque Marechal Carmona (entrada pela Avenida Rei Humberto II de Itália, Museu Condes de Castro Guimarães), de 7 a 20 de Agosto, todas as semanas de Terça-feira a Domingo, às 18h00. Para informações e/ou reservas: 214 670 320 | 968 780 966. 

 

CAMINO REAL 

de TENNESSEE WILLIAMS 

CAMINO REAL 

de TENNESSEE WILLIAMS 

versão | dramaturgia GRAÇA P. CORRÊA 

encenação CARLOS AVILEZ 

cenografia | figurinos FERNANDO ALVAREZ 

coreografia NATASHA TCHITCHEROVA 

canto e voz ANA ESTER NEVES 

desenho de som HUGO NEVES REIS 

assistência de encenação RODRIGO ALEIXO 

direcção de montagem MANUEL AMORIM 

montagem RUI CASARES 

mestra de guarda-roupa ROSÁRIO BALBI 

execução de guarda-roupa  LUÍSA NOGUEIRA, MILA CUNHA  

fotografias de cena RICARDO RODRIGUES 

produção RAUL RIBEIRO  

secretariado MARIA MARQUES  

contabilidade ANA LANDEIROTO  

assistência de figurinos, adereços e maquilhagem RICARDO REIS  

assistência ao espectáculo DAVID BALBI, SOFIA RAMOS  

manutenção de guarda-roupa CLARISSE RIBEIRO  

interpretação FRANCISCO MONTEIRO LOPES, JOÃO PECEGUEIRO, LEANDRO PAULÍN, LUIZ RIZO, RENATO PINO, RODRIGO CACHUCHO, SÉRGIO SILVA, TERESA CÔRTE-REAL 

e ANA GARCIA, BALTASAR MARÇAL, BEATRIZ DOMINGUES, CAROLINA FERRÃO, DAMIAN IACOB, DANIELA D’OR, DIOGO GUIMARÃES, DIOGO LETRA, DIOGO NUNES, FRANCISCA PORTELA, GABRIELA NEVES, INÊS SARAMAGO, INÊS PROENÇA, INÊS RIBEIRO, IZABELA REIS, JAIME GAMBOA, LARA SANTOS, LARA SOARES, LEANDRO DA COSTA, MARCO SÁ PEDROSO, MARIA ALMEIDA, MARIA FONSECA, MARIANA LOPES, MATILDE GRAÇA, NUNO PERESTRELO, RITA ROQUE, ROSANA MARINHO, SAMANTA CORREIA, SARA JORGE, SOFIA MORAIS, SUSANA LUZ, TÂNIA FERREIRA, TOMÁS CANTEIRO 

finalistas da ESCOLA PROFISSIONAL DE TEATRO DE CASCAIS 

CAROLINA FARIA, GONÇALO ALMEIDA, IRIS CAÑAMERO, LAURA BAPTISTA, RIVANIA SARAIVA, RODRIGO SILVA 

alunos da ESCOLA PROFISSIONAL DE TEATRO DE CASCAIS 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.