Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Teatro O Bando estreia "Abstenção" a 8 de outubro | Vale dos Barris - Palmela

Bando estreia “Abstenção” a 8 de outubro

 

Abstenção.jpg

 

O Teatro O Bando estreia, no dia 8 de outubro, o novo espetáculo, no espaço sede, em Vale dos Barris, Palmela, com o apoio do Município. Com base no texto “O Cruzeiro”, de Abel Neves,  e com dramaturgia e encenação de João Brites, “Abstenção” acompanha «o dia a dia de uma família que atravessa uma tragédia aparente e uma maior ameaça oculta que os circunda… uma mãe castigada pela vida, que fez um voto de silêncio, coexiste com a austera atitude do pai, poderoso na dependência que a cegueira lhe impõe, sob os quais sobrevivem dois irmãos que partilham o mesmo olhar apaixonado por uma figura feminina que magnetiza toda a família».

Em setembro, O Bando e o Município promoveram uma comunidade de leitores, na Biblioteca Municipal de Palmela, que permitiu acompanhar o processo criativo da obra, debater o texto e participar nos ensaios.

A peça está em cena até 25 de outubro (quinta a sábado, às 21 horas, e domingo às 17). Reservas através dos contactos bilheteira@obando.pt e 21 233 68 50 e mais informação disponível em http://www.obando.pt/pt/espectaculos/2010/abstencao-2015/

 

 

Ficha técnica e artística:

 

Texto | “O Cruzeiro” de Abel Neves

Dramaturgia e dramatografia | João Brites

Apoio à dramaturgia | Miguel Jesus

Encenação e cenografia | João Brites

Apoio à cenografia | Rui Francisco e Fátima Santos

Música e direção musical | Jorge Salgueiro

Oralidade | Teresa Lima e Sara de Castro

Figurinos e adereços | Clara Bento

Desenho de luz | Rita Louzeiro

Com Guilherme Noronha, João Neca, Juliana Pinho, Raul Atalaia, Rita Brito e Sara de Castro

 

 

«A senhora decide se quer continuar como até aqui.

Fazia-lhe bem se falasse mais connosco. Uma palavrinha... um pedido... uma vontade.

Uma pessoa faz perguntas e a senhora responde sim ou não com a cabeça... gestos... coisas de nada.

Não vai poder ser assim o resto da vida. Temos sido uns cordeirinhos, mas pode-nos dar para vestir a pele de lobo.»

 

 

Créditos fotografia: Rita Santana