Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Teatro Politécnico estreia “Mataram as Searas” na Biblioteca de Palmela

 

Mataram as Searas.jpg

 

O Teatro Politécnico - Grupo de Teatro do Politécnico de Setúbal estreia o espetáculo “Mataram as Searas”, a 1 de agosto, em duas sessões (20h30 e 22h00), na Biblioteca Municipal de Palmela.

“Mataram as Searas” é uma novela escrita em 2015 por José Caldeira Duarte, que a adaptou em 2019  para teatro, a convite do Teatro Politécnico. Com direção e encenação de José Gil, a peça teve estreia prevista para o Dia Mundial do Teatro (27 de março), mas a pandemia COVID-19 levou o Teatro Politécnico a apresentá-la agora ao público, a convite da Câmara Municipal de Palmela.

A entrada é livre, mas sujeita a reserva de lugares, através do e-mail teatro.politecnico@ips.pt. O uso de máscara durante o espetáculo é obrigatório.

Ao longo dos seus sete anos de existência, o Teatro Politécnico, que envolve as cinco escolas de forma transversal (Escolas Superiores de Educação, de Tecnologia de Setúbal, de Tecnologia do Barreiro, de Saúde e de Ciências Empresarias) já contou com mais de 100 atrizes/atores, técnicas/os, funcionárias/os, professoras/es e estudantes, aproximadamente 6.660 espetadoras/es, 12 estreias e 31 espetáculos, a maioria nas escolas do universo IPS, mas também em espaços culturais da região.

 

Sinopse

 

«“Mataram as Searas” é a história de gente que, num tempo de raiva e desespero, soube resistir. Como diz uma das personagens, “sem bombas, sem tiros, sem napalm, arrasaram um país e esse país era o meu …”

Atravessar a fronteira era coisa sem importância e sem controlo até há bem pouco tempo. Passador era profissão do passado e os caminhos do contrabando tinham sido apagados pelo mato. No ano em que mataram as searas, um grupo de amigos dá o salto para regressar ao seu país. Resistir, resistir ao roubo da terra e da dignidade era o seu sonho. Esta é a história da vida, inventada por mulheres e homens que um dia decidiram começar de novo».

 

Ficha técnica

 

Direção e encenação: José Gil

Com a participação de: Alexandra Abreu, Anabela Pereira, Inês Trindade, José Caldeira Duarte, Miká Nunes, Óscar Martins, Paula Reis e Rodrigo Lourenço

Iluminação e sonoplastia: João Ferraria

Vídeos e imagens: Pedro Felício e Eugénia Matias

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.