Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cultura de Borla

A Cultura que não tem preço.

Visita de alunos da Artemrede ao Barreiro

 

adao.jpg

 

O Barreiro recebeu, ontem, dia 5 de março, a visita de mais de 20 alunos do curso de “Cultura e Desenvolvimento”, da Artemrede – Teatros Associados, que reúne programadores, dirigentes e eleitos da área da Cultura dos seguintes Municípios associados da Artemrede: Abrantes, Alcobaça, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Oeiras, Palmela, Sesimbra, Sobral de Monte Agraço e Tomar. De salientar que o Barreiro foi escolhido como um case study em termos de programação cultural a nível nacional pela Artemrede e pelos coordenadores pedagógicos do curso, António Pinto Ribeiro e Pedro Costa. A Vereadora Sara Ferreira, responsável pela área da Cultura, deu as boas-vindas aos alunos.


No Espaço Memória, o Técnico da CMB António Camarão fez a visita guiada às exposições permanente e “80 anos de abastecimento público de água no Barreiro”, e explicou como as mudanças na produção e na economia influenciaram a atividade cultural no Concelho. Explicou que, com o desenvolvimento do caminho-de-ferro e da Companhia União Fabril (CUF), o Barreiro acolheu trabalhadores oriundos de todo o País, o que tornou o Concelho multicultural e levou à criação de inúmeras associações.

De seguida, a comitiva visitou o Museu Industrial, instalado na antiga Central Diesel, na Baía do Tejo. Os visitantes ficaram a conhecer, neste espaço, a história da CUF, um dos mais importantes complexos químico-industriais da Europa em meados do século XX. Reúne um espólio constituído por equipamentos industriais de índole diversa, tais como a química, a têxtil, a metalomecânica, a produção de energia, mas também recorda os serviços sociais prestados pela CUF, designadamente a despensa, o posto médico, a colónia de férias, o cinema-ginásio (atual Casa da Cultura), a escola primária, entre outros.

Os alunos fizeram também um percurso por vários espaços industriais da Baía do Tejo (inclusive por uma antiga fábrica de tintas, onde o artista Vhils realizou alguns ensaios para a sua exposição em Hong Kong) e pelo circuito de arte urbana Art In Town.

Visitaram e contactaram com os responsáveis da Associação para o Desenvolvimento de Artes e Ofícios – ADAO e da Escola Conde Ferreira – Centro de Produção e Participação Artística, ficando a conhecer o trabalho cultural e de formação destas duas entidades. O desenvolvimento de projetos em parceria entre várias entidades e de apoio/colaboração com a comunidade são premissas do trabalho da ADAO e da Escola Conde Ferreira.

 

 

CMB

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.